Vida extraterrestre em luas de Saturno e Júpiter pode ser ‘indígena’, diz estudo

Tempo de leitura: 2 min.

Se houver vida no Sistema Solar fora da Terra, as luas Europa de Júpiter e Encélado de Saturno são os dois dos locais mais prováveis de abriga-la.

Europa, lua de Júpiter, e Encélado, lua de Saturno. Crédito: ESA

A pesquisa, apresentada na reunião anual de outono (hemisério norte) da União Geofísica Americana pelo geofísico da Universidade Purdue, Jay Melosh, analisou a ideia de ‘litopanspermia’, uma ideia de que a vida pula de um planeta para outro através de rochas que foram ejetadas no espaço, de acordo com Space.com, que primeiro publicou a notícia.

Em 100.000 ejeções simuladas de partículas marcianas, Melosh descobriu que uma pequena fração dessas rochas – 0,0000002 a 0,0000004 por cento para Encélado e 0,00004 a 0,00007 por cento para Europa – acabou atingindo essas luas. Ele usou três velocidades de ejeção diferentes em suas simulações: 1, 3 e 5 quilômetros por segundo.

A litopanspermia é semelhante à panspermia, a hipótese de que a vida na Terra se originou de microrganismos no espaço sideral que foram carregados aqui sem intenção por objetos como poeira espacial, meteoroides e asteroides, de acordo com um artigo no site da NASA.

Usando a linha de base que aproximadamente 1 tonelada de rochas marcianas atinge a Terra todos os anos, Melosh estimou que Europa vê uma média de aproximadamente 0,4 gramas de material marciano e apenas 2 a 4 miligramas vai para Encélado.

De acordo com o Space.com, Melosh disse durante a conferência:

Portanto, o ponto principal: se a vida for encontrada nos oceanos da Europa ou Encélado, é muito provável que seja indígena, e não originária da Terra, Marte ou (especialmente) de outro sistema solar

Melosh acrescentou que são necessários aproximadamente 2 bilhões de anos para que um meteorito de Marte atinja Encélado. Se houvesse organismos vivos nessas rochas espaciais marcianas, é possível que eles sobrevivessem se a velocidade fosse baixa; mas se as velocidades fossem mais altas, seria difícil imaginar a sobrevivência, acrescentou.

Em junho, a NASA disse que enviaria uma missão a uma das outras luas de Saturno, Titã, que também poderia ser o lar da vida. Lançada em 2026, a missão, conhecida como Dragonfly, verá um helicóptero voar “para dezenas de locais promissores” em Titã, depois de lá chegar em 2034.

Dois meses depois, a NASA confirmou que lançará uma missão a Europa, uma jornada que poderia responder se aquele corpo celeste gelado poderia ser habitável para os seres humanos e sustentar a vida.

(Fonte)


Tudo não passa de especulação científica com base em estudos controlados. A realidade pode ser muito diferente daquilo que os cientistas imaginam, como tem ocorrido inúmera vezes na história da ciência.

n3m3

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Atenção: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


ÁREA DE COMENTÁRIOS

ATENÇÃO:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores.
  • A PRIMEIRA TENTATIVA DE BURLAR AS REGRAS INCORRERÁ EM BANIMENTO DA ÁREA DE COMENTÁRIOS!
astronomiaEncéladoEuropaJúpiterSaturnovida extraterrestre
Comentários não são disponíveis na versão AMP do site. (0)
Clique aqui para abrir versão normal do artigo e poder comentar.