web analytics
Tempo de leitura: 5 min.

ETs podem estar vindo para a Terra. Estamos prontos para eles?

Tempo de leitura: 5 min.

Daqui a vinte anos poderemos receber uma ligação de alienígenas. Em 2017, uma poderosa transmissão de rádio foi direcionada ao exoplaneta GJ 273b, que se acredita ser capaz de sustentar a vida. Sua mensagem, enviada pelo grupo de caça alienígena Messaging Extraterrestrial Intelligence International (METI), continha instruções sobre como entender matemática, música e tempo terráqueos. Se pousar em ouvidos alienígenas inteligentes quando chegar em cerca de uma década, o ET agora teria o nosso número.

ETs podem estar vindo para a Terra. Estamos prontos para eles?
Crédito da ilustração: depositphotos

Claro, um chamado cósmico pode vir muito mais cedo. As transmissões espaciais na esperança de atrair uma resposta alienígena vêm sendo realizadas desde 1962, quando cientistas soviéticos enviaram uma mensagem em código Morse ao planeta Vênus na primeira tentativa de comunicação interplanetária.

Mesmo que nossos chamados não gerem resposta, parece cada vez mais provável que a humanidade encontre vida em algum lugar do universo um dia desses. O Telescópio Espacial James Webb da NASA, o telescópio mais poderoso já enviado ao cosmos, já foi lançado e permitirá aos cientistas examinar milhares de planetas distantes em busca de “bioassinaturas” – pistas de que a atmosfera de um planeta foi influenciada pela vida.

Preocupações ao longo de décadas de fenômenos aéreos não identificados (de sigla em inglês UAPs) – conhecidos mais comumente como objetos voadores não identificados (OVNIs) – em nossa atmosfera, muitos avistados por militares, recentemente levaram políticos de ambos os lados do corredor a pressionarem por uma agência oficial para lidar com Investigações de OVNIs.

Mas estamos preparados para um Contato Imediato do Terceiro Grau?

A perspectiva de conhecer outra civilização levanta questões cativantes e preocupantes. Como podemos nos comunicar com uma espécie alienígena, especialmente uma que pode não usar a linguagem de uma forma que possamos reconhecer e decifrar? Uma reunião provocará histeria em massa? E as estranhas doenças alienígenas? E como isso pode afetar nossas opiniões sobre religião? 

Estudiosos da USC Dornsife avaliam o que esperar quando encontrarmos extraterrestres pela primeira vez.

Em todo o universo

Humanos ansiosos para fazer amigos em outros sistemas estelares podem ficar desapontados ao saber que qualquer relacionamento em desenvolvimento provavelmente se assemelhará a uma correspondência fenomenalmente lenta de um amigo por correspondência, em vez de uma conduzida na velocidade de texto ou e-mail – não importa a luz. Há uma distância considerável entre nós e, por exemplo, GJ 273b: 12,36 anos-luz para ser preciso.

A essa distância, levará uma dúzia de anos para que nossa mensagem chegue e depois outra dúzia para recebermos a mensagem de retorno. Seria assim 2041, no mínimo, quando recebermos uma resposta.

E, GJ 273b é um dos exoplanetas mais próximos (um planeta que orbita uma estrela que não seja o Sol). Existem apenas 12 estrelas dentro de 10 anos da Terra em torno das quais os exoplanetas poderiam circular. Isso significa que qualquer troca de informações ocorreria ao longo de pelo menos 20 anos e, mais provavelmente, muitas décadas.

Embora normalmente associemos alienígenas à aceleração da tecnologia, um encontro real pode, contra-intuitivamente, servir para diminuir nosso ritmo de comunicação moderna – e isso pode ser para nosso benefício, de acordo com o professor universitário emérito e professor emérito de ciência da computação, engenharia biomédica, Engenharia Elétrica, Ciências Biológicas e Psicologia, Michael Arbib.

Em seu artigo de 1979, “Mentes e milênios: a psicologia da comunicação interestelar“, Arbib escreveu:

“… o ritmo lento da comunicação interestelar nos dá tempo para assimilar as mensagens que recebemos… mensagem em prescrições para cursos de ação.”

A curiosidade claramente precisará ser temperada com cautela: civilizações alienígenas podem nos ver como um recurso para conquistar – ou um suprimento de alimentos – em vez de um aliado.

Vahé Perroomian, professor de física e astronomia, diz:

“Uma questão será se queremos comunicar e divulgar nossa localização sem primeiro verificarmos sua cultura.”

Richard Jones, professor de inglês como segunda língua no USC American Language Institute, tem uma vasta experiência em ensinar pessoas de culturas e origens linguísticas muito diferentes como superar os obstáculos para uma comunicação eficaz. Com base nessa experiência, ele tem algumas sugestões sobre a melhor forma de se comunicar com os alienígenas.

Nossas mensagens de rádio são um bom primeiro passo para o contato e – muito importante – esperamos acalmar a predação, argumenta ele.

Ele diz:

“As transmissões que incluem dados matemáticos e música são uma excelente ideia. A vida alienígena que está dentro de nossa concepção de ‘inteligência’ seria capaz de entender as relações contidas aqui, e que essas mensagens vêm de outra espécie inteligente.”

Perdidos e achados na tradução

Uma vez estabelecido o contato, o próximo desafio seria manter uma boa conversa. Jones tem algumas sugestões de como começar.

Ele sugere:

“‘Humano’ e ‘ser’ seriam as primeiras palavras que eu sugeriria aprender a expressar. Então, por nossa vez, poderíamos tentar aprender como eles se referem a si mesmos e como expressam que existem – como eles transmitiriam o equivalente da frase em inglês: ‘I am human‘ (Eu sou humano).”

Idealmente, diz Jones, se os extraterrestres puderem viajar até nós, faríamos algum tipo de programa de intercâmbio onde eles pudessem nos observar e pudéssemos observá-los em sua vida diária.

Ele diz:

“Com base nessa observação mútua, podemos construir uma série de ideias sobre que tipo de palavras ensinar e aprender.”

Para um exemplo de como um encontro pessoal entre um alienígena e um linguista provavelmente aconteceria, os leitores podem tentar assistir ao filme A Chegada, diz Zuzanna Fuchs, professora assistente de linguística. O suspense de ficção científica de 2016 segue a professora de linguística Louise Banks enquanto ela tenta se comunicar com extraterrestres, usando um quadro branco para escrever mensagens para alienígenas semelhantes a polvos flutuando em tanques.

No entanto, a linguística terráquea pode ser limitada em sua relevância. 

Zuzanna Fuchs diz:

“Muitos dos truques e padrões que geralmente usamos para nos ajudar a construir rapidamente nosso conhecimento de uma nova língua no trabalho de campo linguístico são baseados em nossa compreensão geral de como as línguas humanas normalmente funcionam.”

Há também a possibilidade de que os alienígenas possam se comunicar de outras maneiras muito diferentes dos humanos, tornando a linguagem falada menos útil.

Jones diz:

“Pode ser possível que formas de vida alienígenas transmitam pensamentos através do toque ou outros meios não verbais. A comunicação entre insetos – como a dança das abelhas – às vezes é descrita como linguagem.” 

Nete caso, o primeiro contato pode exigir uma colaboração entre um linguista e um entomologista.

Germes intergalácticos?

Encontros cara a cara com outras espécies podem inspirar sonhos de compartilhamento de conhecimento intergaláctico – mas também pesadelos de compartilhamento de germes intergalácticos. Nossa própria história nos alerta sobre as consequências dos encontros entre civilizações isoladas.

Quando os europeus chegaram às Américas e fizeram contato pela primeira vez com as comunidades indígenas, trouxeram consigo varíola, sarampo e outras doenças às quais os nativos americanos não tinham imunidade natural. Estima-se que 90% dos habitantes originais da América do Norte morreram de surtos devastadores dessas doenças.

Claro, qualquer risco de infecção do espaço sideral depende se os germes alienígenas contêm moléculas remotamente semelhantes às nossas. Até agora, os cientistas pensam que é provável que haja alguma química compartilhada entre a vida na Terra e a vida na galáxia. Aminoácidos e peptídeos, nossos conhecidos precursores da vida, foram encontrados em asteroides. Muitos planetas hospedam água, que é onde os cientistas acreditam que a vida começou na Terra.

Na verdade, o risco mais imediato pode estar não no que o espaço traz para os humanos, mas no que levamos conosco da Terra quando nos aventuramos no espaço – e depois trazemos de volta para casa em uma forma alterada.

Raffaella Ghittoni, professora associada de biologia, diz:

“Toda vez que vamos ao espaço, trazemos microorganismos conosco. Muitos deles são altamente adaptáveis, como bactérias, e são alguns dos organismos mais antigos a sobreviver na Terra. Esses microorganismos podem mudar e se adaptar no espaço a coisas como radiação e então, por meio de outra missão espacial, podem retornar com essas mudanças e se tornar mais virulentos ou mais infecciosos”.

Os Klingons podem comungar?

Quando, ou se, encontramos alienígenas, provavelmente podemos esperar uma profunda reavaliação da fé religiosa. Um estudo de 2021 do Pew Research Center descobriu que adultos altamente religiosos são muito mais céticos sobre a possibilidade de vida extraterrestre em comparação com aqueles que são menos religiosos. Um encontro alienígena pode questionar crenças há muito acalentadas – ou parecer confirmá-las.

Eventos como eclipses solares já são interpretados por alguns cristãos evangélicos como sinais da vinda do “arrebatamento”, uma previsão bíblica do final dos tempos de fogo. O pouso de um OVNI provavelmente aceleraria esses medos apócrifos.

No entanto, a crença de que os extraterrestres sinalizam o fim do mundo seria a posição de uma pequena minoria dentro dos grupos religiosos, diz o reverendo Dorian Llywelyn, presidente do Instituto de Estudos Católicos Avançados da USC Dornsife. Afinal, há espaço de manobra para a existência de extraterrestres em muitos textos religiosos. O Talmud do judaísmo descreve Deus viajando entre 18.000 mundos. Tanto o budismo quanto o hinduísmo sugerem a existência de outros reinos celestiais povoados.

A chegada de alienígenas é mais provável de provocar debate do que terror entre os fiéis, diz Llywelyn. Os católicos, por exemplo, podem descobrir que descobrir como encaixar os klingons no cristianismo adiciona um novo nível a uma discussão teológica de séculos sobre quem e o que pode ser “salvo”: apenas cristãos, apenas humanos ou todo o mundo físico – incluindo, presumivelmente, klingons.

Uma lição valiosa

A prova de vida além do planeta Terra certamente reestruturará nosso próprio senso de identidade e nosso lugar no cosmos. Nesse momento, a fé espiritual pode realmente funcionar bem ao lado da investigação científica, como um guia para dar sentido a algo que ainda não entendemos.

Se a vida que encontramos é uma raça que salta pelas estrelas de galáxias ou um pequeno micróbio avançando pela superfície de um exoplaneta, tudo isso exigirá uma profunda auto-reflexão de nós, terráqueos. Isso é uma coisa boa, diz Perroomian.

Ele diz:

“Por milênios, os humanos argumentaram que a Terra é especial. No início, pensamos que era o centro do universo, depois o centro da nossa galáxia, e mesmo quando isso foi refutado, ainda pensamos na Terra como especial por ser o único local do universo onde existe vida.

Finalmente dissipar essa noção será uma lição muito valiosa para a humanidade.”

(Fonte)


Um artigo interessante, mas também nos mostra o fato da ciência ainda ter muito medo de considerar que uma ou mais raças extraterrestres possam já estar aqui na Terra nos observando.

Não sabemos se “eles” realmente estão aqui, mas, através da história, sabemos muito bem que teses outrora consideradas verdadeiras pela ciência foram desbancadas ou reajustadas. Sempre foi assim, e, enquanto a raça humana existir, sempre o será. O que hoje é considerado mito pela ciência, amanhã pode muito bem ser confirmado como verdadeiro – e vice-versa.

n3m3

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Atenção: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


ÁREA DE COMENTÁRIOS

ATENÇÃO:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores.
  • A PRIMEIRA TENTATIVA DE BURLAR AS REGRAS INCORRERÁ EM BANIMENTO DA ÁREA DE COMENTÁRIOS!
hit counter code