Crânios alongados de Paracas não são nativos da América, mostra resultado de DNA

Tempo de leitura: 2 min.

Há três dias, foi publicado aqui no OH um artigo intitulado “Resultados recém obtidos de DNA de crânios alongados poderão reescrever nossa história“, onde dizia que pesquisadores estavam prestes a revelar algumas de suas descobertas sobre esses misteriosos crânios.

Abaixo está o que foi revelado até agora:

Os Paracas eram uma mistura étnica incrivelmente complexa de pessoas … Há uma série de haplogrupos diferentes que foram encontrados nos testes de DNA dos crânios alongados de Paracas, e esses haplogrupos, que é sua ascendência genética, não se encaixam na história do Peru em qualquer forma ou maneira…

De acordo com um grupo de especialistas que lidam com o fenômeno dos crânios de Paracas, os recentes resultados de DNA revelaram que estes crânios alongados não são nativos da região.

Durante a década de 1920, um arqueólogo peruano chamado Julio Tello descobriu uma série de túmulos em Paracas, no Peru. O conteúdo da tumba deixou especialistas perplexos à medida que inúmeros crânios alongados foram recuperados das tumbas. Desde então,mais crânios alongados foram encontrados na região, levantando inúmeras questões sobre essas pessoas misteriosas.

Por mais de cinco anos, especialistas como Brien Foerster tentaram resolver o mistério por detrás dos crânios alongados. Embora tenham sido feitos muitos progressos na sua compreensão, a jornada foi muito difícil.

A análise deste crânio alongado, que tem cabelo ruivo, mostra que ele possui um haplogrupo mitocondrial U2e, o que pode significar que ele se originou em algum lugar do Cáucaso … longe de Paracas.

Após inúmeros estudos e pesquisas, começamos a descobrir mais sobre esses crânios misteriosos. Algumas análises de DNA mostraram que o alongamento presente no crânio de Paracas não foi o resultado da deformação craniana artificial, mas sim pela genética. Alguns dos Crânios de Paracas têm um volume craniano que é até 25% maior e 60% mais pesado do que os crânios humanos convencionais. Enquanto a deformação artificial da cabeça pode alterar o formato do crânio, ela não pode alterar seu volume.

No final da semana passado, um simpósio foi realizado em Los Angeles, onde os especialistas anunciaram novos resultados de testes realizados nos crânios alongados.

Os principais palestrantes do evento foram L.A. Marzulli e Brien Foerster.

Conforme relatado pelo site Megalith Marvels, Foerster, autor de vários livros sobre o assunto e um reconhecido especialista dos Crânios de Paracas, publicou a seguinte informação sobre os resultados de DNA acima mencionados.

Os resultados do DNA realmente foram incrivelmente complicados … Levará algum tempo para descobrir o que os resultados significam. O que mostra com certeza é que as pessoas de crânios alongados de Paracas não eram 100% americanos nativas. Eles eram uma mistura ou até mesmo você poderia dizer, de certa forma, um híbrido de pessoas diferentes.

Mais perguntas do que respostas …

Foerster explica:

Seus tipos sanguíneos também são muito complicados; eles deveriam ser do tipo “O” se forem 100% americanos nativos, e esse não é o caso. É provável que vejamos uma sub-espécie da humanidade em relação aos Paracas … Parece haver uma grande quantidade de evidências de DNA proveniente da Extremo Oriente da Europa e do Extremo Ocidente da Ásia. Mais especificamente, estou falando sobre a área entre o Mar Negro e o Mar Cáspio, onde antigamente pessoas de crânio alongado viveram há cerca de 3000 anos.

(Fonte)


Embora os testes de DNA tenham mostrado a origem surpreendente dessas pessoas de crânios alongados (e note que ninguém aqui falou que os crânios eram alienígenas), como era de se esperar, muitos arqueólogos convencionais estão combatendo esta notícia.

Impressionante como os “professores da impossibilidade” lutam ferrenhamente para que as coisas fiquem sempre iguais, tal como eles, os eternos donos da razão, acham que devem ser.

n3m3

crânios alongadosFoersterMazulliParacasPeru
Comentários não são disponíveis na versão AMP do site. (21)
Clique aqui para abrir versão normal do artigo e poder comentar.
  • Spock

    Ok… Ok… MAS QUAL TIPO SANGUÍNEO já que o tipo “O” está descartado?
    Sendo 3000 anos a estimativa… veja-se que será notório a ANCESTRALIDADE desses cabeças-longas!
    Eu palpito que eles são do tipo B Negativo!
    \//_

  • José Carlos Gouvêa

    “Paracas” meu (hehehehehe), fiquei decepcionado com esse resultado, pensei que ia ter um breve momento de: “os estudos continuam inconclusivos”, apesar da mistureba de DNA, está até parecendo nosso país, uma tremenda mistura de raças.

    • Renattomodaatual Plussize

      Os anjos caidos acasalaram com as filhas dos homens esta escrito no livro sagrado.

  • Renattomodaatual Plussize

    QUANDO ESPANHÓIS CHEGARAM AQUI FORAM RECEBIDOS COMO DEUSES POIS PIZARRO( tinha barba e cabelos vermelhos) DESTA MANEIRA COM MEIA DUZIAS DE SOLDADOS CONQUISTOU O IMPERIO INCA.

  • Renattomodaatual Plussize

    Eu sou B negativo quando pequeno tinha uma cabeça avantajada. Hoje é normal.

  • cyrocs

    Bom dia a todos.

    Os crânios alongados de Paracas já têm uma longa história, e este é só mais um
    capítulo. O problema é que “pesquisadores” como o Sr. Foerster não seguem de
    modo algum a metodologia indicada pela prática científica para esse tipo de
    estudo. De nada adiante liberar informações em simpósios, entrevistas ou vídeos
    do YouTube se determinados requisitos não forem satisfeitos. No caso de um
    exame de DNA é preciso emitir um relatório informando a peça de onde foi
    colhida a amostra, a metodologia usada para a obtenção da amostra, a
    metodologia usada para a análise do DNA, o resultado completo da análise, e a
    identificação dos especialistas envolvidos. E isso é só o começo, pois a
    interpretação desta análise de DNA deve ser feita por especialistas que também
    emitirão um relatório com as suas conclusões. Tudo isso deve ser
    disponibilizado para a comunidade científica, que então poderá analisar esses
    resultados. A Ciência não pode mudar seus procedimentos para agradar ao Sr.
    Foerster, portanto não se trata absolutamente de hostilidade contra novas
    descobertas, pois essa Ciência só avança com elas. O Sr. Foerster e outros “pesquisadores”
    atropelam sistematicamente os procedimentos corretos na ânsia de apresentar
    resultados.

  • Reinaldo

    Aquele momento em que você se depara com o ditado “Enxergamos aquilo que queremos ver”: “…muitos arqueólogos convencionais estão combatendo esta notícia.”. Fico me perguntando o que é um arqueólogo convencional? Aquele que faz ciência e produz conhecimento de acordo com os protocolos científicos? Ciência é assim: hipótese, testes, conclusões, contestações e repetibilidade. Assim que se forma o conhecimento acadêmico real. Essa questão dos genes europeus e asiáticos em pessoas sul-americanas pré-colombianas ficará no limbo por muito tempo até ser elucidado, assim como os traços de folha de coca encontrados nas múmias do Egito.

    Impressionante é ler “… os “professores da impossibilidade” lutam ferrenhamente para que as coisas fiquem sempre iguais, tal como eles, os eternos donos da razão, acham que devem ser.”. Esperavam o que? DNA alienígena? Nucleotídeos com silício no lugar do carbono? Dizerem que são seres de outro planeta? São essas posturas que fazem a ufologia não ser considerada uma ciência. No meio acadêmico não tem espaço para achismo, mesmo se valendo da máxima que ausência de prova não é prova de ausência.

    Assim como foi dito no título do outro artigo, a história está sendo reescrita. Novas rotas migratórias possibilitadas pelo recuo marítimo promovido pela era glacial? Os povos antigos possuíam mais conhecimento e tecnologia em navegação do que conhecemos? Um leque de possibilidade e incógnitas foi aberto aos “estudiosos convencionais”. Aos deslumbrados sobra enxergar apenas o que lhes convém ou o despeito da raposa em relação as uvas.

    • cyrocs

      Muito bem comentado.

  • Itacyr Salles Da Silva da Silv

    Não são PETs Pessoas Extraterrestres, são daqui mesmo.

  • Derek Soares

    Correndo o risco de ser chato e repetitivo vou dizer novamente são apenas os crânios de Beldar, Prymatt e Connie.

  • RGJ

    E se os cabeças longas foram mais um experimento dos aliens com nossos ancestrais? Parece que eles estão há muito tempo nos manipulando geneticamente, nos resta saber para quê. Tenho uma teoria à respeito destas manipulações genéticas(mais uma, dentre muitas existentes). Temos visto um grande avanço na ciência genética, onde já estamos clonado mamífero, primatas, e sabe-se mais o quê, na área da computação, estamos armazenando uma quantidades de dados que se multiplica muito rapidamente, parece inevitável que as duas áreas se fundam, nascendo assim o sonho de todos os humanos, a clonagem e com as memórias implantadas posteriormente através do processamento de dados (armazenando as memórias da pessoa). E se aliens muitos avançados tecnologicamente, descobrirem como manipular corpos físicos de carbono, para poderem reencarnar suas memórias neles (Espírito) fazendo com suas vidas sejam eternas, através da implantação das memórias naqueles corpos; Bastado para isto Que, através da manipulações dos DNA, aqueles determinados corpos tivessem uma assinatura genética que as momerias pudessem achar.

    • aland_55

      O humano que vai chegar a idade de 1000 anos já nasceu. A genética está muito mais avançada do que as pessoas imaginam. Vou dar o exemplo da soja: Introduziram um gene de uma planta resistente a um certo herbicida na soja,assim podem aplicar o herbicida por cima da soja, morrem só os inços, a soja ficou resistente devido ao novo gene. Assim também introduziram o gene de uma planta mais resistente a seca. Em animais o procedimento é um pouco mais complicado mas possível.

  • Kaczmarczik

    * O*O *O *O *O *O *O *O *O *O Boa Noite a Todos!!! * O* O* O* O* O* O* O* O* O* O*
    __________________ Se os crânios não são nativos do lugar de onde teriam vindo? Será que no cáucaso também existiriam crânios alongados de nativos para se relacionar um caso ao outro? Ou tais crânios que supostamente teriam vindo do cáucaso não existiriam nem no próprio cáucaso, mas foi um evento único que foi retirado de um lugar para outro?!?!?!!! Ainda há muito a ser esclarecido a respeito desses crânios alongados, mas que os cientistas de tendência dominante não querem que encontremos as respostas está bem claro!!!!
    O* O* O* O*O *O *O *O *O *O *O *O *O *O *O *O *O *O *O *O *O *O *O *O *O *O *O *O

  • LuaPequena

    Boa noite Sr. Spock !
    Muito bom !
    Deu um ” banho ” de conhecimento !
    ” Vida longa e próspera ” !!!
    Abração !

  • Marconi

    Em 2016 estive no Peru e pude ver os crânios com meus próprios olhos e de uma coisa tenho certeza. Não são humanos. Isso tenho certeza. Como a própria matéria diz o volume do crânio é maior. Os ossos do crânio também são diferentes. Abraços a todos.