web analytics
Tempo de leitura: 3 min.

Espião de Roswell exposto: Filho de general monitorou testemunhas

Tempo de leitura: 3 min.

Um condecorado comandante e general da Força Aérea do Exército dos EUA pessoalmente instalou seu próprio filho na base de Roswell após a queda do OVNI de 1947 para espionar o pessoal envolvido.

Espião de Roswell exposto: Filho de general monitorou testemunhas
Imagem ilustrativa do possível acidente com OVNI em Roswell.

O general, comandante interino do Comando Aéreo Estratégico na época, Clements McMullen, estava profundamente imerso no acobertamento do incidente de Roswell. Ele queria que um indivíduo de confiança ouvisse e relatasse qualquer fofoca ou boato que pudesse ter sido ouvido sobre o acidente.

Parece agora que ele selecionou seu filho Frank McMullen, que ocupava o posto de capitão, para atuar como agente interno. O general, bem treinado em inteligência, procurou alguém para fazer a vigilância, anotar quem poderia ter falado ‘fora de hora’, e talvez até agir para desinformar ou dissuadir testemunhas militares do acidente.

De todas as muitas bases para as quais o filho militar ativo do general poderia ter sido designado, qual a probabilidade de que fosse exatamente a base para a qual seu próprio pai estava tentando direcionar os esforços de resposta após o acidente? Por que o general McMullen, agindo completamente por conta própria, transferiu seu filho para a base de Roswell de maneira tão repentina? Uma revisão dos registros militares mostra que ele chamou urgentemente seu filho de sua missão no Japão e o instalou em Roswell. Como aconteceu que, violando o protocolo, ele sozinho colocou seu filho Frank McMullen no centro de tudo – o lugar que lidou com as consequências imediatas de um OVNI caído?

O general que ajudou a acobertar Roswell

Um nome não frequentemente associado ao incidente do acidente de Roswell é o General Clements McMullen, que morreu em 1959. No entanto, ele é mencionado no livro Crash at Corona, do falecido Stanton Friedman. Friedman entrevistou o general de brigada aposentado Thomas Dubose, chefe do Estado-Maior do Oitavo Comandante da Força Aérea, Roger Ramey.

Em uma entrevista gravada em 1990, DuBose disse a Friedman que estava em seu escritório na base de Fort Worth, TX, na tarde de 8 de julho de 1947, quando recebeu um telefonema do General McMullen do Comando Aéreo Estratégico em Washington, DC. A ligação era destinada a Ramey, mas ele estava em um show aéreo em Denton, no Texas, quando o telefonema chegou. DuBose, em vez disso, atendeu a ligação e McMullen ordenou a DuBose que dissesse (não perguntasse) ao general Ramey para enviar alguns dos materiais encontrados caídos no local da queda do OVNI imediatamente para Washington e abafar quaisquer histórias sobre o exército recuperando um disco voador caído, inventando um reportagem de capa envolvendo um balão caído para “tirar a imprensa de nossas costas“.

DuBose disse que McMullen foi particularmente firme em não dizer nada sobre isso a ninguém. “Você me entende?” McMullen gritou, ao que Dubose respondeu: “Sim, senhor!

DuBose indicou que a ordem era enviar uma pequena quantidade do material de destroços do acidente para DC pelo “correio coronel”. Mais tarde, DuBose relata que viu uma pequena quantidade do material embrulhado em plástico e preso ao pulso de um coronel, Alvin Clarke, preparando-se para ser levado.

O impressionante testemunha em vídeo sobre McMullen

Em uma gravação de vídeo caseira extremamente rara do General DuBose comentando sobre McMullen, ficamos sabendo que foi McMullen quem ordenou o acobertamento usando um balão meteorológico. Também descobrimos que McMullen provavelmente teria usado seu filho para espionar o pessoal da base. DuBose comenta sobre McMullen: “Ele era um maldito intrometido. Ele queria até mesmo saber quem mijou na calçada“.

DuBose disse que McMullen lhe disse que o evento era “mais do que Top Secret“. Você pode ouvir a confissão de um minuto de DuBose sobre McMullen aqui:

[Para instruções de como ativar a legenda em português do(s) vídeo(s) abaixo, embora esta não seja precisa, clique aqui.]

A descoberta de um histórico

John Schlund é um escritor militar e historiador de muitos anos cujos livros incluem Into the Blue e sites como usafflagranks.com. Em uma seção sobre a vida do general Clements McMullen, Schlund, que não tem interesse prévio no assunto dos OVNIs, fez uma descoberta surpreendente. Schlund, que teve acesso a informações de transferência, observa: “Enquanto estava em Andrews Field com seu pai, ele (Frank) descobre sua próxima missão… a 509ª Ala de Bombas localizada em Roswell, NM. Sua data efetiva de transferência deve ter sido 2 de dezembro de 1947“. Ele continua: “Não há ordens oficiais passando por protocolo militar regular ou canais que o atribuem à 509ª Ala de Bombas. Isso eu posso dizer, ele foi designado para o local por seu pai“.

Schlund então observa com perspicácia: “Neste ponto, surgem perguntas. Por que o general que supostamente acobertou o evento de OVNI de Roswell mandou seu filho pessoalmente para o local do incidente? Por que a falta de protocolo e documentação militar? Por que a urgência disto?

Schlund diz que, mantendo tudo em família, o filho de McMullen, Frank, deu ouvidos às conversas que podem estar ocorrendo sobre o acidente entre o pessoal da base. Os registros encontrados indicam uma estreita associação entre o Comandante da Base de Roswell, William Blanchard, e Frank McMullen. Frank ficou na base de Roswell por cerca de um ano. Sobre a probabilidade de McMullen usar seu filho para dedurar outros que falaram fora de hora, Schlund diz: “Se o governo dos EUA classificou a situação [como sendo secreta], tenho certeza de que o general McMullen, como oficial profissional da Força Aérea, respondeu de maneira apropriada para controlar e conter a situação“.

Alguns meses após o incidente da “queda”, mais funcionários da base ficaram mais à vontade para falar sobre isso com outras pessoas. O calor imediato foi desligado e – como é a natureza humana – surgiu a vontade de fofocar sobre uma coisa tão importante. Foi nesse momento que McMullen claramente teve preocupações de que a conversa estava ficando intensa demais e que o monitoramento era necessário.

Aqueles que desejam suprimir a verdade sobre o acidente de Roswell não vão parar por nada – incluindo usar seu próprio filho – para atingir esse objetivo profano. Agora sabemos que Clements McMullen era uma dessas pessoas.

(Fonte)


E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Atenção: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


ÁREA DE COMENTÁRIOS

ATENÇÃO:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores.
  • A PRIMEIRA TENTATIVA DE BURLAR AS REGRAS INCORRERÁ EM BANIMENTO DA ÁREA DE COMENTÁRIOS!

Plugin Kapsule Corp

hit counter code