web analytics

Tudo na ciência é paranormal até que deixe de ser

Compartilhe com a galáxia!
Tempo de leitura: 4 min.
Ouça este artigo...

Por Luis Elizondo
Quando você pensa na palavra “paranormal”, o que vem à mente?

Crédito da imagem ilustrativa: n3m3/Bing/DALL-E

Provavelmente poltergeists, caçadores de fantasmas ou pequenos alienígenas grays. Ou talvez você imagine filmes como A Bruxa de Blair ou Os Caça Fantasmas. A ideia do paranormal permaneceu um foco constante em filmes de suspense e ficção científica, muitas vezes levando o público a um passeio selvagem, mas muito especulativo. Falar sobre a palavra paranormal em qualquer contexto que não seja a indústria do entretenimento geralmente resulta em sobrancelhas levantadas e sorrisos maliciosos.

Mas tudo na ciência não é paranormal até que eventualmente o percebamos como normal?

Para responder a essa pergunta, vejamos as origens da palavra “paranormal”. O prefixo “para” significa simplesmente acima, ao lado ou além. Usamos a palavra “paraquedas” para descrever um dispositivo salva-vidas que é implantado acima de sua cabeça para ajudá-lo a atingir o solo com um pouso sua e não com um baque violento. Da mesma forma, a palavra “paramédico” geralmente evoca a imagem mental de um salva-vidas ou de um socorrista trabalhando acima ou ao seu lado. Em ambos os casos, cada palavra é usada para descrever algo positivo e benéfico.

Na verdade, a língua inglesa está repleta de palavras onde o prefixo “para” é usado como parte integrante do significado da palavra.

Então, por que quando o prefixo “para” é usado antes da palavra “normal”, presumimos automaticamente elementos de ciência marginal, tópicos tabus e bruxaria? Afinal, o significado da palavra paranormal é relativo – o que é paranormal hoje pode ser considerado comum amanhã.

Permitir-nos fazer esses tipos de suposições sobre o paranormal, na melhor das hipóteses, limita nossa capacidade de conduzir estudos sérios e, na pior das hipóteses, nos paralisa completamente com o medo do estigma e do ridículo dos colegas.

Veja como evitar essas armadilhas e ir mais fundo:

O que consideramos “paranormal” muitas vezes é apenas um fato da natureza.

Quando eu estava na faculdade estudando microbiologia, lembro-me de meu professor contando à turma a famosa história de quando Antoni van Leeuwenhoek descobriu pela primeira vez os protozoários.

No decorrer da história, ele olhou através de um microscópio e gritou: “Pequenas feras, pequenas feras!” e saiu correndo da sala. Para ele e para muitos daquela época, a descoberta dos microrganismos foi um momento paranormal. Mas estes eram organismos vivos, logo abaixo do limiar da nossa capacidade de observar e perceber. Hoje, consideramos os microrganismos uma parte normal da ciência e, em muitos casos, até benéficos. Na verdade, os cientistas descobrem até 20.000 novas espécies por ano.

Muito do que hoje é considerado aspecto normal do universo observável já foi considerado paranormal.

Por exemplo, os antigos maias e astecas em toda a América Latina viam os eclipses solares como paranormais, assim como o cometa Halley foi considerado paranormal durante vários séculos em toda a Europa. Quando o conceito de eletricidade estava em sua infância durante o século passado, era comum ler manchetes proclamando “uma verdadeira maravilha da ciência”, “uma maravilha moderna” e “um milagre da física!” Da mesma forma, a introdução do telégrafo, da tecnologia sem fio e até mesmo dos antibióticos foram recebidos com a mesma admiração e espanto e, ao mesmo tempo, com desconfiança e cautela.

É claro que agora percebemos que todos esses avanços foram simplesmente um desenvolvimento natural da ciência.

A verdade é que “paranormal” na verdade se refere apenas a qualquer coisa que ainda não tenhamos um conhecimento científico sólido no momento. Ainda hoje, para uma tribo remota da Amazônia, uma simples fotografia ainda pode ser suspeita de ter poderes de roubar almas.

Os EUA têm uma longa história de envolvimento em coisas consideradas paranormais

Historicamente, os EUA têm sido uma potência global, em parte devido à sua aceitação – embora muitas vezes relutante – do estranho ou bizarro.

Durante os primeiros dias do Projeto Manhattan, muitos cientistas e legisladores estremeceram com a ideia de gastar dinheiro de impostos em pequenos pacotes invisíveis de matéria chamados “átomos” que um dia seriam usados ​​para acabar com a guerra. Afinal, se você nem consegue ver um átomo, como sabemos que eles existem? Durante as décadas de 1960 e 1970, os militares dos EUA e da União Soviética investiram milhões de dólares em pesquisas psíquicas, psicotrônica e experimentos de controle mental. Ainda hoje, a Força Aérea dos Estados Unidos e a Agência de Projetos de Pesquisa Avançada de Defesa (DARPA) estão desenvolvendo tecnologia que permite aos pilotos pilotar aeronaves com ondas cerebrais.

Sem expor aqui os méritos de cada um, basta dizer que a investigação sobre o “paranormal” levou por vezes à nossa melhor compreensão do universo natural em áreas como a mecânica quântica, a energia electromagnética e a biologia humana.

No caso dos Fenômenos Aéreos Não Identificados (UAP [OVNIs]), o estigma de qualquer coisa que possa ser considerada paranormal tem um efeito inibidor na capacidade de nossa nação de enfrentar um potencial risco à segurança nacional. Também limita severamente o avanço do conhecimento humano. Os avanços na tecnologia levaram a evidências credíveis e confiáveis ​​de que os OVNIs existem – muito além de simples anedotas de relatos de observadores não treinados em décadas anteriores. Lenta mas seguramente, o assunto está se afastando dos limites da categorização paranormal, à medida que observadores altamente treinados avançam com análises de tecnologia aeroespacial avançada.

Mas mesmo que a evidência apoie esmagadoramente o estudo legítimo destes fenômenos potencialmente altamente capazes de combate, optamos simplesmente por olhar na direção oposta porque o tema é demasiado tabu. Presumir que não vale a pena perseguir uma área paranormal por causa do estigma é perigoso.

Neste caso, precisamos de mais informações, e não menos.

Leva tempo para mudar nossa percepção do paranormal, mas temos que começar de algum lugar.

Complicando a nossa capacidade de receber novas informações, os meios de comunicação social de hoje estão infestados pelo fenômeno das “notícias falsas”.

Rotular a mídia como falsa torna-se uma arma política que pode obscurecer verdades e espalhar falsidades. As informações sobre OVNIs, em particular, tendem a ser associadas a teóricos da conspiração desequilibrados, e as publicações dos tablóides são rápidas em aumentar sua reputação negativa.

Mas se eliminarmos a desinformação, os embustes, as fraudes, os esquemas para ganhar dinheiro, o egoísmo e as ilusões, há certas verdades que não podem ser negadas.

Quando se trata de OVNIs, provavelmente levará algum tempo para superar o estigma e as noções preconcebidas para chegar à verdade.

Devemos ter cuidado para não ceder à nossa natureza humana e descartar o que está “para” – isto é, acima, ao lado ou além – do nosso entendimento, só porque não temos uma explicação para isso neste exato momento.

A maioria das espécies da Terra ainda aguarda descoberta, de acordo com estudos recentes. E a Mãe Terra é apenas um dos oito planetas comuns que giram em torno do nosso Sol, e o nosso Sol é apenas uma entre cerca de 250 bilhões (250.000.000.000) de estrelas em nossa galáxia, a Via Láctea, e nossa galáxia é apenas uma entre cerca de 2 trilhões (2.000.000.000.000) de galáxias no universo observável.

Ou seja, há muita coisa por aí que ainda não entendemos que pode ser “paranormal” hoje, mas bastante “normal” amanhã.

Luis Elizondo, ex-agente especial de contra-espionagem do Exército dos EUA

(Fonte)


ATENÇÃO: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

Apoie o OVNI Hoje: Cada Doação é Essencial!

Agradecimentos aos colaboradores do mês: ❤️Eneias Vieira ❤️Silas Raposo ❤️Leopoldo Della Rocca ❤️Cristina Vilas Boas

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS
(Mais abaixo…👇)

ATENÇÃO:

Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

BLOQUEADOR DE ANÚNCIOS DETECTADO!!!

Caro leitor, a existência do OVNI Hoje depende dos anúncios apresentados aqui. Por favor, apoie o OVNI Hoje e desabilite seu bloqueador de anúncios para este site. Obrigado!

hit counter code