Comando Espacial dos EUA revela que Rússia disparou arma anti-satélite no espaço

Tempo de leitura: 2 min.
Imagem meramente e obviamente ilustrativa.

A guerra é ruim, mas uma guerra no espaço poderia ser ainda pior, e parece ser apenas uma questão de tempo até que os conflitos bélicos se estendam para a órbita ao redor da Terra e mais adiante.

O Comando Espacial dos Estados Unidos diz que tem evidências de que a Rússia testou uma arma antissatélites no espaço em 15 de julho, alertando que a ameaça aos sistemas de Washington é real.

O comando espacial escreveu em comunicado:

O Comando Espacial dos EUA tem evidências de que a Rússia realizou um teste não destrutivo de uma arma anti-satélite baseada no espaço.

Este teste é outro exemplo de que as ameaças aos sistemas espaciais americanos e aliados são reais, sérias e crescentes.

“Claramente isso é inaceitável”, twittou o negociador de desarmamento nuclear Marshall Billingslea, acrescentando que será uma “questão importante” a ser discutida na próxima semana em Viena, quando a intenção é renovar o Tratado de Redução de Armas Estratégicas (START).

O General John W. ‘Jay’ Raymond, comandante do Comando Espacial dos EUA e Chefe de Operações Espaciais da Força Espacial dos EUA, disse:

O sistema de satélite russo usado para realizar este teste de armas em órbita é o mesmo sistema de satélite que levantamos preocupações no início deste ano, quando a Rússia manobrou perto de um satélite do governo dos EUA.

Naquela ocasião, um par de satélites russos, Cosmos 2542 e 2543, perseguiu um satélite espião americano chamado USA 245, também chamado KH-11. No caso recente de 15 de julho, foi novamente um dos satélites mencionados acima, o Cosmos 2543, que lançou um objeto desconhecido em órbita.

O Dr. Christopher Ford, Secretário de Estado Assistente dos EUA que atualmente desempenha as funções de Subsecretário de Controle de Armas e Segurança Internacional, revelou:

Este evento destaca a defesa hipócrita da Rússia a respeito do controle de armas do espaço sideral, com o qual Moscou tem como objetivo restringir as capacidades dos Estados Unidos, embora claramente não tenha intenção de interromper seu próprio programa de contra-espaço – tanto as capacidades antissatélites em terra quanto o que parece ser um armamento anti-satélite real em órbita.

E embora os russos tenham se defendido contra as acusações dizendo que era apenas um satélite de inspeção, os americanos estão convencidos de que era algo muito mais preocupante.

Raymond disse:

Esta é mais uma evidência dos esforços contínuos da Rússia para desenvolver e testar sistemas espaciais, e consistente com a doutrina militar publicada pelo Kremlin para empregar armas que colocam em risco os EUA e os ativos espaciais aliados.

Esta notícia chega logo depois que a China lançou um foguete Long March 5 Y4 , carregando um veículo espacial e um veículo espacial, em órbita e em direção a Marte.

(Fonte)

Colaboração: Osnir Stremel Jr


Macaquinhos… macaquinhos! Perigosos macaquinhos beligerantes.

n3m3

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Atenção: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


ÁREA DE COMENTÁRIOS

ATENÇÃO:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores.
  • A PRIMEIRA TENTATIVA DE BURLAR AS REGRAS INCORRERÁ EM BANIMENTO DA ÁREA DE COMENTÁRIOS!

EUAguerra no espaçoRússiasatélite russo
Comentários não são disponíveis na versão AMP do site. (0)
Clique aqui para abrir versão normal do artigo e poder comentar.