Estamos transformando a Terra num planeta alienígena, diz trio de cientistas

Tempo de leitura: 2 min.
Foto: NASA-NOAA

Um trio de cientistas acabou de apresentar um novo esquema de classificação para planetas que colocaria a Terra em uma categoria híbrida, fazendo a transição de uma biosfera diversificada baseada em fotossíntese, para um mundo dominado por uma civilização intensiva em energia.

A análise dos pesquisadores possui uma visão de que a influência da humanidade gerou uma nova época geológica conhecida como a Era do Antropoceno .

Os cientistas apresentaram num estudo publicado pela revista Anthropocene:

Nossa premissa é que a entrada da Terra no Antropoceno representa o que poderia, de uma perspectiva astrobiológica, ser uma transição planetária previsível. … Em nossa perspectiva, o início do Antropoceno pode ser visto como o início da hibridação do planeta.

Esta não é a primeira vez que os cientistas tentaram classificar os reinos planetários com base em escalas teóricas: talvez o exemplo mais conhecido seja a Escala Kardashev, criada em 1964.

Essa escala propôs três categorias: Tipo I para civilizações que poderiam manipular todos os recursos energéticos que atingem seu planeta natal, Tipo II para civilizações capazes de aproveitar toda a energia de sua estrela doméstica e Tipo III para civilizações que podem controlar a energia de sua casa galáxia.

Por essa medida, a humanidade é um zero, com alguma esperança de alcançar o Tipo I algum dia.

Os autores do estudo sobre o Antropoceno – Adam Frank , astrofísico da Universidade de Rochester, a ecologista urbana da Universidade de Washington, Marina Alberti e Axel Kleidon, cientista da Terra no Instituto Max Planck de Biogeoquímica – propõem uma escala com uma ampla gama de ambientes, com ou sem vida:

  • Classe I: Mundos sem atmosfera, como Mercúrio ou Lua da Terra.
  • Classe II: Mundos com uma atmosfera fina, mas sem vida atual, como Vênus.
  • Classe III: Mundos com uma biosfera fina e alguma atividade biótica, mas não o suficiente para afetar o meio ambiente como um todo. Marte do passado poderia servir como um exemplo, se a vida estava presente há bilhões de anos atrás.
  • Classe IV: Mundos com uma biosfera espessa, sustentada pela atividade fotosintética, com um forte efeito no fluxo de energia planetária.
  • Classe V: Mundos que são profundamente afetados pela atividade de uma espécie avançada e intensiva em energia.

Os pesquisadores afirmam que a Terra está em transição entre as classes IV e V.

Então, que diferença faz um sistema de classificação? Os autores dizem que a mudança de perspectiva poderia ajudar os responsáveis ​​políticos a se concentrarem na gestão da co-evolução da humanidade e do planeta hospedeiro.

Em um comunicado de imprensa , Alberti argumentou que a busca por planetas extrasolares é um dos fatores por detrás da mudança de paradigma.

Ela disse:

A descoberta de sete novos exoplanetas orbitando a estrela TRAPPIST-1, que está relativamente próxima, nos obriga a repensar a vida na Terra. Ela abre a possibilidade de ampliar nossa compreensão da dinâmica do sistema acoplado, e lançar as bases para explorar um caminho para a sustentabilidade a longo prazo, através da entrada em uma dinâmica ecológica-evolutiva cooperativa com os sistemas planetários acoplados.

Ela e seus colegas dizem que concentrar-se no desequilíbrio de energia como uma vara de medição poderia ajudar a orientar a busca pela vida extraterrestre – e traçar um curso para o futuro da vida na Terra.

O trio de cientistas escreveu no artigo:

Qualquer mundo que hospede uma civilização intensiva em energia de longa duração deve compartilhar pelo menos algumas semelhanças em termos das propriedades termodinâmicas do sistema planetário. Compreender essas propriedades, mesmo nos esquemas mais amplos, pode nos ajudar a entender qual direção devemos apontar nossos esforços no desenvolvimento de uma civilização humana sustentável.

(Fonte)

Mas o que os cientistas esquecem é que se formos depender somente dos políticos para criarmos leis e ações em prol da sustentabilidade, a humanidade perecerá num deserto desprovido recursos naturais já na virada do próximo século.

Para saber mais sobre a escala Kardashev, citada acima, acesse o seguinte artigo:

A escala de Kardashev para medir a força de uma civilização alienígena

n3m3

AntropocenoKardashevplanetaTerra
Comentários não são disponíveis na versão AMP do site. (11)
Clique aqui para abrir versão normal do artigo e poder comentar.
  • Munn Rá : O de Vida Eterna

    Planeta Alienígena ? No máximo Planeta ” Destruído “

    • Grizzy

      ” Pai, afasta de mim este cálice. “

  • Joao Paulo Jesus Flores

    Estes cientistas si dizem tão espertos e olham o erro que cometeram “Classe II: Mundos com uma atmosfera fina, mas sem vida atual, como Vênus.”, Desde quando Vênus tem atmosfera fina?, pelo que sei a atmosfera é bem mais densa que a nossa provocando um efeito estufa devastador

  • Joao Paulo Jesus Flores

    Enquanto isso nosso Sol: https://br,sputniknews,com/ciencia_tecnologia/201709089302210-sol-novo-clarao-superpotente/

  • José Carlos Gouvêa

    As arveres semus nóses…
    Estamos transformando isto aqui num Inferno de Dante, cada dia uma penitência.

  • ptoledo

    Putz, desde quando Vênus tem atmosfera fina??? Dentre todos os planetas rochosos do Sistema Solar, ele é quem tem a atmosfera mais densa…
    Nem terminei de ler. Esses cientistas citados são bons mesmo…

    • PETERSON WEN PU YU

      Desculpe, mas ser denso não significa ser espesso.

      • ptoledo

        Desculpe, mas nesse caso significa sim. Estude a dinâmica física e química envolvida …

        • PETERSON WEN PU YU

          Rapaz. Uma chapa de 2mm de aço é mais denso que 5cm de isopor.

  • Angelo Pullito

    Fico Abismado com a sabedoria destes “cientistas” que sempre querem classificar o Universo como se fossemos a inteligência suprema de todas as Gálaxias, por isso que iremos esperar sentados contatos com os seres universais, por que em pé será muuuuuuuuito cansativo.

  • italo.souza09

    Cérebro “aprendam a usar”, os livros de ciência deviam está errados or estes cientistas andam a ingerir substâncias duvidosas.