Elon Musk: “Podemos nos tornar extintos a qualquer momento”

Tempo de leitura: 2 min.
Crédito da montagem: mysteryplaneta.com.ar

A raça humana poderá ser extinguida, e se não for em algum momento no futuro próximo, será em pouco mais de 5 bilhões de anos, quando o Sol se expandir e engolfar a Terra.

Muitos se perguntam qual é a necessidade de gastar tanto dinheiro em missões espaciais e na conquista de outros mundos, se não podemos lidar com os problemas em nosso próprio planeta. Elon Musk acha que não temos nada com certeza e que, como já ocorreram extinções em massa por causas como impactos de meteoros ou supervulcões, é necessário deixar a Terra e ter um backup para nossa espécie.

Isso foi afirmado pelo CEO da SpaceX em uma entrevista recente com ele no podcast Sway, por Kara Swisher.

Ele opinou, deixando claro que isso pode não acontecer tão cedo:

Acho que isso é essencial para garantir a sobrevivência da vida a longo prazo e para se tornar uma espécie multiplanetária. Não estou tentando ser sombrio ou pessimista aqui, mas o registro fóssil nos mostra que houve muitas extinções ao longo dos milênios. [Tudo isso] por causa de meteoros, supervulcões e variações climáticas naturais, que seriam muito graves, mas a um ritmo que pode parecer lento para nós. E então, eventualmente, o Sol vai se expandir, engolfar e tecnicamente incinerar a Terra.

No passado, Musk afirmou que a SpaceX teria que produzir pelo menos 1.000 foguetes Starship em um período de nove anos para levar um milhão de pessoas a Marte.

O magnata é um dos principais promotores da colonização de Marte, mas não é o único com pretensões interplanetárias. Por exemplo, Jeff Bezos, o homem mais rico do mundo, quer fazer o mesmo na Lua com sua empresa aeroespacial Blue Origin, colonizando-a e levando indústrias para lá.

Musk reconheceu:

Bem, um duopólio é melhor do que um monopólio, e um oligopólio é melhor do que um duopólio. O que você mais deseja, essencialmente, são várias empresas competindo para servir ao bem maior ou ao cliente. Você quer várias empresas competindo para avançar o futuro dos voos espaciais

Na mesma entrevista, Musk também observou que, apesar de seus esforços e de outros, ainda temos um longo caminho a percorrer.

Ele disse:

Temos um longo caminho a percorrer, porque nem conseguimos voltar à Lua. É muito triste que em 1969 tenhamos conseguido ir à Lua e hoje, em 2020, não tenhamos voltado.

Definitivamente, queremos que nossa civilização melhore com o tempo, embora devamos notar que sempre existe um arco. Você nem sempre avança. Basta olhar para os antigos egípcios, sumérios, babilônios e a Grécia antiga, todos eles tinham um arco civilizacional. Eles tinham uma tecnologia incrível e então perderam a capacidade de usá-la.

Musk conclui as respostas a este tópico afirmando que seus foguetes reutilizáveis ​​são a chave para conquistar o espaço e assim escalar de volta o arco de nossa civilização.

Para ver a entrevista completa e sua transcrição (em inglês), visite este link.

(Fonte)


n3m3

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Atenção: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…

USE O CUPOM OVH10 E GANHE 10% DE DESCONTO!

ÁREA DE COMENTÁRIOS

ATENÇÃO:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores.
  • A PRIMEIRA TENTATIVA DE BURLAR AS REGRAS INCORRERÁ EM BANIMENTO DA ÁREA DE COMENTÁRIOS!

Elon Muskextinção humanaviagem espacial
Comentários não são disponíveis na versão AMP do site. (0)
Clique aqui para abrir versão normal do artigo e poder comentar.