web analytics

O que foi capturado pelo navio patrulha na costa do Alasca?

Compartilhe com a galáxia!
Tempo de leitura: 3 min.
Ouça este artigo...

No início da década de 1980, um operador de rádio amador interceptou inadvertidamente uma conversa entre o comandante de um pequeno navio patrulha dos EUA e uma estação da Guarda Costeira. O assunto da discussão deles era ao mesmo tempo perturbador e desconcertante para ele.

[ATENÇÃO: Não há comprovação da veracidade de alguma ou todas as informações constantes neste artigo, o qual é publicado aqui meramente para cumprir a missão do OH e estimular uma discussão entre leitores na área de comentários.]

O que foi capturado pelo navio patrulha na costa do Alasca na década de 1980?
Crédito da imagem ilustrativa: n3m3/leonardo.ai

Durante anos, ele permaneceu em silêncio, aguardando a cobertura da mídia sobre o assunto. No entanto, nem uma única palavra surgiu sobre o incidente na costa noroeste da América do Norte. No final dos anos 90, uma testemunha ocular decidiu quebrar o silêncio e o seu relato do misterioso acontecimento foi publicado numa revista polonesa.

Numa noite de verão, marinheiros fora de serviço lançavam uma rede ao mar para se divertirem e para complementarem as suas provisões. Antecipando uma captura abundante, eles ficaram desapontados, pois apenas alguns peixes foram capturados de cada vez. Implacáveis, eles persistiram até pegarem algo imenso.

A convés logo foi agraciado com uma entidade confusa e lutando ferozmente. Foi uma captura estranha; não um peixe nem um animal marinho, mas algo parecido com um pequeno ser humano.

Na pressa de libertar o prisioneiro inesperado, eles correram em seu auxílio, apenas para serem recebidos com hostilidade quando a criatura começou a atacar a todos. O indivíduo preso tinha cerca de 1,5 metro de altura e ostentava um órgão incomum em forma de franja sob as orelhas, semelhante a guelras.

Sua pele era lisa, mas irregular, de um tom marrom escuro, e seus olhos eram bulbosos, cobertos por um brilho branco e transparente, e ele era desprovidos de qualquer roupa. No entanto, destacava-se um detalhe peculiar que não combinava com sua aparência selvagem: um volumoso dispositivo metálico escuro, semelhante a uma placa com alavancas, pendurado em seu pescoço.

Assim que a criatura se libertou da armadilha, ela correu desajeitadamente pelo convés na tentativa de fugir. Seus pés em forma de nadadeira dificultavam sua velocidade. Os marinheiros, pegos de surpresa, bloquearam instintivamente as rotas de fuga para evitar que o diminuto homem voltasse ao mar.

O estranho habitante do mar lutou para encontrar uma saída, mas sem sucesso. Foi então, numa reviravolta do destino, que ele se viu diante da porta aberta da sala de controle, para onde foi inadvertidamente conduzido. O que aconteceu a seguir estava além de qualquer domínio da razão.

Os marinheiros consideraram a presa capturada mais fera do que senciente, mas estavam errados. O visitante inesperado saltou para dentro do compartimento, trancando a porta atrás de si. O operador de rádio, prevendo a potencial destruição do equipamento por um intruso alienígena, ficou petrificado. As paredes e portas da cabine eram, como previsto, robustas e forjadas em aço. Extrair o intruso foi um desafio. Os esforços para manobrar o marinheiro mais esguio pela vigia falharam.

O autógeno foi então empregado – as dobradiças da porta tiveram que ser cortadas. Em frenesi, os membros da tripulação surgiram pela abertura. Um golpe inadvertido de um pé-de-cabra derrubou ser marinho. O ferimento parecia fatal; o intruso desabou, sem vida.

O capitão do navio patrulha foi obrigado a informar seus superiores sobre o terrível incidente. Um helicóptero do Alasca foi enviado, recuperou o cadáver e partiu. O destino do corpo depois disso permanece um mistério.

O operador de rádio, esperando a destruição completa da sala de controle, ficou surpreso com a visão. Nem um único dispositivo foi danificado; tudo estava em perfeita ordem. Porém, houve um detalhe peculiar – um desconhecido havia tentado usar a estação de rádio. Isto foi certamente inesperado! Uma questão persistia – a entidade estava tentando pedir ajuda para escapar do navio americano? Infelizmente, não havia ninguém para dar uma resposta.

Encontros misteriosos com entidades do fundo do mar não são incomuns. Os humanos desconhecem até mesmo uma fração das atividades que ocorrem no fundo do mar. Embora muitos argumentem que as bases subaquáticas e as cidades são fruto da nossa imaginação, os incidentes relatados podem levar-nos a perguntar – estarão eles enganados?

É concebível que existam numerosas civilizações ao nosso lado, escondidas da nossa vista, fazendo-as parecer inexistentes.

(Fonte)


ATENÇÃO: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

Apoie o OVNI Hoje: Cada Doação é Essencial!

Agradecimentos aos colaboradores do mês: ❤️Eneias Vieira ❤️Silas Raposo ❤️Leopoldo Della Rocca ❤️Cristina Vilas Boas

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS
(Mais abaixo…👇)

ATENÇÃO:

Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

BLOQUEADOR DE ANÚNCIOS DETECTADO!!!

Caro leitor, a existência do OVNI Hoje depende dos anúncios apresentados aqui. Por favor, apoie o OVNI Hoje e desabilite seu bloqueador de anúncios para este site. Obrigado!

hit counter code