Cientistas espanhóis criam híbrido macaco-humano na China

Tempo de leitura: 3 min.


A equipe liderada por Juan Carlos Izpisúa injetou células-tronco nos embriões de animais como parte de uma pesquisa para encontrar uma maneira de cultivar órgãos para transplantes.

Pesquisadores liderados pelo cientista espanhol Juan Carlos Izpisúa criaram pela primeira vez um híbrido macaco-humano em um laboratório na China – um passo importante no uso de animais para transplantes de órgãos humanos, confirmou a colaboradora do projeto Estrella Núñez ao EL PAÍS.

A equipe, formada por membros do Instituto Salk, nos Estados Unidos, e da Murcia Catholic University (UCAM), na Espanha, modificaram geneticamente embriões de macacos para desativar genes essenciais à formação de órgãos. Os cientistas então injetaram células-tronco humanas, capazes de criar qualquer tipo de tecido, no embrião. O produto deste trabalho é um macaco com células humanas que não nasceu, porque os pesquisadores pararam o processo.

O experimento foi realizado na China para evitar problemas legais.

“Os resultados são muito promissores”, diz Núñez, biólogo e vice-reitor de pesquisa da UCAM.

A equipe não forneceu mais detalhes porque está esperando para publicar suas descobertas em uma revista científica de renome internacional.

Izpisúa explica:

Da UCAM e do Instituto Salk, estamos agora tentando não apenas avançar e continuar experimentando células humanas e células de roedores e porcos, mas também primatas não humanos.

Nosso país é pioneiro e líder mundial nessas investigações.

Izpisúa, nascido em Hellín (Albacete) em 1960, diz que em 2017 sua equipe realizou “o primeiro experimento de quimeras humanas e de suínos no mundo”, embora com menos sucesso.

O veterinário argentino, Pablo Ross, pesquisador da Universidade da Califórnia em Davis e co-autor do experimento, informou:

As células humanas não se fixaram. Vimos que elas contribuíram muito pouco [para o desenvolvimento do embrião]: uma célula humana para cada 100.000 células suínas.

 Juan Carlos Izpisúa.

A equipe de Izpisúa conseguiu criar quimeras entre espécies mais semelhantes, como o rato e o camundongo, cinco vezes mais próximas do que humanos e porcos. Em 2017, os pesquisadores também usaram a revolucionária ferramenta de edição de genoma CRISPR para desativar genes em embriões de camundongos que são fundamentais para o desenvolvimento do coração, olhos e pâncreas. A equipe então introduziu células-tronco de ratos capazes de gerar esses órgãos. O resultado foi uma série de embriões quiméricos de ratos e camundongos, cuja gestação também foi interrompida de acordo com o consenso internacional sobre esses tipos de experimentos.

O doutor Ángel Raya, diretor do Centro de Medicina Regenerativa de Barcelona, ​​explica que experimentos com quimeras enfrentam “barreiras éticas”.

Ele pergunta:

O que acontece se as células-tronco escaparem e formarem neurônios humanos no cérebro do animal? Teria consciência? E o que acontece se essas células-tronco se transformarem em espermatozoides?

Núñez assegura que a equipe de pesquisa de Izpisuá criou mecanismos “para que, se as células humanas migrarem para o cérebro, se autodestruam”.

Para evitar problemas éticos, a comunidade científica tradicionalmente estabeleceu a “linha vermelha aos 14 dias” de gestação, diz Raya, o que não é tempo suficiente para o embrião desenvolver um sistema nervoso central humano. Todos os embriões quiméricos são destruídos antes que o período termine. “Em nenhum caso a gestação é levada a termo”, acrescenta Núñez.

A pesquisa de Izpisúa com macacos na China foi financiada em grande parte pelo UCAM e não foi barata.

Núñez diz:

Se combinarmos a pesquisa humano / suíno, humano / rato e humano / macaco, são muitas centenas de milhares de euros.

Na Espanha, esse tipo de pesquisa é fortemente restrita e limitada apenas à investigação de doenças mortais.

Núñez, que minimiza o fato de sua universidade ser católica, explica:

Estamos fazendo os experimentos com macacos na China porque, em princípio, eles não podem ser feitos aqui. O que queremos é progredir em prol das pessoas que têm uma doença.

O objetivo final seria criar um órgão humano que pudesse ser transplantado, mas o caminho em si é quase mais interessante para os cientistas de hoje.

Estou essencialmente ciente de que não verei isso acontecer [o desenvolvimento de órgãos humanos em animais], mas para chegar a esse ponto, é necessário passar por isso.

(Fonte)

Colaboração: Lênio


Coincidentemente, ou não, há dois dias foi publicado aqui no OH um artigo falando a respeito do governo japonês ter aprovado os primeiros experimentos com embriões humanos e animais.

Será que a Caixa de Pandora se abriu?

Como minha mãe dizia: “Criança que brinca com fósforos faz xixi na cama”.

O tempo dirá.

n3m3

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Atenção: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO… e (importante) se puder, colabore na manutenção do OVNI Hoje utilizando o QR code do PIX abaixo:

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS

ATENÇÃO:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores.
  • A PRIMEIRA TENTATIVA DE BURLAR AS REGRAS INCORRERÁ EM BANIMENTO DA ÁREA DE COMENTÁRIOS!
células-troncoChinaembriõesEspanhahíbrido macaco-humanoquimeras
Comentários não são disponíveis na versão AMP do site. (0)
Clique aqui para abrir versão normal do artigo e poder comentar.