Uma palavra da Torá sobre extraterrestres

Tempo de leitura: 3 min.

A espiritualidade e as fronteiras da ciência têm algo em comum: ambas exploram o desconhecido. Esta não é uma tarefa fácil. É muito mais reconfortante explorar o que é conhecido.

Uma palavra da Torá sobre extraterrestres
Imagem de Ri Butov por Pixabay

Por Avi Loeb
Sabemos tudo sobre a matéria comum que faz as estrelas luminosas, mas alguns cientistas procuram a matéria escura sem conhecer sua natureza. Não sabemos se existem extraterrestres sencientes, mas alguns cientistas os procuram.

O desconhecido traz riscos existenciais. Mas dado que vivemos por tão pouco tempo, menos de uma parte em cem milhões de história cósmica, a escolha fundamental é entre viver uma vida confortável e previsível ou traçar um caminho não percorrido com o vislumbre de esperança de que oferecerá novas revelações. Qualquer coisa descoberta ao longo do caminho invicto será nossa. Como cantou Frank Sinatra: “E agora o fim está aqui/ E então eu enfrento aquela cortina final/ Meu amigo eu vou deixar claro/ Eu vou expor meu caso, do qual eu tenho certeza/ Eu vivi uma vida completa/Eu viajei em todas as estradas/E mais, muito mais/Eu fiz isso, eu fiz do meu jeito.

Há duas diferenças fundamentais entre espiritualidade e ciência. Enquanto a espiritualidade é guiada por uma experiência pessoal, a ciência é guiada por uma experiência universal. Na primeira, a interação única entre o indivíduo e o mundo dita o resultado, enquanto no segundo é uma percepção que pode ser compartilhada igualmente por todos os cientistas. Enquanto a experiência espiritual é nova e única para um indivíduo, a experiência científica é universalmente compartilhada por todos os cientistas uma vez descoberta. O diálogo com Deus é uma experiência “eu e tu”, única ao indivíduo, na filosofia existencial de Martin Buber. A curvatura da luz por aglomerados de galáxias implica a presença de matéria escura para todos os cientistas que adotam a teoria da gravidade de Albert Einstein.

Outra diferença envolve a natureza da evidência. Na ciência, evidências confiáveis ​​devem ser quantitativas, reprodutíveis e coletadas por instrumentos totalmente calibrados e sob controle. No entanto, a espiritualidade gira em torno da experiência humana e não conta com a instrumentação como mediadora das revelações.

Por essas razões, fiquei surpreso ao receber um e-mail há dois dias da Rabi Elyssa Joy Austerklein, começando com a frase: “Com admiração e respeito, quero compartilhar com vocês meu Dvar Torá de Yom Kippur, que destaca seu livro Extraterrestre.” Dvar Torá (que significa ‘Uma Palavra da Torá’ em hebraico) é um ensaio baseado na porção semanal da Bíblia hebraica. A Mishná (Avot 3:3) afirma que uma mesa sobre a qual nenhuma Dvar Torá é compartilhada é comparada a um altar sobre o qual as oferendas são trazidas aos ídolos; inversamente, uma mesa onde D’var Torah é falada é semelhante à mesa de Deus. Na terminologia de hoje, “sem Dvar Torá” seria equivalente aos tópicos comuns sobre ídolos nas mídias sociais.

O ensaio inspirador de Elyssa dá atenção especial à afirmação do meu livro:

“Se você não espera o inesperado, nunca o verá”. Ela dá a interpretação adequada: “Precisamos estar constantemente atentos aos nossos limites e buscar expandi-los. Se tivermos certeza de que o que vivenciamos ou sabemos é como prevíamos, então não deixamos espaço para crescimento […] Às vezes pensamos que estamos abertos ao que não conhecemos ou não experimentamos antes, mas realmente estamos apenas tentando provar o que já acreditamos ou sabemos. Não abrimos espaço para o desconhecido. Não esperávamos o inesperado […] Como nosso desejo de prever e controlar realmente afeta o resultado? Como nossos cálculos, às vezes, realmente determinam o curso dos eventos?”

Ela acrescenta:

“O astrofísico Dr. Loeb também disse: ‘Verdade e consenso nunca podem ser confundidos’. Como sociedade, estamos perigosamente sendo vítimas dessa confusão”.

E conclui afirmando:

“Devemos nos aventurar no desconhecido […] Neste dia de Yom Kippur, enquanto esvaziamos nossos corpos de sustento físico, que nos esvaziemos de preconceitos e comecemos uma nova jornada para esperar o inesperado -Gmar Chatimah Tovah – Que você seja selado no Livro da Vida.”

O que unifica a espiritualidade e nosso estudo científico do Universo é um sentimento de admiração e humildade. Não, não estamos no centro do palco e chegamos à peça cósmica depois de 13,8 bilhões de anos, então como podemos imaginar que a peça é sobre nós? De fato, o sistema Terra-Sol não é único ou privilegiado. Mas muitos de nós ainda insistem em possuir o último território sobre o qual nossa propriedade ainda não foi disputada: “Sim, somos os únicos seres sencientes do Universo”.

Bem, deixe-me oferecer algumas notícias de última hora sobre este último item. Neste século, os sistemas de Inteligência Artificial (IA) provavelmente parecerão sencientes nos mais elaborados Testes de Turing que a mente humana possa imaginar. Neste século, os astrônomos provavelmente descobrirão evidências de uma criança mais inteligente em nosso bloco cósmico, não na forma de sinais de rádio, mas na forma de estranhos objetos interestelares – identificados pelos algoritmos avançados de IA do Projeto Galileo. E, finalmente, neste século podemos perceber que outros seres sencientes já existem na Terra. Confira o seguinte artigo e vídeo sobre bonobos. Até agora, os bonobos foram educados para se comunicar conosco em nosso idioma, mas os sistemas de IA podem ser usados ​​para nos educar sobre seu idioma. Em suma, os sistemas de IA servirão como nosso tutor, trazendo a próxima revolução copernicana na qual perceberíamos que a consciência e a senciência são fenômenos emergentes compartilhados por não-humanos.

Dado nosso status de espectadores inconsequentes da cena cósmica, o que devemos fazer? Poderíamos celebrar a rotina metafórica de “comer folhas em nossa selva”, como os bonobos fizeram por quase um milhão de anos. Ou podemos explorar o desconhecido, esperando o inesperado. A escolha é nossa.

(Fonte)


E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Atenção: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

Participe dos comentários mais abaixo… e (importante) se puder, colabore na manutenção do OVNI Hoje utilizando o QR code do PIX abaixo, ou use a chave PIX “OVNIHoje” (sem as aspas):

Agradecimentos aos colaboradores dos últimos meses: Edward de Lima, José de Castro, Teogenis de Oliveira, Egídia dos Santos, Silas Raposo, Reinaldo Galhardo, Luiz Buria, Silas Raposo, Maria Dorotea Soares..

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS

ATENÇÃO:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores.
  • A PRIMEIRA TENTATIVA DE BURLAR AS REGRAS INCORRERÁ EM BANIMENTO DA ÁREA DE COMENTÁRIOS!

hit counter code
Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

BLOQUEADOR DE ANÚNCIOS DETECTADO!!!

Caro leitor, a existência do OVNI Hoje depende exclusivamente dos anúncios apresentados aqui. Por favor, apoie o OVNI Hoje e desabilite seu bloqueador de anúncios para este site. Obrigado!