O telescópio mais poderoso do mundo encontrará civilizações alienígenas?

Tempo de leitura: 4 min.

Será que o Telescópio chamado Event Horizon teria a capacidade de detectar a existência de civilizações extraterrestres em exoplanetas?

O telescópio mais poderoso do mundo encontrará civilizações alienígenas?
Uma montagem dos vários observatórios de rádio que formam a rede do Telescópio Event Horizon (EHT) usado para visualizar o buraco negro central da Via Láctea, Sagitário A*. Crédito: ESO/M. Kornmesser. 

Cientistas que trabalham com o Event Horizon Telescope (EHT) divulgaram recentemente uma imagem do buraco negro supermassivo no centro de nossa galáxia, a primeira imagem de nossa singularidade local. Chamado de Sagittarius A*, o buraco negro tem a massa de quatro milhões de sóis e é cercado por um vórtice de material brilhante aquecido a temperaturas extremas enquanto é sugado para o mundo desconhecido do buraco negro.

A imagem é apenas o segundo buraco negro a ser fotografado, após o lançamento em 2019 de uma imagem do buraco negro no centro da galáxia M87. Esses instantâneos impressionantes vêm graças ao EHT, que não é um telescópio, mas muitos espalhados pelo planeta. A combinação dessas observações permite que os astrônomos criem efetivamente um telescópio tão grande quanto a Terra e que pode ver objetos muito mais distantes do que qualquer outra coisa. Para escala, considere que o EHT é poderoso o suficiente para que da Terra possa ver uma laranja colocada na Lua.

Espiar dentro de um buraco negro pela primeira vez é uma conquista inegavelmente importante e que capturou a imaginação dos astrônomos e do público. Mas com o telescópio mais poderoso do mundo, certamente há outras coisas legais para descobrir no universo – como, digamos, inteligência extraterrestre. Poderíamos apontar o EHT para planetas distantes, usando sua resolução superior para espionar potenciais civilizações alienígenas?

Porque isso provavelmente não funcionaria

Parece uma ideia incrível, mas, infelizmente, o EHT não é realmente adequado para a busca por inteligência extraterrestre (de sigla em inglês, SETI), diz Cherry Ng, uma rádio astrônoma que trabalha com o projeto Breakthrough Listen SETI.

Ng informou em um e-mail para o site Inverse:

“Quando se trata de pesquisa SETI, nosso objetivo principal é encontrar um sinal.”

Para encontrar inteligência artificial, o EHT é, ironicamente, muito poderoso.

A maioria das pesquisas do SETI envolve olhar para amplas faixas do céu noturno para procurar sinais que parecem ter vindo de seres inteligentes. Esses tipos de pesquisas não funcionam com o EHT, mas podem cobrir muito espaço rapidamente. E com trilhões de estrelas por aí, cobrir muito espaço é crucial.

Apontar o EHT para os cerca de 5.000 exoplanetas conhecidos por dez minutos cada um levaria 36 dias de observação contínua, estima Chenoa Tremblay, pesquisadora do Instituto SETI. E isso nem leva em conta o tempo de inatividade do telescópio, calibração e mira.

O EHT como uma organização não está muito bem configurado para perseguir todos os indícios de ETs, diz Sofia Sheikh, pesquisadora de pós-doutorado da Universidade da Califórnia, Centro de Pesquisa SETI de Berkeley.

Sheikh informou em um e-mail para o site Inverse:

“O EHT é uma colaboração entre muitos telescópios diferentes ao redor do mundo. Obter observações coordenadas com todos eles é caro e demorado, e teríamos que ter um argumento muito bom para acessar esse nível de recursos para o SETI.”

O EHT também é otimizado para coletar dados em um comprimento de onda muito específico: 1,3 milímetros. As ondas de rádio nesta frequência podem viajar através das nuvens de gás quente que cercam um buraco negro, permitindo-nos olhar para dentro para obtermos uma imagem clara. Esses comprimentos de onda são quase tão curtos quanto as ondas de rádio, algo crucial para obter imagens de alta resolução.

Mas os ETs precisariam estar transmitindo sinais nesse comprimento de onda muito específico, diz Dan Werthimer, astrônomo da Universidade da Califórnia, Berkeley. Os astrônomos que procuram por inteligência extraterrestre procuram ondas de rádio, mas tendem a procurar sinais em comprimentos de onda muito mais longos, semelhantes aos que usamos na Terra para comunicação.

Para que serve um telescópio do tamanho do planeta?

Onde o EHT poderia potencialmente entrar em ação no SETI seria se já tivéssemos encontrado um sinal e quiséssemos aumentar o zoom nele, diz Sheikh. Supondo que o sinal incluísse o comprimento de onda de 1,3 milímetros, e tivéssemos uma boa ideia de onde vinha, os astrônomos poderiam acompanhar um sinal interessante com o EHT para aprender mais sobre de onde veio.

Se um sinal estivesse vindo de um transmissor em um planeta orbitando uma estrela, por exemplo, “poderíamos ver o planeta girando em torno da estrela, poderíamos ver o transmissor orbitando a estrela”, diz Werthimer. “Nós poderíamos realmente ver isso mesmo se você estivesse do outro lado da galáxia, com a resolução do EHT.”

O EHT também pode ser bom para encontrar algo como uma esfera de Dyson, diz Sheikh. Estas são estruturas hipotéticas, propostas pela primeira vez pelo físico Freeman Dyson, construídas em torno de estrelas inteiras que capturam a maior parte ou toda a energia delas. É algo que uma civilização avançada pode construir para atender às suas enormes necessidades de energia.

A maioria das esferas Dyson irradiaria a maior parte de sua energia no infravermelho, em frequências mais altas do que as ondas de rádio. Mas uma que é muito mais fria e, portanto, libera energia em frequências mais baixas, poderia ser observável pelo EHT.

Ainda assim, essa eventualidade é bastante improvável. Mas os astrônomos já estão usando telescópios como o EHT para realizar pesquisas SETI em comprimentos de onda onde é mais provável que vejamos algo. O EHT é apenas um exemplo do que os astrônomos chamam de interferometria de linha de base muito longa (de sigla em inglês, VLBI), o que significa usar vários telescópios separados uns dos outros.

Existem vários projetos em todo o mundo que usam vários telescópios espaçados para encontrar coisas no universo (embora nenhum seja tão grande quanto o EHT). O Very Large Array (VLA), no estado americano do Novo México, por exemplo, consiste em 27 antenas de rádio que podem ser movidas a até 43 quilômetros de distância umas das outras para procurar eventos como ondas de rádio de nuvens de gás em nossa galáxia ou plasma emitido dos buracos negros. Da mesma forma, o radiotelescópio Atacama Large Millimeter/submillimeter Array (ALMA) é feito de 66 antenas de rádio espalhadas pelo deserto do Atacama, no Chile. E outros conjuntos de telescópios que monitoram os sinais em uma variedade de comprimentos de onda podem ser encontrados na Austrália, África do Sul e em outros lugares.

Esses tipos de telescópios que consistem em vários receptores trabalhando juntos são chamados de interferômetros e são cruciais para a pesquisa do SETI. Os sinais que os cientistas pensam que podemos encontrar de alienígenas, chamados tecnoassinaturas, são muito semelhantes aos tipos de sinais emitidos por toda a Terra hoje.

Werthimer diz:

“Existem muitos sinais de rádio na Terra, nós chamamos de interferência de radiofrequência ou poluição por radiofrequência. Esse problema de alarme falso está ficando cada vez pior… está ficando cada vez mais difícil fazer o SETI da Terra.”

O uso de vários receptores, no entanto, permite que os cientistas distingam os sinais da Terra daqueles que vêm de muito mais longe. É aí que entram os interferômetros como o VLA, ajudando os astrônomos a enxergarem além da interferência terrestre. Telescópios futuros, como o Very Large Array (ngVLA) de próxima geração, serão ainda maiores e devem dar aos astrônomos uma visão ainda melhor dos sinais de rádio distantes. Isso significa que estamos mais bem equipados do que nunca para encontrar sinais potenciais de inteligência extraterrestre no universo e acompanhá-los caso apareçam.

Quanto ao EHT, ele tem estado ocupado nos últimos anos adicionando novos telescópios à matriz e acompanhando suas observações de buracos negros. Os planos futuros incluem a adição de ainda mais telescópios e observações cada vez mais detalhadas de buracos negros, potencialmente incluindo imagens de vídeo. E talvez, apenas talvez, sendo acionado para tirar uma foto de alienígenas.

(Fonte)


E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Atenção: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO… e (importante) se puder, ajude na manutenção do OVNI Hoje utilizando o QR code do PIX abaixo:

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS

ATENÇÃO:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores.
  • A PRIMEIRA TENTATIVA DE BURLAR AS REGRAS INCORRERÁ EM BANIMENTO DA ÁREA DE COMENTÁRIOS!

hit counter code
Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

BLOQUEADOR DE ANÚNCIOS DETECTADO!!!

Caro leitor, a existência do OVNI Hoje depende exclusivamente dos anúncios apresentados aqui. Por favor, apoie o OVNI Hoje e desabilite seu bloqueador de anúncios para este site. Obrigado!