Engenharia avançada é encontrada em observatório maia

Tempo de leitura: 7 min.

Foi publicado aqui no OVNI Hoje um artigo sobre recentes achados em petróglifos no México, mostrando ilustrações de seres humanoides interagindo com os maias.  Embora não exista ainda confirmação de que o contato realmente ocorreu, além das gravuras, mas o artigo abaixo pode ser mais uma indicação de que o povo maia realmente teve contato com ‘alguém’ que os favoreceu com tecnologia avançada.

Leia o interessante artigo escrito por Cliff Dunning, para o site ancient-origins.net:

Em 1526, o conquistador espanhol Francisco de Montejo chegou à Península de Yucatán do México e encontrou a maioria das grandes cidades maia profundamente erodidas e desocupadas. O que sobrou dos maias que encontraram tinham degenerado em grupos guerreiros que praticavam rituais sanguíneos e sacrifícios humanos.

A grande cidade de Chichen Itza foi reduzida a pilhas de pedras, com vestígios de edifícios, pirâmides e outras estruturas deixadas em ruínas. Os anciãos maias com quem falei relataram que Chichen Itza era uma universidade de ensino e que diferentes culturas em todas as Américas tinham acesso a uma variedade de ciências, estudos agrícolas e artes de cura por centenas ou milhares de anos. Ainda não conhecemos a verdadeira idade dos maias, mas as recentes escavações do Dr. Richard Hansen, na bacia de El Mirador, na Guatemala, mostram que a agricultura naquela região floresceu em torno de 2.600 A.C. – há mais de 5.000 anos.

 

Ciências altamente avançadas

Agora sabemos que os maias desenvolveram uma série de ciências altamente avançadas, destacadas pelo seu espetacular conhecimento de astronomia, eles eram engenheiros qualificados e tinham uma matemática que poderia calcular datas bilhões de anos no passado e até o futuro. Estima-se que quando Frei Diego de Landa descobriu textos em edifícios e em uso pelas pessoas sobreviventes, ele os queimou e destruiu bibliotecas, manuais técnicos e a história de uma das culturas mais avançadas em nosso planeta, deixando-nos perguntando sobre a história dos maias.

El Caracol em Chichen Itza (Laurent de Walick  /CC BY 2.0)

Em 1913, Sylvanas Morley, arqueóloga americana que trabalha com o Instituto Carnegie, recebeu permissão do governo mexicano para escavar a principal Acrópole em Chichen Itza. Um desses edifícios foi o El Caracol, que ela descobriu ter sido um observatório astronômico para fazer cartas celestes.

[Topo] El Caracol, tal como apareceu logo antes do início das grandes escavações (MALER, 1892) e [Abaixo] El Caracol como é hoje (Kelly Lenfest, 2016/CC BY-NC-SA 2.0)

À medida que a equipe de escavação começou a remontar o prédio, eles encontraram uma série de características avançadas de projetos que só poderiam ser incorporadas depois de uma pesquisa e desenvolvimento significativos, e uma compreensão no alinhamento correto do observatório central com o cosmos.

Através de uma cuidadosa reconstrução e observação, fizemos grandes progressos ao aprender como os maias usaram o observatório para traçar o movimento de planetas específicos, o início e conclusão de estações e outros eventos astronômicos.

Observando espaço e tempo

O observatório El Caracol está em uma plataforma maciça de 75 por 57 metros, projetada para suportar a torre e contrabalançar os movimentos na Terra. Até esta data, nenhum radar de superfície penetrante foi usado para detectar o que está dentro da plataforma, mas parece que um sistema de drenagem foi incorporado para evitar com que a água se acumule na superfície. O terraço, que liga o observatório à plataforma, mede 26 por 30 metros e contém características de engenharia que funcionam de forma surpreendentemente eficiente, como mecanismo de visualização. Dois degraus conduzem à estrutura cilíndrica altamente complexa que fica em uma base redonda com 18 metros de diâmetro e que é coberta por frisos estilo Puuc com beirais salientes.

Frisos em El Caracol (Wolfgang Sauber /CC BY-SA 3.0)

A torre, principal área de visualização, situa-se a 28 metrosacima do nível do solo e é cercada por duas grandes fendas curvas. A ranhura virada para o oeste cai sobre oito metros na base do prédio, enquanto a ranhura voltada para o leste é de apenas alguns metros de profundidade. Voltaremos a essas fendas em breve, mas deve-se notar que cada uma foi projetada para suportar um aparelho de visualização móvel ancorada na base.

A representação artística da fachada móvel fornece uma ideia de como eles estavam posicionados dentro das enormes fendas. (Gráfico de Mark Lamirande, de Lamirande Design)

A construção da torre Caracol contém uma série de interessantes inovações tecnológicas e arquitetônicas que culminaram em três cilindros concêntricos separados por paredes em format de anéis. O cilindro externo tem quatro portas colocadas nos pontos cardinais da bússola. Um “corredor” circular o separa do cilindro central que mede oito metros de diâmetro. O segundo círculo tem quatro portas em um arranjo quincunx (cinco pontos dispostos em uma cruz) em relação aos do exterior. Como o primeiro, ele tem um teto abobadado e contém um núcleo central sólido de alvenaria em que uma passagem espiral estreita conduz à câmara alta, com pequenas aberturas nas paredes. O prédio foi fortemente danificado quando foi descoberto e apenas três aberturas restantes nos fornecem informações suficientes para entender a função do observatório.

Uma escotilha em El Caracol. (Via autor)

O Sistema Astronômico Maya Revelado

As observações astronômicas foram feitas examinando os ângulos traçados pela luz que viaja ao longo do túnel, formado pela longa e estreita abertura. Medições do ângulo entre a extremidade direita da abertura externa e a extremidade esquerda da abertura interior permitem observações extremamente precisas. O que entendemos agora é que a primeira abertura de observação é apontada diretamente ao sul; a segunda se alinha com a configuração da Lua em 21 de março; a terceira aponta diretamente para o oeste e em direção ao ponto onde o Sol se põe nos equinócios em 21 de março e 21 de setembro.

As aberturas estavam situadas exatamente onde o sol estava posicionado para observações de equinócio e solstício. (Via autor)

Finalmente, o segundo ponto de vista através da mesma abertura corresponde à configuração do Sol no solstício de verão em 21 de junho. Esses detalhes são os alicerces do sistema astronômico dos maias; o X e o Y sobre os quais as observações mais detalhadas se baseiam.

 

Peças faltantes no quebra-cabeças

Como, você poderia perguntar, os maias podiam calcular os movimentos de Vênus e outros planetas, inclusive o Sol e a Lua? Arqueólogos nos fariam acreditar que a olho nu seria suficiente para fazer essas observações e cálculos, mas acho que há uma peça faltando nesse quebra-cabeça. Uma boa parte da seção superior do observatório está danificado e deve conter aberturas adicionais e outras ferramentas para ver os céus.

Os cientistas determinaram que o Sol, a Lua e Vênus eram fatores-chave na observação astronômica dos maias, e determinaram que as aberturas eram usadas ​​para rastrear o movimento dos planetas. (Fonte: YucatanToday.com)

O desenho original do observatório parece ter sido multifuncional e pode ter incluído uma série de recursos de engenharia que permitiram uma visualização aprimorada. Como a torre foi fortemente destruída, nunca saberemos como o observatório completo parecia quando estava em operação, mas há uma série de pistas que até agora nunca foram bem compreendidas. Eu queria obter a opinião de um engenheiro para determinar se o que eu suspeitava no projeto do terraço era possível. Liguei para Jim O’Kon, engenheiro forense e especialista em técnicas de construção maia, para revisar minha hipótese e comentar a função das estranhas fendas.

 

Mecânica e óptica para visualização aprimorada

Projetados no terraço exterior há duas fendas (poços) que seguem a curvatura da torre e suportam um mecanismo de visualização. A ranhura virada para o oeste tem aproximadamente oito metros de profundidade e poderia ter alojado uma fachada articulada que se movia com o movimento dos planetas. A fenda oriental tem cerca de 2,5 metros de profundidade e teve alcance e movimento limitados. Pensei que os maias construíam essas fendas para suportar um aparelho de visualização ou uma fachada móvel e ótica fixa. Esta estrutura externa poderia ser movida para cima ou para baixo, dependendo do operador, e foi posicionada manualmente na parte inferior de cada fenda.

Esta foto aérea do observatório mostra os fendas curvas que apoiam uma fachada articulada leste / oeste. (Captura de tela de Fly Riviera Maya,, Youtube.com)

O’Kon está convencido de que os maias desenvolveram a roda (evidenciada pelos inúmeros brinquedos descobertos com rodas), e acredito que, no passado distante, a adição de mecânica ou engrenagens permitiu que o aparelho se movesse vertical e horizontalmente, como um elevador para observar os céus. Essas novas funções do observatório permitiriam a observação diurna ou noturna.

Esta foto rara, tirada em Copán, uma antiga cidade maia em Honduras, revela os detalhes de um sistema de engrenagem, que as gerações iniciais podem ter usado nos prédios e no Observatório de Chichen Itza. (Foto de Deuses Astronautas dos Maias, de Erich von Däniken).

Um recurso de engenharia exclusivo sugerido por O’Kon, é um sistema de trilhos que apoia o movimento da fachada, e está em conformidade com as ranhuras, o tapume interior e os pavimentos. A trilha e a base com rodas abrigavam o aparelho de movimento e eram operadas manualmente no interior do terraço e acessadas através de uma entrada projetada na parede ocidental. Sabemos que os romanos usaram sistemas de elevação similares para subir e baixar as plataformas no enorme Coliseu em Roma. Estes elevadores foram projetados para mover paisagens, gladiadores e até animais selvagens no anfiteatro principal para verem o entretenimento. Acredito que o mesmo tipo de elevador foi usado para operar as fachadas de visualização maciças dentro do observatório. A representação do artista mostra uma posição aproximada para as fachadas e como elas podem ter aparecido. O que não podemos saber é o que outros dispositivos ou ferramentas foram incorporados em cada seção para observar os céus.

A fenda ocidental. Observe as paredes reforçadas. (Via autor)

Lentes para movimentos celestiais

Para ver os movimentos celestiais, os maias precisariam do uso de ótica, (lentes cortadas e polidas e encaixadas em um dispositivo). As primeiras lentes conhecidas são encontradas na antiga Assíria (Iraque e Síria) e no Egito e datam de 750 A.C. Estas lentes iniciais foram moldadas a partir de cristal e polidas para maior clareza. Não vemos lentes modernas até a Idade Média quando a ciência da óptica foi concebida e os telescópios iniciais se desenvolveram.

É estranho notar que, embora não tenham sido descobertas lentes na América Central, algumas das esculturas de cristal mais sofisticadas dos crânios humanos foram descobertas. O mais notável desses crânios são os crânios Mitchel-Hedges, astecas e maias, cada um cortado, lixado e polido com um rigoroso nível de precisão encontrado no artesanato moderno. Até que possamos encontrar uma lente, podemos somente presumir que os maias tiveram uma forma de ampliar os planetas que estudaram.

O crânio de cristal no British Museum, semelhante em dimensões ao crânio Mitchell-Hedges mais detalhado. (Rafał Chałgasiewicz / CC BY 3.0)

El Caracol é único entre os observatórios de Maya porque seu projeto não é duplicado em nenhum outro lugar do mundo e, como já foi observado anteriormente, parece ter sido uma ferramenta de ensino para a aprendizagem superior. Por causa da sua grande idade, ficamos com muitas questões quanto à sua operação, função e o que os maias podem ter descoberto à medida que faziam uma varredura do cosmos. Só podemos esperar em antecipação para os próximos códices ou livros de astronomia sagrados para que seja revelado como os arqueólogos continuam a descobrir a história antiga dos maias.

Cliff Dunning é anfitrião/produtor do podcast popular, Earth Ancients: Startling new discoveries from our planets distant past (Antigos da Terra: Impressionante novas descobertas do passado distante de nosso planeta). Seu novo livro, The Black Knight Satellite (O Satélite Cavaleiro Negro) será publicado no segundo semestre de 2017. 

n3m3

Fonte

astronomiaengenharia avançadaobservatório maia
Comentários não são disponíveis na versão AMP do site. (57)
Clique aqui para abrir versão normal do artigo e poder comentar.
  • aland_55

    Só faziam o que lhes era ordenado. É inconcebível conhecer tanto sobre astronomia e não conhecer a roda e o aço.

    • PREDADOR

      Talvez conhecessem mas nao teria serventia na selva… alem do que nao existiam animais de tração nas americas ate a chegada dos espanhois…. a figura ai em cima da foto tirada em Copan mostra claramente uma roda dentada ou engrenagem… a nao ser que seja uma falsificação plantada no local (e isso sempre pode ocorrer para que os ufolatras forcem a verdade sobre suas crenças nos maias e aliens), sendo real entao eles conheciam a roda sim apenas nao tinha utilidade na civilização que foi formatada dentro da selva….

      • aland_55

        Mas o aço seria bem útil.

        • sanduul

          aço enferruja com o tempo…

  • PREDADOR

    Afinal esses cranios de cristal sao verdadeiros ou falsos… ja vi documentarios dizendo que eram uma fraude e que teriam sido feitos na Alemanha no século XIX pois analises em microscopio eletronico mostraram que foram usadas técnicas inexistentes no tempo dos maias além disso a filha do arqueologo que afirma ter achado o cranio de cristal teria admitido no final da vida que era uma fraude…. enfim tudo muito confuso um site diz uma coisa outro diz outra… ate hoje nao sei se sao verdadeiros ou fraudes e nesse caso sao usadas pelos ufolatras para forçar a verdade sobre avanços maias que nao sao reais…

    • aland_55

      Os crânios existem; mas quem fez não sei, mas com certeza não os maias.

      • Fernando Ramos

        LOL… pois, eles existirem, existem…
        Resta saber o resto…

    • Tmago

      Existem os falsos e os verdadeiros, os falsos entraram p justificar o acobertamento histórico q nos impõe há milênios. Não há como fazer com essa precisão, não tem marcas de instrumentos. Há o alemão Frank Dowland (o maior artífice da era moderna) e um chinês não tão bom, e mesmo assim não conseguem fazer igual. O alemão, por de baixo do pano afirma q os verdadeiros crânios foram feitos por instrumentos q ele desconhece, oficialmente, ele não pode admitir.

      • Kaczmarczik

        o fato de não terem sido feitos por instrumentos já seria o suficiente para dizer que são verdadeiros, até possivelmente feito por ExTras!!!

        • Fernando Ramos

          Mas como é que sabe que não foram feitos por instrumentos?
          Que provas há REALMENTE da sua origem milenar???

          • Kaczmarczik

            É estranho notar que, embora não tenham sido descobertas lentes na América Central, algumas das esculturas de cristal mais sofisticadas dos crânios humanos foram descobertas. O mais notável desses crânios são os crânios Mitchel-Hedges, astecas e maias, cada um cortado, lixado e polido com um rigoroso nível de precisão encontrado no artesanato moderno.

            isso responde a sua pergunta, afinal, se aqueles povos antigos não tinham técnicas necessárias para produzir tais crânios de cristais então não foram eles quem os fizeram e quem está afirmando isso são cientistas na matéria e não eu, apenas hipotetizo que podem ser alienígenas estes crânios de cristais…………

      • Fernando Ramos

        Será mesmo que os falsos são mesmo só para desacreditar os reais ou será que isso é apenas a mesma desculpa de sempre quando nos queremos agarrar a uma “verdade” que é só nossa, para que a nossa forma de ver o mundo não sofra uma desilusão?

        • Tmago

          Ou para ganhar dinheiro fazendo apresentações. Mas me baseio em declarações de Frank, q alguns ele não sabe q tipo de instrumentos foram usados. Quanto ao mundo, não tenho ilusões, basta ler as manchetes diárias, onde pai estrupa filha. Padastro mata enteada de 2 anos. Quer mais ?

    • Kaczmarczik

      ninguém sabe se a filha do arqueólogo foi obrigada a dizer que os crânios seriam fraudes, afinal você sabe como é o sistema né……..

      • Fernando Ramos

        LOL… vocês são demais.
        Em constante negação.
        A filha foi obrigada a dizer que eram falsos… espantoso

        • Kaczmarczik

          você parece não conhecer, ou finge não conhecer, que o sistema também pode “persuadir” alguém a voltar atrás quando alguma coisa ameaça os dogmas estabelecidos pelo mesmo……..

    • sanduul

      realmente nao sei …
      Olhem isso, feito a seculos atras por humanos artistas : coisa espantosa.
      Entao se conseguem isso, podem fazer um cranio assim…

      https://uploads.disquscdn.com/images/8be4e66c899234f3ff3ab0f354b5dc84aa31b3c04643a4122964bf07a4232c3d.jpg https://uploads.disquscdn.com/images/ef7fd0eef2a2ab67e9d7d0a51b81aafb2aef2c982049e0c5c670d7f20f99b994.jpg https://uploads.disquscdn.com/images/f88a652ceed369681fde367340624d5f00b443dd0f313f163b41f07f5411536b.jpg

      Porem, um artista que faz um cranio assim colocaria sua assinatura nele.

    • Acosta

      São verdadeiros, porque existem e são palpáveis, mas dizer que isso pertence a um extraterrestre já é muito desespero. Artistas sempre existiram, para além do mais não esqueçam que no México (Maias estão no México) sempre existiu um culto a morte e aos mortos, portanto estes “fantásticos” crânios de vidro podem apenas ser uma representação artística para algum rei, sacerdote, etc, etc…

  • Tmago

    Bela matéria, vou ler daqui a pouco c muita calma. Li o começo e parei p comentar o q sempre argumentei aqui, os Maias encontrados pelos espanhóis são aqueles q não passaram na “censura dos deuses”, e o mais estranho, os “aprovados” desapareceram como se tivessem sido levados. E não forram só eles, Atlantis, Lemurianos…etc, a corja ficou e se autodestruiu. Talvez seja assim a realidade nesse grande laboratório chamado Terra, o Paraíso das Águas.

  • Spock

    Interessante… tal qual um dos maiores legados da civilização hindu (Índia) assim também foi com os Maias na questão da Matemática!
    Os Maias foram o primeiro povo a introduzir, na matemática, o conceito do zero!
    \//_

  • Kaczmarczik

    – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – Boa Tarde a Todos!!! – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – –
    _______________
    – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – –

    • Silvio Toledo

      No livro de Enoque é relatado que estes conhecimentos foram passados pelos sentinelas ( de outro planeta ) que coabitaram com as mulheres da Terra e tiveram filhos com elas. Também é dito que eles cometeram sacrilégio ao compartilhar ” segredos dos céus “.

      Imagine algo como um ser humano coabitando com uma macaca e tendo filhos com ela. Depois ensinando matemática, computação e astronomia a seus filhos…

      Isso seria considerado uma aberração não é?

      é por ai…

      • Kaczmarczik

        esse intercâmbio de conhecimentos entre seres de outros planetas e humanos começou mesmo com esses sentinelas, muito antes do contato de ExTras com egípcios por exemplo!!!!

      • sanduul

        se tudo que existir se manter em segredo o universo nao sairia do lugar, nao acha ?

  • Leandrinho

    As pessoas veem um quadrado e precisam, necessitam quase que orgasticamente acreditar que aquilo é alienígena. O mais engraçado é que nunca se vê um artefato de metal, eletrônico, elétrico realmente futurista…são sempre gravuras, cortes de pedras que já foram provados que podem ser feitos com areia e serra…é constrangedor!

    • Acosta

      Verdade Leandro. É muito desespero desta gente para acreditar que até um peido é de origem alienígena… Mas como se diz em bom português ; Enquanto houver cavalo, São Jorge não anda a pé…

      • Leandrinho

        ahahaha! Adorei!

    • Kaczmarczik

      constrangedor é não saber fazer a comparação entre o que os humanos podiam fazer naqueles tempos e o que foi feito… Claro que os ExTras não iriam deixar artefatos da tecnologia deles aos humanos se estes não sabiam como usá-los, mas sabiamente usaram seus conhecimentos com coisas que os humanos da época dispunham!!!!!

      • PALEOSETI

        E se esqueceram/deixaram, alguém escondeu a sete chave. Como a tão cobiçada e supostamente artefato alienígena Arca da Aliança.

  • Acosta

    É tão avançado que foi feito com pedras…Realmente uma coisa a frente do nosso tempo….Tristeza…

  • Brasil de Novaes

    Uma matéria ótima para ser explicada pelo nosso amigo Elias Roth…. Pena que ele não está mais fazendo parte deste seleto grupo. Para nós, que raramente deixamos uma opinião por aqui, existe algumas pessoas que deveriam ser perpetuadas no OVNIHOJE, em razão das suas opiniões. Enxergamos o site como uma escola, as publicações, como se fosse o trabalho da escola, e algumas pessoas por aqui, como professores.

  • Acosta

    E a credibilidade do site só aumenta ao apagar os comentários contrários aos seus interesses/opiniões…

  • Acosta

    Tão avançado que é feito em pedras…UAU. Estou impressionado com a necessidade que certas mentes pequenas têm de acreditar que existem seres superiores…

    • Leandrinho

      uhuHAAHUAHUAHUHUAU! É sempre isso, sempre as pedrinhas futuristas…rerere

    • sanduul

      as pedras estao ate hoje la… desde que foram construidos.. pedras nao estraga,nao enferruja e tem alto poder de resistencia.

      Já o barro que fazem casas no nordeste no seculo XXI duram anos.
      concetro apresentam rachaduras, quebram com terremotos etc…

      • Acosta

        Se fosse algo tão extraordinário, teriam feito com um material desconhecido da ciência que estaria lá até hoje.

        • sanduul

          Sefaz construçoes com os elementos que possuem o planeta …

          è totalmente ficçao achar que vai encontrar elementos desconhecidos em construçoes na terra. Existe muitas variaveis para nao usar elementos desconhecidos…

          • Acosta

            Na verdade amigo, essa teoria de astronautas antigos é a coisa mais ridícula que existe. Não tem nem mesmo fundamento para se aguentar de pé, e as pessoas insistem com isso…

  • n3m3

    Obrigado Marcos. Vou ver se acho mais informações, pois no blogdovalente não há detalhes. Se você conseguir algo mais, ou se algum leitor conseguir, favor enviar para n3m3@ovnihojecom

  • Fernando Ramos

    Há sempre questões que se levantam quando leio sobre estas relações Maias-extraterrestres.
    Será que os Maias (e outros povos que alegadamente e não comprovadamente tiveram contactos com civilizações ets) iriam apenas limitar-se a representar exclusivamente aquilo que lhes foi dado a conhecer? Ou seja, será que eles não iriam representar outros pormenores dessas relações que não devem ter-se limitado a um curto período de tempo já que ensinar astronomia a um povo alegadamente (mais uma vez esta palavra) ignorante não deve ter sido fácil?
    claro que conheço as representações de imagens “alegadamente” atribuídas à representação de esses seres e maquinaria, mas será que esses povos e muitos outros não teriam a capacidade quer intuitiva quer de observação-relação para criar por eles mesmos estes observatórios?
    Não estaremos nós, civilização moderna, arrogante por se considerarem o topo da evolução, a menosprezar os povos antigos quanto à sua capacidade intelectual?

    E se tudo isto não passam de relações circunstanciais que hoje nos parecem factuais quando na realidade não o são?
    Hoje em dia conhecemos os génios da nossa ciência a partir da época medieval. Mas isso não significa que nessas civilizações antigas esses génios não tenham existido e tenham sido eles a criar esses observatórios e até, porque não, com a sua descrição de visões (tal como Nostrudamus e outros), tenham criado as imagens de tecnologias que não compreendiam mas que conseguiam representar para mostrar a outros…

    Não há até hoje, em nenhuma das civilizações que alegadamente tiveram contactos com essas civilizações, quaisquer provas materiais desse contacto. Tudo o que existe é uma relação baseada em conceitos modernos que são transportados para épocas longínquas.
    Por isso é necessário analisar estes casos não à luz da ovnilogia mas à luz da ciência, e arqueologia.

    • George Luiz

      Perfeito! Acabei de pensar exatamente isso. Pq negar a nossa capacidade de evolução? A necessidade sempre moveu o homem e a curiosidade inata ao nosso ser poderia muito factualmente ter levado aqueles povos a desenvolver sim sua tecnologia que é ao mesmo tempo rudimentar e avançada. Provas de que houve contacto extraterrestre ainda não temos e o que nos resta são provas de que existiram seres muito capazes de fazer o que chamamos hj de ciência.

      • sanduul

        verdade george , nao podemos menosprezar a inteligencia desses povos antigos de jeito algum.
        Colocar merito em ET é muito facil, logo vamos dizer que einstein, mozart e outros tiveram contatos de extra que auxiliaram em suas obras..

        Porem, os maias eram psicos com calendarios e astronomia.. por que ? tambem deve ter mais historia por ai…

    • cyrocs

      Boa argumentação, penso assim também.

  • Joao Paulo Jesus Flores

    Sempre sonhei em viver no tempo da civilização maia, gostaria de saber todos os segredos desta maravilhosa civilização

    • Acosta

      Vai pra roça. É igual. A diferença entre você e eles deve-se ao fato de eles terem a necessidade de “inventar” as soluções para o seu dia a dia, pois nem todo havia sido inventado, diferente da sua vida, onde você vai ali na esquina e compra o que precisa…

      • Leandrinho

        hauahuauhahuauhauhauhauh tu é phods Palmeirense!!

      • Joao Paulo Jesus Flores

        E quem lhe disse que sou feliz nesta vida mundana consumista?, repito sonhei em vive no passado, na civilização maia ou mesma a egipicia, si vc não pensa igual a me fazer o que?, nada

        • Acosta

          Não estou criticando o amigo. Estou a dizer que viver entre os mais, os egípcios, os aztecas ou os emboabas em PE do Séc. XVII a coisa é a mesma. As civilizações evoluíram e evoluem dentro da sua própria necessidade. Quanto maior forem os problemas a que estão expostos, mais rápido precisam evoluir…

          • Joao Paulo Jesus Flores

            Estou querendo dizer é que gostaria de ter vivido nestas épocas apenas observar como funciona sua civilação

  • Acosta

    Há uma coisa que muito me orgulho na vida. Viajei bastante, observei muitas culturas diferentes e mesmo dentro do Brasil, se você viajar mais para o Norte (bem para o interior) ou mesmo para o Nordeste você ficará impressionado com a capacidade criativa daquelas pessoas em resolverem os seus problemas recorrendo a ideias simples que nós não pensamos porque na verdade não precisamos delas. Esse conhecimento não veio dos extraterrestres, apenas colocaram em prática ideias próprias deles e muitas vezes bastante criativas. Então eu pergunto para os que buscam respostas fantásticas para todas as coisas; porque vos parece tão impossível que estes povos antigos simplesmente tenham observado a natureza, colocado uma questão e procurado ao seu modo encontrar a resposta???

  • cyrocs

    Bom dia a todos:

    Só um esclarecimento sobre o crânio de cristal de Mitchell-Hedges: a filha de FMH
    herdou o objeto e jamais permitiu que ele fosse examinado por especialistas. No
    entanto, quando ela faleceu, seu viúvo em 2007 entregou-a ao Museu Smithsoniano
    de História Natural para a realização de testes. Concluiu-se que o crânio era
    de fabricação recente, possivelmente do início do século XX. O próprio FMH
    declarou em 1943 em uma carta a seu irmão, ter comprado o crânio.

    O autor do artigo está deliberadamente sonegando informações para melhor vender a
    sua ideia, o que parece ser uma prática sistemática dos autores desse tipo de
    texto.

    Em relação ao observatório maia, fica comprovada mais uma vez a extraordinária
    capacidade dos povos antigos de levar ao limite os recursos da tecnologia de
    sua época.

    • Marcelino Melo

      Só uma duvida! Considerando o Fenômeno OVNI como uma possível manifestação alienígena em hipótese você considera impossível possibilidade de ter ocorrido um contato entre povos antigos e seres extraterrestres?

      • cyrocs

        Bom, não entendi muito bem o que tem o observatório maia e a farsa que FMH montou em torno da caveira de cristal a ver com alienígenas. Mas tentarei responder ao seu questionamento.

        Os que costumam ler meus comentários aqui no OH já devem ter percebido que eu
        procuro seguir a abordagem da ciência atual. Desse ponto de vista a sua
        pergunta carece de sentido, porque não podemos determinar o que é possível ou impossível. Isso só existe na matemática pura. Ninguém pode afirmar ser impossível um contato de ETs com povos antigos.

        Portanto só podemos argumentar em torno de evidências. Quais as evidências de que ETs ensinaram alguma coisa aos maias? Ou a algum outro povo da antiguidade? Ou apenas apareceram para alguns destes povos? Cada evidência deve ser analisada em profundidade e separadamente. Não é pelo fato de eu aceitar a existência de vida inteligente e até civilizações em outros planetas, que devo aceitar automaticamente
        que ETs instruíram maias ou egípcios.