Registros Akáshicos: A consciência cósmica onde tudo é armazenado?

Tempo de leitura: 3 min.

Um tema que sempre me fascinou, mas para o qual não consegui encontrar provas sólidas ainda, é a possibilidade de haver um registro universal de tudo que já ocorreu e está ocorrendo nessa nossa “realidade”, chamado de Registro Akáshico.

Embora este não seja um tema diretamente ligado ao que geralmente tratamos aqui no OH, sua existência, se provada, teria tudo a ver com toda a vida no Universo e, no mínimo, não deixa de ser algo interessante para uma troca de ideias na área de comentários após o artigo.

Veja o interessante artigo abaixo: 

A palavra Akasha pode ser rastreada até sua origem suméria, onde foi usada para se referir ao éter, tanto em seu sentido elementar e metafísico. Talvez a pessoa a quem precisamos nos voltar quando se fala do Akasha ou do éter seja um homem cuja importância não foi verdadeiramente apreciada: Nikola Tesla – um genial polímata, inventor e engenheiro mecânico e elétrico. Em uma entrevista apelidada de Man’s Greatest Achievement (O Maior Feito do Homem) , Nikola Tesla disse:

Toda matéria perceptível vem de uma substância primária, ou tenuidade além da concepção, preenchendo todo o espaço, o Akasha ou éter luminífero, que é influenciado pelo Prana vivificante ou força criativa, chamando à existência, em intermináveis ​​ciclos, todas as coisas e fenômenos.

No entanto, mesmo antes de Nikola Tesla, filósofos e estudiosos antigos se perguntavam se o chamado éter existia.

Se dermos uma olhada nas viagens indianas de Apolônio de Tiana, encontraremos uma nova menção do chamado éter.

Se dermos uma olhada no antigo hinduísmo, Akash é o quinto dos ‘cinco grandes elementos’:

  • prthivi (terra)
  • apa (água)
  • agni (fogo)
  • vaiu (ar)
  • akashá (éter)

E eles permitiram que Apolônio fizesse perguntas; e ele perguntou-lhes do que achavam que o cosmos era composto”; mas eles responderam: “De elementos.”

“Há então quatro?”, Perguntou ele. “Não quatro”, disse Larchas, “mas cinco.”

“E como pode haver um quinto”, disse Apolônio, “ao lado de água e ar e terra e fogo?”

“Há o éter”, respondeu o outro, “que devemos considerar como o material de que os deuses são feitos; pois assim como todas as criaturas mortais inalam o fio, também as naturezas imortais e divinas inalam o éter.”

“Teria eu”, disse Apolônio, “que considerar o Universo como uma criatura viva?” “Sim”, respondeu o outro.

Akasha ou ākāśa é um termo para o espaço ou para o éter na cosmologia tradicional indiana. Em sânscrito antigo, é usado para descrever o ‘éter’ (æther), que é um fluido impalpável, imaterial, sutil e intangível, que os antigos hindus acreditavam que existe por todo o Universo e seria o veículo do som e vida.

Chegamos a entender que o éter ou Akasha é basicamente o fundamento de tudo que existe em nosso mundo material.

Em inúmeros ensinamentos antigos, o Akasha é considerado a força invisível por detrás da criação de toda a matéria. Akasha é traduzido como base e essência de todas as coisas no mundo material; e é considerado o primeiro elemento material criado a partir do mundo astral. É a fonte de energia para a manifestação material.

O enigma por trás dos registros Akáshicos

Então, quais são os registros Akashicos?

Alice A. Bailey escreveu em seu livro Light of the Soul (Luz da Alma) (1927):

O Registro akáshico é como um imenso filme fotográfico, registrando todos os desejos e experiências da Terra do nosso planeta. Aqueles que o percebem verão nele: as experiências de vida de cada ser humano, desde o início do tempo, as reações à experiência de todo o reino animal, a agregação das formas-pensamento de natureza kármica (baseada no desejo) de toda unidade humana ao longo do tempo. Aqui está a grande decepção dos registros. Apenas um ocultista treinado pode distinguir entre a experiência real e aquelas imagens astrais criadas pela imaginação e pelo desejo aguçado.

O significado dos Registros Akáshicos pode ser resumido como os ‘dados’ que em teoria existem em um único lugar, de uma maneira não física, fora do tempo e do espaço.

Nestes registros, podemos descobrir o conhecimento absoluto e experiência de nossa alma; quase como se fosse parte de um supercomputador de informação cósmica, onde nosso passado vive, e as possibilidades presentes e futuras, assim como o sentido de nossa existência, residem.

Os Registros Akáshicos (do Akasha, em sânscrito: céu, espaço, éter), também podem ser resumidos como um tipo de memória (de tudo o que aconteceu desde o início dos tempos) que foi incorporado e registrado no éter.

Lá, tudo o que aconteceu desde o início dos tempos e todo o conhecimento do Universo é encontrado, guardado com segurança desde tempos imemoriais.

Se dermos uma olhada em seu significado do ponto de vista teosófico e antroposófico, descobriremos que os Registros Akáshicos são um resumo de todos os eventos, pensamentos, palavras, emoções e intenções humanas que já ocorreram no passado ou futuro.

(Fonte)


E você, acredita na existência de um registro universal de tudo que aconteceu e está acontecendo nessa nossa realidade?

A área de comentários está sempre aberta para sua educada opinião.

n3m3

passadopresenteRegistros AkáshicossabedoriaUniverso
Comentários não são disponíveis na versão AMP do site. (0)
Clique aqui para abrir versão normal do artigo e poder comentar.