O Pentágono está procurando por coletores de lixo no espaço

Tempo de leitura: 4 min.

O Pentágono quer limpar o espaço. Bem, nem tudo. Mas, pelo menos, a região cada vez mais poluída na órbita baixa da Terra, onde milhares de pedaços de detritos, estágios usados de foguetes e satélites mortos zunindo incontrolavelmente, como destroços.

O Pentágono está procurando por coletores de lixo no espaço
Lixo espacial é um problema cada vez mais crítico.

Todo esse lixo de décadas de viagens espaciais não é apenas impróprio, mas também representa sérios riscos para todos os tipos de satélites, inclusive aqueles que o Pentágono e as agências de inteligência usam para a segurança nacional dos EUA. Mas limpar o espaço é muito mais difícil do que limpar uma rodovia ou até mesmo um oceano. Por um lado, os objetos em órbita estão viajando incrivelmente rápido – cerca de 28.000 km/h, ou cerca de 13 km por segundo. Alguns deles estão girando violentamente, tornando-os difíceis de agarrar. E é caro lançar uma espaçonave capaz de se aproximar de um pedaço de lixo espacial, pegá-lo e puxá-lo para fora da órbita para que ele possa queimar na atmosfera.

Ainda assim, o Departamento de Defesa, assim como outras agências governamentais, se convenceu de que, à medida que a órbita da Terra se torna mais populosa – e suja – algo precisa ser feito. Mesmo algo tão pequeno quanto um parafuso age como uma bala no espaço e pode causar danos enormes.

Pedaços de detritos já quebraram uma janela na Estação Espacial Internacional. No ano passado, um micrometeoro atravessou o braço robótico da estação, deixando um buraco do tamanho de uma bala. O Departamento de Defesa não quer que isso aconteça com um dos satélites que usa para defesa antimísseis, espionagem ou guiamento de munições de precisão com GPS.

Recentemente, foi lançado um programa, chamado Orbital Prime, sob a Força Espacial dos EUA, que daria às empresas dinheiro inicial para desenvolverem a tecnologia necessária para limpar o espaço. Na primeira rodada do programa, as empresas ganhariam prêmios de US$ 250.000, com até US$ 1,5 milhão em uma segunda rodada de financiamento. O programa culminaria com uma demonstração de teste em órbita.

Em um vídeo publicado online anunciando o programa, o general David Thompson, vice-chefe de operações espaciais da Força Espacial, disse que o Pentágono rastreia mais de 40.000 objetos no espaço do tamanho de um punho ou maior. Mas ele disse que há pelo menos 10 vezes mais objetos menores em órbita que o Pentágono não pode rastrear de forma confiável.

Ele disse:

“Esses detritos e congestionamentos associados ameaçam a sustentabilidade a longo prazo do domínio espacial. Exige ação.”

A questão de longa data voltou aos holofotes no final do ano passado, depois que a Rússia explodiu um satélite morto com um míssil, criando uma enorme nuvem de detritos que ameaçou as pessoas na Estação Espacial Internacional. A tripulação – que incluía dois cosmonautas russos, quatro americanos e um astronauta europeu – foram forçados a embarcar em sua espaçonave e esperar para ver se a estação seria atingida e se teriam que fugir para a Terra. O administrador da NASA, Bill Nelson, chamou de “imprudente e perigoso” e disse que estava “indignado com essa ação irresponsável e desestabilizadora”.

Uma das preocupações é que quanto mais detritos houver no espaço, mais eles poderão proliferar – detritos criando mais detritos.

A Astroscale é uma das empresas que pretende participar do programa Orbital Prime da Space Force. Com sede no Japão, a empresa, que tem um escritório nos EUA em Denver, está desenvolvendo uma espaçonave que espera ser capaz de encontrar um objeto em queda no espaço, imitar seu giro e agarrá-lo usando um ímã. Também está trabalhando com a agência espacial japonesa para encontrar e inspecionar um estágio de foguete japonês usado. Uma missão separada, a ser disputada pela agência espacial, retiraria o palco da órbita.

As missões não são fáceis. Em um teste esta semana, a empresa teve problemas. Sua espaçonave lançou com sucesso um objeto no espaço, mas houve um problema, ou uma “anomalia”, uma vez que tentou navegar em direção a ele.

A empresa disse em comunicado:

“Para a segurança da missão, decidimos não prosseguir com a tentativa de captura até que as anomalias sejam resolvidas.”

Ainda assim, permaneceu otimista de que uma economia espacial vibrante depende de sua limpeza.

Ron Lopez, presidente e diretor administrativo da Astroscale U.S. disse:

“Queremos que a economia espacial cresça. Queremos ser um facilitador disso. E queremos ter certeza de que estamos fazendo isso a longo prazo e que o ambiente estará lá para as gerações futuras.”

A questão também chamou a atenção da Casa Branca. Seu Escritório de Política Científica e Tecnológica recentemente buscou informações de líderes da indústria espacial sobre o que fazer a respeito do problema.

Palestrante após palestrante disseram que os governos de todo o mundo precisam financiar esses esforços para ajudar a criar um mercado para as empresas operarem. Eles também disseram que se tornou um imperativo para os governos em grande parte responsáveis ​​​​pelo problema em primeiro lugar.

Doug Loverro, ex-alto funcionário do Pentágono e da NASA, disse:

“Se a Marinha dos EUA tivesse um navio abandonado em águas soberanas, criando um risco de segurança, a Marinha dos EUA sairia e pegaria esse navio. E não sei porque não vemos a mesma responsabilidade do governo por suas naves abandonadas e seus corpos abandonados que estão no espaço hoje.”

Ou, como disse James Lowenthal, professor de astronomia do Smith College em Massachusetts:

“Assim como contamos com o governo para proteger o ar que respiramos e a água que bebemos, temos que contar com o governo para proteger os recursos E os bens comuns globais da órbita baixa da Terra.”

A Europa e a Grã-Bretanha também começaram a trabalhar para limpar os detritos – uma medida que está atrasada, dizem especialistas da indústria espacial. A ClearSpace, uma empresa suíça, tem um contrato com a Agência Espacial Europeia para remover um grande pedaço de detrito – um símbolo de que o problema está finalmente sendo resolvido. Ela propõe o uso de uma espaçonave com braços grandes que agarraria os detritos como uma armadilha de Vênus.

Luc Piguet, cofundador e executivo-chefe da ClearSpace, disse:

“É por isso que estamos aqui. Porque achamos que a mudança é possível. E achamos que podemos construir uma indústria espacial que opere com um modelo diferente, onde a manutenção seja apenas uma parte normal.”

Mas outros dizem que o esforço precisará crescer e envolver a colaboração internacional, já que a maior parte dos destroços foi gerada pelos Estados Unidos, Rússia e China. Se os governos não se unirem para agir logo, eventualmente haverá colisões – ou conjunções, como são chamadas – poluindo ainda mais o espaço. E embora o Pentágono rastreie objetos no espaço e possa alertar os operadores de satélite sobre uma alta probabilidade de colisão, ele não tem autoridade para forçar ninguém a mover seu satélite. Enquanto isso, o número de “quase impactos” aumentou. Mas um não impacto não recebe muita atenção…

(Fonte)

Colaboração: Wizard Uncle


E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Atenção: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO… e (importante) se puder, ajude na manutenção do OVNI Hoje utilizando o QR code do PIX abaixo:

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS

ATENÇÃO:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores.
  • A PRIMEIRA TENTATIVA DE BURLAR AS REGRAS INCORRERÁ EM BANIMENTO DA ÁREA DE COMENTÁRIOS!

hit counter code
Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

BLOQUEADOR DE ANÚNCIOS DETECTADO!!!

Caro leitor, a existência do OVNI Hoje depende exclusivamente dos anúncios apresentados aqui. Por favor, apoie o OVNI Hoje e desabilite seu bloqueador de anúncios para este site. Obrigado!