web analytics
Tempo de leitura: 2 min.

A maioria dos exoplanetas rochosos provavelmente não são como a Terra

Tempo de leitura: 2 min.

Os exoplanetas rochosos são amplamente considerados os melhores lugares para procurar vida extraterrestre. No entanto, um estudo pioneiro desse tipo por um geólogo e um astrônomo determinou que a vasta maioria desses mundos alienígenas provavelmente não é um lugar como o nosso lar.

Usando dados do Kepler, Hubble e outros telescópios de observação espacial, o estudo também recomenda a redefinição do que significa para um planeta ser “semelhante à Terra”

Exoplanetas rochosos e a busca por ETsT

Desde que o primeiro exoplaneta foi descoberto em 1995, os astrônomos têm procurado um gêmeo da Terra. Embora nenhum análogo tenha sido encontrado ainda, vários candidatos promissores aguardam uma análise mais aprofundada. Infelizmente, as limitações dos telescópios atuais e outras ferramentas de observação dificultam um levantamento mais detalhado desses mundos alienígenas.

Novos observatórios como o Telescópio James Webb ou o proposto observatório espacial LUVIOR, o primeiro desses que está programado para ser lançado no próximo mês, oferecem alguma esperança. Mas essas plataformas de observação de ponta ainda são limitadas nos dados que podem reunir sobre a composição real do material de um exoplaneta.

Para ajudar os astrônomos a restringir a busca pela “Terra 2”, Sivi Xu, um astrônomo do NOIRLab da National Science Foundation se juntou a Keith Putirka, um geólogo da California State University, Fresno, na esperança de que suas especializações pudessem funcionar juntas neste tipo único de pesquisa.

Xu disse no comunicado à imprensa que anuncia os resultados do estudo:

“Conheci Keith Putirka em uma conferência e fiquei animado por ele poder me ajudar a entender os sistemas que eu estava observando. Ele me ensinou geologia e eu lhe ensinei astronomia, e descobrimos como dar sentido a esses misteriosos sistemas exoplanetários.”

Estudando as atmosferas de anãs brancas

Os astrônomos atualmente não têm a capacidade de medir diretamente a composição dos exoplanetas rochosos, então a dupla estudou a atmosfera das [estrelas] anãs brancas. Isso ocorre porque as anãs brancas são estrelas que costumavam ser como o nosso Sol, mas elas esgotaram seu ciclo de vida de fusão nuclear e entraram em colapso. Quando isso ocorre, as anãs brancas que têm planetas ou asteroides em suas órbitas puxam todo esse material para a atmosfera, incluindo quaisquer exoplanetas rochosos. O resultado é algo que os astrônomos chamam de “anãs brancas poluídas”.

Crédito da imagem ilustrativa: depositphotos

Este material é discernível para os astrônomos que usam o Observatório Keck no Havaí e o Telescópio Espacial Hubble, bem como alguns outros observatórios, porque as atmosferas das anãs brancas antes de serem poluídas são quase exclusivamente hélio e hidrogênio. Tudo o mais que esses instrumentos de precisão medem quase com certeza veio de material absorvido pela atmosfera da estrela defunta.

Anteriormente foi relatado sobre um estudo semelhante de anãs brancas poluídas, e como esses sistemas estelares podem fornecer um análogo para o nosso próprio futuro.

Xu e Putirka estudaram a atmosfera de 23 anãs brancas no total, e todas estavam a 650 anos-luz de nosso sistema solar.

Publicados na revista Nature Communications, seus resultados mostraram que apenas um dos 23 tinha um exoplaneta rochoso cuja composição material era semelhante à da Terra. As outras atmosferas poluídas de anãs brancas mostraram evidências de exoplanetas rochosos, mas a composição real dos materiais desses planetas indicava que eles não eram nada como a Terra.

Xu disse:

“Embora alguns exoplanetas que orbitaram anãs brancas poluídas pareçam semelhantes à Terra, a maioria tem tipos de rocha exótica para o nosso Sistema Solar. Eles não têm contrapartes diretas no Sistema Solar.”

Algumas dessas composições rochosas de exoplanetas eram tão incomuns e diferentes de todas as encontradas em nosso sistema solar que a equipe de pesquisa disse que precisou inventar novos nomes para identificá-las e classificá-las.

(Fonte)


Os planetas lá fora no Universo devem ser análogos aos flocos de neve: nenhum é igual ao outro. Mas certamente isto não significa que eles não possam abrigar a vida, tanto tal qual a que conhecemos, quanto seres muito estranhos para nós. Quem viver o suficiente, verá… E, possivelmente, quem morrer também verá.

n3m3

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…

USE O CUPOM OVH10 E GANHE 10% DE DESCONTO!


ÁREA DE COMENTÁRIOS

Atenção:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores. Pessoas que insistirem em burlar as regras serão banidas dos comentários.

Plugin Kapsule Corp