web analytics
Tempo de leitura: 3 min.

Avaliação de risco na ciência convencional

Tempo de leitura: 3 min.

Por Avi Loeb

A ciência convencional investe bilhões de dólares em buscas pelo desconhecido – mas quais desconhecidos valem o dinheiro investido?

O Grande Colisor de Hádrons, o maior e mais poderoso acelerador de partículas do mundo, custou cerca de US $ 10 bilhões para pesquisar a supersimetria. Depois de esmagar partículas subatômicas com energias sem precedentes que deveriam revelar a existência de novas partículas supersimétricas, nenhuma foi descoberta.

O risco é um componente inevitável da pesquisa inovadora nas fronteiras da ciência. Mas como devemos decidir se vale a pena correr um risco específico e que nível de risco os cientistas devem tolerar para um determinado preço?

O sistema de financiamento existente é baseado em comitês liderados por cientistas tradicionais que são treinados e recompensados ​​por uma mentalidade conservadora guiada por consenso dentro da academia. Mas existem medidas alternativas do valor de assumir riscos na ciência:

  1. Interesse do público, que financia a ciência
  2. Impacto potencial na sociedade
  3. Magnitude de melhoria em nosso conhecimento científico da realidade

Por essas medidas adicionais, outras áreas de pesquisa devem ganhar prioridade em relação à busca por supersimetria – incluindo a busca por equipamentos extraterrestres próximos à Terra. No entanto, a busca por tais objetos é financiada em duas partes de 10.000 do orçamento alocado para a busca da supersimetria. Como chegamos lá?

Existem três grandes argumentos usados ​​pelo mainstream científico para favorecer o investimento de fundos na busca de supersimetria em detrimento de equipamentos extraterrestres no espaço.

Um argumento segue o padrão do astrônomo Carl Sagan, “alegações extraordinárias requerem evidências extraordinárias“. O problema com esse argumento é que ele constitui uma profecia autorrealizável. Assim como com a supersimetria, é difícil coletar evidências extraordinárias de equipamentos extraterrestres sem investir fundos extraordinários em sua busca.

O segundo argumento remonta à pergunta do físico Enrico Fermi em 1950: “Onde estão todos?” Obviamente, não faria sentido para nós fazer a pergunta: “onde está a supersimetria?” sem investir bilhões de dólares em um novo colisor que pudesse encontrá-la, porque partículas supersimétricas nunca foram observadas antes de um acelerador tão caro ser construído. Da mesma forma, só faz sentido perguntar “onde estão todos?” depois de investir bilhões de dólares na busca por artefatos extraterrestres no espaço.

Finalmente, supõe-se que provavelmente sejamos a criança mais inteligente do bloco cósmico. Isto ajuda nosso ego a promover essa premissa arrogante como nosso ponto de partida. Mas a mensagem que continuamos recebendo ao explorarmos o universo é exatamente o oposto: não estamos situados no centro de nenhum sistema astrofísico. Chegamos tarde na história cósmica – 13,8 bilhões de anos após o Big Bang, e sistemas planeta-sol são comuns. Dado que a maioria dos sistemas planeta-sol se formou bilhões de anos antes de nosso sistema solar, nosso ponto de partida deve ser que uma civilização tecnológica como a nossa provavelmente nos antecedeu em bilhões de anos. E como temos lançado sondas no espaço interestelar, outras pessoas podem ter feito isso antes de nós. Mesmo que os remetentes já tenham morrido, seus pacotes ainda podem estar em nossa caixa de correio. A única maneira de descobrir se temos correspondência é procurar objetos interestelares incomuns no sistema solar.

Sete décadas atrás, quando Fermi fez sua pergunta, não tínhamos a capacidade de notar equipamentos interestelares de tamanho razoável na órbita da Terra ao redor do Sol. Pela primeira vez na história da humanidade, a instalação do telescópio de pesquisa Pan STARRS nos permitiu detectar a luz solar refletida de um objeto interestelar do tamanho de um campo de futebol.

Em outubro de 2017, Pan STARRS descobriu o primeiro objeto interestelar, o `Oumuamua. Notavelmente, este objeto apareceu e se comportou de maneira diferente dos asteroides ou cometas conhecidos. Ele possuía uma forma extrema – provavelmente plana – e foi afastado do Sol sem mostrar qualquer sinal de liberação de gás.

Em setembro de 2020, Pan STARRS descobriu outro objeto estranho, o 2020 SO, que também exibiu um empurrão para longe do Sol sem uma cauda cometária, assim como `Oumuamua fez. Este objeto acabou sendo artificial, com certeza, um foguete impulsionador lançado pela NASA em 1966 e impulsionado pelo reflexo da luz do Sol em suas paredes finas.

A descoberta do `Oumuamua é suficientemente intrigante para trazer a busca por equipamentos extraterrestres a um nível de prioridade mais alto em nossa agenda científica dominante do que a busca por supersimetria, para a qual ainda não temos indicações experimentais.

Ao considerar a pesquisa para apoiar, as agências federais e os doadores devem reconhecer a oportunidade e o impacto potencial da busca por objetos interestelares e vida extraterrestre.

(Fonte)


Não sou ninguém, mas assino embaixo do texto de Avi Loeb.

n3m3

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Atenção: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


ÁREA DE COMENTÁRIOS

ATENÇÃO:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores.
  • A PRIMEIRA TENTATIVA DE BURLAR AS REGRAS INCORRERÁ EM BANIMENTO DA ÁREA DE COMENTÁRIOS!
hit counter code