web analytics

Webb confirma seu primeiro exoplaneta

Ouça este artigo...
Tempo de leitura: 4 min.

Pesquisadores confirmaram a presença de um exoplaneta, um planeta que orbita outra estrela, usando o Telescópio Espacial James Webb da NASA/ESA/CSA pela primeira vez. Formalmente classificado como LHS 475 b, o planeta tem quase exatamente o mesmo tamanho que o nosso, com 99% do diâmetro da Terra.

Webb confirma seu primeiro exoplaneta
Com base em novas evidências do Telescópio Espacial James Webb da NASA/ESA/CSA, esta ilustração reflete a conclusão de que o exoplaneta LHS 475 b é rochoso e quase exatamente do mesmo tamanho da Terra. O planeta gira em torno de sua estrela em apenas dois dias, muito mais rápido do que qualquer planeta do Sistema Solar. Os pesquisadores seguirão neste verão com observações adicionais com Webb, que eles esperam que lhes permita concluir definitivamente se o planeta tem uma atmosfera. LHS 475 b está relativamente próximo, a 41 anos-luz de distância, na constelação de Octans. [Descrição da imagem: Ilustração de um planeta e sua estrela em um fundo preto. O planeta é grande, em primeiro plano ao centro, e a estrela é menor, ao fundo e também ao centro. O planeta é rochoso. O quarto superior do planeta (o lado voltado para a estrela) está iluminado, enquanto o restante está na sombra. A estrela é branco-amarelada brilhante, sem características claras.]

A equipe de pesquisa é liderada por Kevin Stevenson e Jacob Lustig-Yaeger, ambos do Laboratório de Física Aplicada da Universidade Johns Hopkins em Laurel, Maryland. A equipe optou por observar esse alvo com o Webb depois de revisar cuidadosamente os dados do Transiting Exoplanet Survey Satellite (TESS) da NASA, que sugeriam a existência do planeta. O Espectrógrafo de infravermelho próximo da Webb (NIRSpec) capturou o planeta com facilidade e clareza com apenas duas observações de trânsito.

Lustig-Yaeger disse:

“Não há dúvida de que o planeta está lá. Os dados originais do Webb validam isso.”

Stevenson acrescentou:

“O fato de ser também um planeta pequeno e rochoso é impressionante para o observatório.”

Mark Clampin, diretor da Divisão de Astrofísica na sede da NASA em Washington, concordou:

“Estes primeiros resultados observacionais de um planeta rochoso do tamanho da Terra abrem as portas para muitas possibilidades futuras para estudar atmosferas de planetas rochosos com o Webb. O Webb está nos aproximando cada vez mais de uma nova compreensão de mundos semelhantes à Terra fora do Sistema Solar, e a missão está apenas começando.”

Entre todos os telescópios em operação, apenas o Webb é capaz de caracterizar as atmosferas de exoplanetas do tamanho da Terra. A equipe tentou avaliar o que há na atmosfera do planeta analisando seu espectro de transmissão. Embora os dados mostrem que este é um planeta terrestre do tamanho da Terra, eles ainda não sabem se ele possui uma atmosfera.

Erin May, também do Laboratório de Física Aplicada da Universidade Johns Hopkins, disse:

“Os dados do observatório são lindos. O telescópio é tão sensível que pode detectar facilmente uma variedade de moléculas, mas ainda não podemos tirar conclusões definitivas sobre a atmosfera do planeta.”

Embora a equipe não possa concluir o que está presente, ela pode dizer com certeza o que não está presente.

Lustig-Yaeger explicou:

“Existem algumas atmosferas do tipo terrestre que podemos descartar. Não pode ter uma atmosfera espessa dominada por metano, semelhante à da lua de Saturno, Titã.”

A equipe também observa que, embora seja possível que o planeta não tenha atmosfera, existem algumas composições atmosféricas que não foram descartadas, como uma atmosfera de dióxido de carbono puro.

Lustig-Yaeger disse:

“Contra-intuitivamente, uma atmosfera com 100% de dióxido de carbono é muito mais compacta que se torna muito difícil de detectar.”

Medições ainda mais precisas são necessárias para a equipe distinguir uma atmosfera de dióxido de carbono puro de nenhuma atmosfera. Os pesquisadores estão programados para obter espectros adicionais com mais observações neste verão.

O telescópio Webb também revelou que o planeta é algumas centenas de graus mais quente que a Terra, portanto, se forem detectadas nuvens, isso pode levar os pesquisadores a concluir que o planeta é mais parecido com Vênus, que tem uma atmosfera de dióxido de carbono e está perpetuamente envolto em nuvens espessas.

Lustig-Yaeger, disse:

“Estamos na vanguarda do estudo de exoplanetas pequenos e rochosos. Nós mal começamos a arranhar a superfície de como suas atmosferas podem ser.”

Os pesquisadores também confirmaram que o planeta completa uma órbita em apenas dois dias, informação que foi revelada quase instantaneamente pela curva de luz precisa de Webb. Embora o LHS 475 b esteja mais próximo de sua estrela do que qualquer planeta do Sistema Solar, sua estrela anã vermelha tem menos da metade da temperatura do Sol, então os pesquisadores projetam que ainda poderia suportar uma atmosfera.

As descobertas dos pesquisadores abriram a possibilidade de identificar planetas do tamanho da Terra orbitando estrelas anãs vermelhas menores.

Stevenson disse:

“Esta confirmação do planeta rochoso destaca a precisão dos instrumentos da missão. é apenas a primeira de muitas descobertas que ele fará.”

Lustig-Yaeger concordou:

“Com este telescópio, os exoplanetas rochosos são a nova fronteira”.

O exoplaneta LHS 475 b está relativamente próximo, a apenas 41 anos-luz de distância, na constelação de Octans.

Os resultados da equipe foram apresentados em uma coletiva de imprensa da American Astronomical Society (AAS) na quarta-feira, 11 de janeiro de 2023.

Mais Informações
O Webb é o maior e mais poderoso telescópio já lançado no espaço. Ao abrigo de um acordo de colaboração internacional, a ESA forneceu o serviço de lançamento do telescópio, utilizando o veículo de lançamento Ariane 5. Trabalhando com parceiros, a ESA foi responsável pelo desenvolvimento e qualificação das adaptações do Ariane 5 para a missão Webb e pela aquisição do serviço de lançamento pela Arianespace. A ESA também forneceu o poderoso espectrógrafo NIRSpec e 50% do instrumento de infravermelho médio MIRI, que foi projetado e construído por um consórcio de institutos europeus financiados nacionalmente (The MIRI European Consortium) em parceria com o JPL e a Universidade do Arizona.

Webb é uma parceria internacional entre a NASA, a ESA e a Agência Espacial Canadense.

(Fonte)


E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Atenção: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

Participe dos comentários mais abaixo… e (importante) se puder, colabore na manutenção do OVNI Hoje utilizando o QR code do PIX abaixo, ou use a chave PIX “OVNIHoje” (sem as aspas):

Agradecimentos aos colaboradores do mês: Egídia dos Santos, Edward de Lima.

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS

ATENÇÃO:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores.
  • A PRIMEIRA TENTATIVA DE BURLAR AS REGRAS INCORRERÁ EM BANIMENTO DA ÁREA DE COMENTÁRIOS!

hit counter code
Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

BLOQUEADOR DE ANÚNCIOS DETECTADO!!!

Caro leitor, a existência do OVNI Hoje depende dos anúncios apresentados aqui. Por favor, apoie o OVNI Hoje e desabilite seu bloqueador de anúncios para este site. Obrigado!