Olá alienígenas! Podemos conversar?

Tempo de leitura: 4 min.
BOSTON – Adam Cooper, Palestrante Sênior da Faculdade de Ciências da Universidade Northeastern. Foto por Adam Glanzman/Northeastern University

Oi!

Esta é uma das saudações mais simples que temos – uma sílaba, duas letras, talvez unidas por uma onda amigável. Mas como você diria “oi” para alguém do outro lado da cidade? Do outro lado do mundo?

E que tal para alguém que está a milhares de anos-luz de distância, cujo idioma você não conhece, cuja anatomia você não conhece (eles têm olhos?), e cuja tecnologia é um mistério? Como você diria “oi”, então? Como você até mesmo indicaria que estamos aqui, na Terra, chamando o espaço para ver se alguém vai ligar de volta?

Isso é o que Douglas Vakoch e a equipe de cientistas da Messaging Extra Terrestrial Intelligence, ou METI, estão tentando descobrir. “É assustador”, disse Vakoch com uma risada durante uma entrevista recente.

 

Estabelecendo algo em comum

METI, que originou do projeto SETI-Searching for Extra Terrestrial Intelligence (Procura por Inteligência Extraterrestre), está planejando enviar uma série de mensagens para as estrelas a partir de 2018. Mas como você envia uma mensagem para uma forma de vida que você não conhece? E o que você deveria dizer?

O palestrante e especialista em linguística Adam Cooper tem algumas idéias sobre como envia uma mensagem.

Cooper, que é Professor Sênior do Programa de Linguística da Universidade Northeasten, disse:

Se você pensar sobre isso, ter uma base comum de compreensão é o cerne da comunicação bem-sucedida através da linguagem

Os falantes que não compartilham o conhecimento da mesma língua não poderão se entender.

A chave, então, é estabelecer algo em comum. Aqui na Terra, pelo menos, pode-se contar com certos blocos de linguagem fundamentais e partir dali.

Cooper diz:

Muitos linguistas suportam o que são chamados de “recursos de projeto” da linguagem.

Estes incluem a separação e dualidade de padrões. Isso significa que a linguagem consiste em unidades isoláveis ​​e repetíveis.

Cooper explicou:

Para dar um exemplo, os sons ‘r’ e ‘e’ podem ser combinados para formar o morfema re (um prefixo), que pode combinar com verbos para formar palavras como refazer, reescrever. Essas palavras podem aparecer em frases, como em eu tenho que reescrever o trabalho, que por sua vez pode aparecer em sentenças ainda maiores, como em Max pensa que eu tenho que escrever de novo o trabalho, assim por diante e assim por diante. A qualquer nível linguístico, unidades discretas podem ser identificadas, e estas podem ser manipuladas em qualquer número de formas específicas de linguagem para criarem enunciados linguísticos.

Além disso, para que os seres humanos tenham qualquer esperança de decifrar uma mensagem que voltou para nós, a linguagem alienígena precisaria operar sob esses mesmos princípios básicos.

Se os extraterrestres têm uma linguagem, como os linguistas a concebem, qualquer esperança de entendê-la dependerá do fato dela ser sistematizada e governada por regras. As regras podem não ser imediatamente óbvias para nós, mas elas devem estar lá .

“Dois mais dois é igual a quatro”

Mas, por enquanto, Vakoch e METI estão focados em transmitir a mensagem.

Douglas Vakoch, presidente da METI, pousa para uma foto no Observatório de Arecibo. Foto de Alexander Rynéus, cortesia de Vakoch

Ele e sua equipe determinaram que o terreno comum Cooper mencionou deve ser a matemática. Segundo eles, qualquer civilização que tenha construído uma tecnologia sofisticada o suficiente para receber uma mensagem de trilhões de quilômetros de distância, também deve entender pelo menos os conceitos básicos de matemática.

Vakoch disse:

É difícil imaginar que você seria capaz de construir tal tecnologia sem saber que dois mais dois é igual a quatro.

Então, a equipe enviará mensagens que comunicam suas ideias essenciais através do próprio sinal. Isso significa enviar pulsos de rádio de uma duração e freqüência definidas, depois apontando para trás nesses blocos de construção para explicar informações ligeiramente mais complexas sobre nós.

Por exemplo, um pulso que dura dois segundos seria seguido pela “palavra” que significa dois. Como o The New York Times explica:

As palavras para propriedades matemáticas básicas podem ser transmitidas combinando pulsos de diferentes comprimentos. Você pode demonstrar a propriedade de adição enviando a palavra para ‘três’ e ‘seis’ e depois enviar um pulso que dura nove segundos.

Isso dá aos cientistas uma maneira de comunicar conceitos sem apontar para nada – uma parte essencial do aprendizado de línguas aqui na Terra.

Cooper disse:

Considerando a possibilidade de se comunicar com os extraterrestres, não posso deixar de pensar na experiência que, digamos, os exploradores europeus devem ter passado ao encontrarem pessoas em todo o mundo que falavam línguas completamente sem relação com as suas.

Nos pontos de contato iniciais, como a comunicação se desenrolou? Pelo menos neste cenário, mesmo na ausência de uma linguagem compartilhada, os interlocutores teriam compartilhado a experiência comum de estarem no mesmo lugar – então imagina-se que muitos gestos e apontar podem ter sido envolvidos desde o início. Com alienígenas, ao tentarmos a comunicação em longas distâncias, não teríamos o benefício desse contexto compartilhado, o que torna a questão muito mais desafiadora para conceituar.

Na verdade, o desafio era nodoso. Referenciando uma cena no filme de ficção científica, A Chegada, em que o personagem da atriz Amy Adams se comunica com um alienígena na Terra, Vakoch disse:

Eu fiquei com inveja dela – ela estava bem do outro lado da sala, então ela poderia tentar muitas coisas diferentes para se comunicar. Nós não temos esse luxo, então precisamos enviar uma mensagem tão infalível quanto possível.

 

Olá, você do outro lado

Com isso estando resolvido, a questão se torna: o que diremos?

Vakoch disse que a mensagem começará com uma contagem simples, depois passará para a aritmética básica: adição, subtração, multiplicação e divisão e, em seguida, uma descrição da trigonometria. A partir daí, a mensagem passará a introduzir unidades de tempo:

A coisa agradável sobre a trigonometria é que você pode usar algumas matemáticas muito simples para lhe dar uma fração. Em uma onda, você usa essa fração para descrever como a onda está oscilando.

Teoria de Cooper? Basta enviar algo pacífico. Embora isso possa ser complicado.

Ele disse:

Eu pensaria que alguém gostaria de enviar uma mensagem tão pacífica quanto possível. É claro que pretender ser agradável em nossa comunicação não garante que realmente seremos recebidos da mesma forma – pense em todos os mal-entendidos que podemos encontrar em nossa existência cotidiana, falando com outros humanos. Sem um conhecimento mais amplo da cultura em que os extraterrestres existem, seria difícil formar uma mensagem que se possa ter certeza do sucesso.

 

De volta ao remetente

Seu ponto suscita uma preocupação que muitos, inclusive o físico teórico Stephen Hawking, compartilham: Queremos que os outros saibam que estamos aqui? Isso não seria um convite para uma invasão alienígena?

Para isso, Vakoch diz que qualquer um que possa receber esta mensagem já sabe que estamos aqui.

Se houver civilizações que já tenham a capacidade de chegar à Terra, ele disse, “então eles já têm a tecnologia para saber que estamos aqui … e talvez já estejam a caminho”.

Essa exata questão da distância demanda outra preocupação: muitas das estrelas na direção em que a mensagem será enviada estão a milhares, senão centenas de milhares de anos-luz de distância. No momento em que a mensagem chegar lá, ninguém que a enviou estará vivo para saber.

Vakoch reconheceu isso. Ele disse:

Fazer contato com outra civilização é algo que seria importante para a humanidade. Isso apresentaria uma nova maneira de nos entender; seríamos capazes de segurar um espelho para nós mesmos comparando-nos com outra civilização. Então, o METI, como um projeto, é uma declaração de nosso compromisso de sobreviver – nossa intenção é a de estarmos aqui para receber uma resposta.

Como tal, Vakoch disse que ele e sua equipe estão trabalhando diligentemente para estabelecer a melhor maneira de preservar um registro das mensagens que são enviadas – um registro que seria transmitido de geração em geração, até que um seja recebida uma resposta.

Ele finalizou:

Eu odiaria receber uma resposta e então não me lembrar a que eles responderam.

(Fonte)


E, enquanto os astrônomos enviam mensagens para mundos distantes, é possível que lá de fora os extraterrestres já estejam enviando mensagens até nós, ou até mesmo nos visitando.

n3m3

comunicação com ETsmensagem alienígenaMETISETI
Comentários não são disponíveis na versão AMP do site. (30)
Clique aqui para abrir versão normal do artigo e poder comentar.
  • sanduul

    os ets fazendo desenhos e os cientistas ainda pensando em como se comunicar com eles…

    um recado para os ets : ETs desenhar nao compreendemos.. seja mais claro.. falar em ingles.. please.. ou hablar em espanhol … desenhos que sao linguagem universal humanos nao entendem..

    • Rui Oliveira

      Verdade… Porque será que os mais “inteligentes”, ou os cientistas…, desconsideram essa hipótese? Ou a da musica!?… Ou os “simples” sinais luminosos que tantos descrevem em avistamentos de óvnis? …

      • sanduul

        porque como sempre se digo.. esses pseudos cientistas se formam e nunca sai do laboratorio… e pelo jeito nao tem net dentro tambem desses lugares

  • Rui Oliveira

    Pois… Se com tantas evidências continuamos às cegas… Será melhor mesmo eles aprenderem Inglês ou outra língua mais falada na “nossa Terrinha”!!! 🙂 😉

  • fran01

    Se for possível….no momento eu pediria que eles me levassem prás Bahamas…
    Aqui onde moro, no momento, a temperatura é de 2ºC….negativos…
    Eu quero calor!!!!!!!

    • ptoledo

      Credo! Aqui tá 10 graus e já estou irritado!
      Acho que é porque minha ascendência é lusitana, e não nórdica rsrs
      Abraço (e cobertores)

    • dora petris

      Aqui 9 graus agora grrrrrrrr

    • RGJ

      Aqui, 26°C….positivos!!

      • dora petris

        26 graus melhor temperatura, nem frio, nem quente.

    • 666Dark

      Aqui “beleza” !! 41 graus ou mais ! Vou exportar um pouco de calor prá vc, heheheheee…

    • PREDADOR

      Eu to é com saudades do frio … uma vez fez 6 negativos onde eu morava (Alto Uruguai – proximo a Passo Fundo) e eu e meu irmaão levantamos cedo para ir acampar kkkkkkkkk nada como uma fogueira num dia frio assim e um churrasquinho no fogo de preferencia feito com os espinhos dos nossos majestosos pinheiros (araucaria)…. e se tiver pinhão na brasa melhor ainda….

      • PREDADOR

        Inverno seco mesmo muito frio comk temperatura abaixo de zero nao é ruimm… ruim é fazer 2 graus 1 grau 0 grau e ainda chovendo gelo e ventando como faz no inverno do sul ai sim é pra acabar pois a sensação térmica é muito pior de gelar os ossos mesmo…. e eu lembro que mesmo assim tinha que ir para a aula à noite misericordia… aluno sofre hein…. rsssssss

        • Lênio™

          Professor também ué. Rsrssrses.

  • mcorrer

    acho que deveriam fazer igual no filme Marte Ataca…com pombinha da paz…

  • Guerreiro

    Essa situação é bastante complicada e delicada pois não sabemos como os extraterrestres reagiriam ao receberem as nossas mensagens. Será que eles interpretariam como uma saudação ou será que interpretariam como uma ameaça?

    • Grizzy

      Os Bons Amigos interpretaram como saudação pacífica aquela linda placa de ouro da Voyager, e vieram. Entretanto foram recebidos a tiros e por isso não falam mais conosco. Quem ordenou atirar? Os inimigos Deles, parasitas, exploradores e sugadores, que vivem aboletados aqui há milênios. Compreenderam?

      • Kaczmarczik

        e sabe quem mandou dar os tiros nos ExTras pacíficos? Os ExTras maus dos acordos secretos…

  • dora petris

    INCRÍVEL ESTE VÍDEO!!

  • Joao Paulo Jesus Flores

    De qualquer forma o sinal vai demorar milhares de anos para ir e quem sabe voltar

    • Kaczmarczik

      não se esqueça de que os ExTras dispõem de naves-mãe gigantes, maiores do que a Terra, então eles podem estar perto e não sabermos………..

      • Joao Paulo Jesus Flores

        Os xtras estão aqui kacz, falei que demoraria milhares de anos si as coisas fossem do modo como os cientistas falam

        • Kaczmarczik

          entendi…. Sei que os ExTras estão aqui, mas também sei que estão por perto e não os vemos – embora volta e meia eles apareçam em imagens da ISS e da NAuSeA como aquelas naves perto do Sol…

  • PREDADOR

    KKKKK CONVERSA FIADA DE CIENTISTA QUE NAO ACREDITA QUE OS ETS JA ESTAO AQUI E NOS VISITAM DESDE HÁ MUITO TEMPO….

    Basta ler relatos de gente de todo mundo, de agricultores analfabetos do sertão da Paraiba a chineses, franceses e americanos escolados…. quase 100% dos casos os ETs se comunicam por telepatia e as testemunhas compreender perfeitamente tudo o que eles falam… ha alguns casos em que eles se comunicavam por grunhidos mas sobretudo entre eles como ocorreu no caso Tasca .. a ET se comunicava perfeitamente com o Tasca mas ele ouviu eles se comunicando entre eles com sons guturais tipo grunhidos… o mesmo foi relatado por uma testemunha na Paraiba …. e também tem um caso de um garoto em sao paulo que fala a mesma coisa…. enfim nao é problema para eles se comunicar conosco… enquanto isso os cientistas abestados ficam imaginando isso ou aquilo…kkk é para rir mesmo…. quanta besteira….

    • italo.souza09

      normal, apenas para conseguirem recursos com teorias e estudos sem sentido.

  • PALEOSETI

    Como disse o sansuul lá embaixo, eles já estão aqui desenhando, faz tempo.
    Desconfio que foram eles que criaram o sarcasmo: Entendeu ou quer que eu desenhe?

    • Kaczmarczik

      kkkkkkkkkkkk

  • italo.souza09

    “Olá alienígenas! Podemos conversar?” claro, vamos dar uma voltinha em minha nave 😀

    • Kaczmarczik

      kkkkkk essa foi boa!!!!!

  • Kaczmarczik

    * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * Boa Noite a Todos!!! * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *
    __________ Coitados desses cientistas, nem sabem que os ExTras se comunicam com humanos por telepatia… Além disso a única forma de ExTras entenderem a nossa linguagem seria através de híbridos, ExTras aqui infiltrados e humanos contatados, porque as linguagens são totalmente diferentes!!!
    * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *