web analytics

Bisão branco nasceu e povo Lakota vê evento como profecia significativa

Compartilhe com a galáxia!
Tempo de leitura: 3 min.
Ouça este artigo...

No início de junho de 2024, o Parque Nacional de Yellowstone celebrou um evento notável – o nascimento de um bisão inteiramente branco, uma ocorrência até então inédita no parque. Este evento não tem apenas importância ecológica, mas principalmente um significado espiritual e cultural que transcende os limites do parque.

Bisão branco nasceu e povo Lakota vê evento como profecia significativa
Foto do bisão branco publicada em mensagem na plataforma X.

Especialmente para os nativos americanos, este nascimento representa a realização de uma antiga profecia que sinaliza o início de uma era de paz e harmonia.

O albinismo no reino animal não é incomum, e ocasionalmente nascem corvos brancos. No entanto, os bisões possuem DNA único e, nos últimos dois séculos, existiram apenas quatro bisões brancos. Os três primeiros não foram aceitos pelos xamãs locais devido aos pelos escuros. No entanto, este último bezerro é considerado perfeito.

Toda a imprensa cobriu o evento milagroso no parque nacional, que se alinha com uma profecia dos índios Sioux – especificamente, os Lakota, que fazem parte do grupo tribal Sioux maior – a respeito do bisão branco.

O New York Times,reportando o evento, informou a seus leitores com a maior verdade que o búfalo branco é de fato o cumprimento da profecia Lakota, anunciando o amanhecer de um mundo novo e corajoso. No entanto, isso não representa toda a verdade.

Quatro anos se passaram e muitas coisas mudaram nesse tempo

A entrevista foi conduzida com um novo líder tribal conhecido como Searching Horse, enquanto o vídeo mostrava o ex-chefe Lakota, Tipi Sapa, também conhecido como Black Lodge – o guardião hereditário das profecias. O Black Lodge herdou uma profecia que remonta à sua linhagem há aproximadamente 2.000 anos. De acordo com a lenda Lakota:

Muitos séculos atrás, os Sioux passaram por uma grave fome durante uma seca extraordinária. Os Sioux, sendo um grupo tribal difundido nos Estados Unidos, sentiram o impacto da seca em toda a América do Norte.

Uma tribo Sioux, que se tornaria a ancestral dos Lakota, foi guiada por xamãs para viajar para o oeste em direção a Yellowstone. Ao longo do caminho, os mais fracos sucumbiram à sede e à fome, enquanto os mais fortes patrulhavam à frente do grupo principal.

Eventualmente, caçadores cansados ​​decidiram subir o que seria a sua colina final para vislumbrar o que havia além. Para seu espanto, eles viram uma pequena figura branca e brilhante que se expandiu para uma mulher branca de beleza incomparável, vestida com um vestido branco de pele de veado adornado com símbolos e desenhos misteriosos.

A mulher se aproximou dos caçadores e um deles, acreditando ter visto um fantasma, estendeu a mão para tocar a aparição. De repente, um raio caiu, reduzindo o índio a cinzas e a um esqueleto fumegante.

Os índios, percebendo que acontecimentos importantes estavam acontecendo, caíram de joelhos e oraram fervorosamente. Enquanto isso, a mulher disse aos caçadores que seu nome era Ptesan Wi, a Mulher do Búfalo Branco, e disse: “Trago boas novas para o seu povo. Volte para o acampamento e diga aos líderes para aguardarem minha chegada.

Os caçadores voltaram e transmitiram sua mensagem. Quatro dias depois, ela chegou. A Mulher Bezerro Búfalo Branco ensinou ao povo a maneira correta de orar, as palavras adequadas e os gestos apropriados. Ela os instruiu em medicina, na estrutura do cosmos e muito mais – incluindo o uso de uma flauta sagrada e uma canção para acompanhar seu enchimento, criando uma ponte sagrada entre a Terra e o Céu. Ela dedicou especial atenção às crianças, educando-as como futuras portadoras dos seus ensinamentos.

À medida que a filhote de bisão branco transmitia sua sabedoria ao povo, ela partiu na direção de onde veio, desaparecendo contra um cenário que lembrava um sol poente. Ao longo de seu caminho, a mulher parou para girar quatro vezes. A cada volta, ela se transformava: primeiro em um búfalo preto, depois em um marrom, seguido por um vermelho, e na quarta rotação, ela se transformava em um pequeno bezerro de búfalo branco antes de desaparecer.

Posteriormente, vastos rebanhos aproximaram-se do acampamento e os búfalos submeteram-se à morte sem luta, fornecendo ao povo carne para sustento, peles para roupas e ossos para a fabricação de armas e ferramentas.

A profecia Sioux, contada por uma mulher, fala de uma época anterior ao fim do mundo, caracterizada por intensa seca e fome, ecoando um período que quase levou à extinção dos Sioux. O surgimento de quatro búfalos ancestrais assinalará esta época. No meio do apocalipse que se desenrola, Ptesan V, uma fêmea de búfalo branco, aparecerá, anunciando uma nova era de rejuvenescimento e prosperidade para a humanidade.

O primeiro filhote de búfalo branco surgiu no início de 1800 em uma fazenda, atraindo multidões de nativos americanos que montaram acampamentos para aguardar o fim do mundo. O segundo búfalo branco chegou em 1994, seguido por um terceiro em 2011.

Portanto, o The New York Times é verdadeiro – um futuro melhor é iminente. No entanto, antes que isso aconteça, o mundo passará por uma turbulência significativa e os Sioux poderão enfrentar a extinção mais uma vez.

(Fonte)


ATENÇÃO: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

Apoie o OVNI Hoje: Cada Doação é Essencial!

Agradecimentos aos colaboradores do mês: ❤️Eneias Vieira ❤️Silas Raposo ❤️Leopoldo Della Rocca ❤️Cristina Vilas Boas

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS
(Mais abaixo…👇)

ATENÇÃO:

Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

BLOQUEADOR DE ANÚNCIOS DETECTADO!!!

Caro leitor, a existência do OVNI Hoje depende dos anúncios apresentados aqui. Por favor, apoie o OVNI Hoje e desabilite seu bloqueador de anúncios para este site. Obrigado!

hit counter code