web analytics
Tempo de leitura: 3 min.

Ponderando a estratégia da Busca por Inteligência Extraterrestre – SETI

Tempo de leitura: 3 min.

Por Paul Gilster 

Tento manter meu ouvido no chão (ao invés de meus olhos no céu) quando se trata de SETI (Search for ExtraTerrestrial Intelligence, ou Busca por Inteligência Extraterrestre). O que quero dizer é que há cientistas suficientes trabalhando em questões de SETI que é um desafio saber quem está fazendo o quê.

Ponderando a estratégia da Busca por Inteligência Extraterrestre - SETI
O Very Large Array (VLA) é uma coleção de 27 antenas de rádio localizadas no site do NRAO em Socorro, Novo México, desde o início de 2020 como participante na busca por tecnossignaturas. Crédito: Alex Savello / NRAO.

Tento acompanhar as discussões em andamento mesmo quando, como em uma conferência, as pessoas ficam entrando e saindo da audibilidade. Daí a possibilidade de sobreposição nos esforços de SETI e, como Jason Wright aponta em uma discussão em seu site AstroWright, a circulação das mesmas ideias sem mover a bola para a frente.

Este não é um fenômeno novo, como revela uma retrospectiva de minha própria experiência de pós-graduação em uma área muito diferente. Eu era um medievalista com ouvido para a linguagem e sempre me impressionava como costumávamos ser compartimentalizados quando discutíamos linguística medieval. Naquela época, línguas do norte da Europa como o gótico, o islandês antigo, o anglo-saxão e o saxão antigo formavam um matagal erudito pelo qual eu felizmente vagava, mas na ausência de recursos computadorizados naquela época, os estudiosos góticos tinham dificuldade em se manter atualizados com os jornais da Antiga Islândia e os novos trabalhos sobre a linha aliterativa anglo-saxônica que chegavam principalmente por meio de boatos recolhidos na hora do café. Essas línguas germânicas definitivamente não estavam se falando.

Tenha em mente que aquela era uma comunidade pequena e fortemente focada de estudiosos trabalhando em coisas muito esotéricas, e mesmo assim era difícil acompanhar os vários fios da tapeçaria. Os problemas de SETI são de um tipo diferente. Aqui, o trabalho está espalhado por vários periódicos e, em particular, uma ampla gama de disciplinas – você pode, por exemplo, encontrar um artigo SETI em um jornal de antropologia, bem fora do intervalo normal de amostragem de um astrofísico. Wright também destaca que SETI sofre com a falta de um currículo, embora ele próprio esteja trabalhando para mudar isso na Penn State. O que o SETI tem a seu favor, que minha experiência de graduação não teve, é a proliferação de recursos online, mesmo que muitos estejam isolados como monges medievais atrás de firewalls monásticos. O acesso online continua sendo um alvo em movimento.

Um artigo útil que está ajudando a estabilizar as coisas está disponível no site arXiv com o título “Furthering a Comprehensive SETI Bibliography” (“Promovendo uma Bibliografia SETI Abrangente”, em tradução livre – e sim, ‘comprehensive‘ em inglês significa ‘abrangente; trata-se de um falso cognato). É o histórico do processo de descoberta e questões de categorização de uma atualização bibliográfica em andamento chamada SETI.news, que os leitores do site Centauri Dreams vão querer conhecer. O boletim informativo começou em 2016 como uma forma de reunir artigos acadêmicos e postagens de blog ocasionais com alta relevância para o esforço do SETI e estou achando isso indispensável.

A correspondência SETI.news combinada de julho/agosto está aqui, graças aos esforços de Wright e Macy Huston. Também devo mencionar, enquanto estamos falando sobre coleta de recursos, que um esforço bibliográfico útil para aqueles de nós após a exploração interestelar está disponível por meio do Interstellar Research Group. O banco de dados pode ser pesquisado; atualizações aparecem todos os dias da semana. O mandato do IRG é obviamente amplo em escopo, abrangendo tudo, desde questões de propulsão a astrobiologia, ao contrário do SETI.news altamente focado. Mas acho que ambos serão do interesse do público.

Não quero finalizar sem mencionar comentários interessante de Wright sobre o Paradoxo de Fermi e a Equação de Drake em Strategies for SETI III: Advice. Ele está se perguntando se, de alguma forma, não esgotamos a discussão, citando Kathryn Denning sobre o assunto:

“Pensar naquele futuro [do contato com a Inteligência Extraterrestre – IET] foi em si um ato de esperança. Talvez ainda seja. Mas quero sugerir algo mais aqui: que a melhor maneira de levar esse legado adiante é não ficar fazendo as mesmas perguntas e elaborando respostas, cujos contornos foram estabelecidos há muito tempo e cujos detalhes não podem ser preenchidos até e a menos que uma detecção seja confirmada. Talvez este trabalho esteja quase concluído.”

Trouxemos a questão Fermi para o chão? De acordo com a parte anterior deste post, parece que a discussão gira em torno das mesmas questões sem mover a bola para a frente, mas então, uma bola tão teórica é uma coisa difícil de empurrar para o campo! A Equação de Drake consegue de vez em quando uma refutação indignada em meu e-mail de pessoas que não percebem que ela é, como Wright aponta, uma ferramenta heurística projetada para nos fazer ponderar as probabilidades. Então, quando alguém me escreve para apontar que não é possível resolver a equação, acho que vou começar a citar o comentário de Wright:

“[A Equação de Drake] … não uma equação fundamental como a equação de Schrodinger da qual se derivam os resultados; é mais como um mapa esquemático da paisagem para nos ajudar a se orientar.”

Mapas esquemáticos podem ser bastante úteis, e a Equação de Drake cumpriu seu papel. Tudo em seu lugar conforme avançamos. Meu próprio interesse está mais fortemente focado em artigos que podem ajudar com esforços de pesquisa reais, em vez de teóricos, artigos que, como Wright coloca, “ficam perto dos dados”. O que não significa subestimar o puro fascínio do tópico, mas apenas para dizer que as porcas e parafusos precisam ser apertados e mantidos, e uma contribuição como o SETI.news é tangível e produtiva.

(Fonte)


Pois é, mas enquanto os cientistas, ludibriados pelo “dogma da ciência”, estiverem focando seus esforços somente na tentativa de captar sinais de rádio vindos de civilizações alienígenas, ficarão patinando eternamente nesta busca. Isto é tão maluco quanto assistir o mesmo filme várias vezes esperando que em alguma dessas vezes o final será diferente.

Mas, infelizmente, as formas mais produtivas de procurar pela IET são consideradas tabu pela academia, e os cientistas que a desafiam sofrem discriminação violenta pelos seus pares. Avi Loeb que o diga.

n3m3

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é produtos-OVNI-Hoje-1.jpg
O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é Loja-Nerd.jpg

Leitores OVNI Hoje ganham 10% de desconto em todos os produtos da Loja Nerd, inclusive nos produtos OVNI Hoje. (Use o cupom OVH10)


*Agora você também pode apoiar o OVNI Hoje através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:



ÁREA DE COMENTÁRIOS

Atenção:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores. Pessoas que insistirem em burlar as regras serão banidas dos comentários.

Plugin Kapsule Corp