web analytics
Tempo de leitura: 5 min.

Os “defensores” da ciência podem prejudicá-la em vez de defendê-la

Tempo de leitura: 5 min.

Por Avi Loeb

Seja a teoria do vazamento de laboratório da origem do COVID ou a evidência de objetos anômalos perto da Terra, aqueles que insistem que ideias desconfortáveis ​​não são científicas estão impedindo descobertas potencialmente importantes.

Os "defensores" da ciência podem prejudicá-la em vez de defendê-la

Na versão impressa de um Op-Ed do New York Times, Bret Stephens comentou sobre a teoria do vazamento de laboratório do COVID-19: “Às vezes, a ciência é mais prejudicada por aqueles que pensam que a estão defendendo”. Esse sentimento reverbera em muitos outros contextos. Deixe-me explicar.

Quando a teoria do iceberg de nitrogênio foi proposta para explicar as propriedades estranhas do primeiro objeto interestelar ‘Oumuamua, ela foi adotada pelos astrônomos convencionais com um suspiro de alívio porque o objeto anômalo foi finalmente explicado em um contexto natural. Nunca tínhamos visto um pedaço de nitrogênio congelado flutuando dentro do sistema solar antes, e sendo detectado primeiro – `Oumuamua deveria representar uma população comum de objetos.

Pouco depois, escrevi um artigo com meu aluno, Amir Siraj, mostrando que esse modelo requer muito mais matéria-prima de nitrogênio do que o disponível em todas as estrelas da Via Láctea. Este não foi um reflexo de um problema de abundância observado anteriormente para objetos interestelares, mas uma deficiência específica da teoria do nitrogênio – que associa o ‘Oumuamua com um fragmento lascado da superfície de um planeta semelhante a Plutão em torno de outra estrela. O suprimento limitado de nitrogênio nas superfícies de exo-Plutãos e a necessidade de que a viagem interestelar durasse apenas meio bilhão de anos – ou então a maior parte do gelo de nitrogênio em `Oumuamua evaporaria, leva a um problema de orçamento de massa. Mas esta desvantagem foi ignorada para afastar a estranheza do `Oumuamua.

Se o `Oumuamua é feito de nitrogênio, então deveríamos ficar mais intrigados do que menos com sua descoberta, porque nunca tínhamos visto nada parecido antes. Ao argumentar “tudo normal como sempre” e não buscar novas evidências para testar a realidade de nossa teoria, apenas mantemos nossa ignorância.

Lembre-se de que a ignorância é como o número zero. Seu produto com qualquer tópico leva a nenhum conteúdo novo.

Como resultado, a ignorância permite que as pessoas mantenham convicções anteriores. Este benefício foi abraçado pelos filósofos que se recusaram a olhar pelo telescópio de Galileo Galilei – o pioneiro da ciência baseada em evidências. Esses filósofos “sabiam” que o Sol se move ao redor da Terra. Estranhamente, quatro séculos depois dessa experiência, o mesmo tema é defendido em um artigo recente escrito por um filósofo que usou argumentos abstratos para afirmar que o `Oumuamua deve ter tido uma origem natural. Já não aprendemos com Galileu que devemos procurar respostas por meio de nossos telescópios?

E este não é o único contexto ao qual se aplica a observação de Bret Stephens. O relatório do Pentágono entregue ao Congresso em 25 de junho deste ano admite a existência de Fenômenos Aéreos Não Identificados (de sigla em inlgês, UAP) de natureza desconhecida. Esta é uma admissão incomum por oficiais de segurança nacional, que deveriam entregar as mensagens mais conservadoras ao público. É intrigante o suficiente para motivar a investigação científica com o objetivo de identificar o não identificado. Alguns dos UAPs (OVNIs) descobertos desde março de 2019, quando um novo mecanismo de relatório foi estabelecido pela Marinha dos EUA, são provavelmente objetos reais. O relatório afirma: “a maioria dos UAPs foram registrados em vários sensores, incluindo radar, infravermelho, eletro-óptico, buscadores de armas e observação visual”. Os UAPs podem ser feitos pelo homem (nesse caso, eles implicariam em uma deficiência da inteligência nacional), fenômenos atmosféricos naturais ou de origem extraterrestre.

Todas as possibilidades implicam em algo novo e interessante que não conhecemos. Portanto, seria emocionante obter uma visão sobre a natureza dos OVNIs, reunindo novos dados científicos. A maioria dos OVNIs pode ter explicações mundanas, mas mesmo que apenas um objeto seja de origem extraterrestre – teria um grande impacto na sociedade. É por isso que dediquei um livro inteiro intitulado “Extraterrestrial”, à possibilidade de que o objeto interestelar anômalo `Oumuamua pudesse ser de origem artificial, uma vez que não se parecia com nenhum cometa ou asteroóide observado antes.

O relatório do Pentágono admite: “Os estigmas socioculturais e as limitações dos sensores continuam a ser obstáculos para a coleta de dados dos UAPs … o risco de reputação pode manter muitos observadores em silêncio, complicando a busca científica do tópico”. Ele acrescenta: “Os sensores montados nas plataformas militares dos EUA são normalmente projetados para cumprir missões específicas. Como resultado, esses sensores geralmente não são adequados para identificar UAPs”. O relatório evita qualquer discussão científica sobre a possibilidade de que os fenômenos inexplicados sejam de origem extraterrestre, uma vez que isso vai além da carta atribuída à força-tarefa do governo.

Dados esses fatores limitantes, o estudo dos OVNIs deve agora mudar dos pontos de discussão dos administradores de segurança nacional e políticos para a corrente principal da ciência, onde seria estudado por cientistas em vez de por pessoas que não foram treinadas como cientistas.

Novos dados científicos podem esclarecer o nevoeiro na interpretação da natureza da UAP. Essa foi a motivação para anunciar o Projeto Galileo sob minha liderança, cujo objetivo é procurar através de telescópios os dados científicos que revelariam a natureza de objetos estranhos como o `Oumuamua ou os OVNIs.

A ciência não é ditada por declarações oficiais baseadas em experiências anteriores. Em vez disso, o progresso depende da avaliação de anomalias e da busca ativa de novas pistas quando os dados existentes são insuficientes. A incerteza deve encorajar os cientistas a buscar mais dados, em vez de se enraizar em preconceitos. Ex-funcionários de alto escalão do governo que tiveram acesso aos dados confidenciais sobre os OVNIs, incluindo o ex-presidente dos EUA, Barack Obama, o ex-diretor de inteligência John Ratcliffe, o ex-diretor da CIA James Woolsey e o ex-senador Harry Reid, afirmaram acreditar que OVNIs são um assunto sério, digno de investigação científica. Em caso afirmativo, como os cientistas – que supostamente têm a mente aberta – podem se esquivar da investigação?

A postura de que somos inteligentes o suficiente para saber a resposta com antecedência resulta em uma profecia autorrealizável que dispensa a necessidade de coletar novos dados, o que, por sua vez, apóia a premissa de que os dados existentes para anomalias não são convincentes. Esse ciclo mantém um status quo de ignorância e promove especulações por parte do público. O dever dos cientistas é promover o conhecimento baseado em evidências, não presumir que eles sabem as respostas com base em experiências anteriores.

Portanto, é surpreendente que o relatório do Pentágono tenha sido seguido por resistência de alguns cientistas, incluindo astrofísicos e defensores do SETI. Para descobrir a natureza de objetos parecidos com o `Oumuamua ou OVNIs pode exigir menos fundos do que já foram gastos na busca pela natureza indescritível da matéria escura, um assunto com muito menos impacto na sociedade.

Nossos vizinhos galácticos podem estar lá fora, independentemente de nós os procurarmos através de nossas janelas abertas, da mesma forma que a Terra continuou a se mover ao redor do Sol mesmo quando Galileu foi colocado em prisão domiciliar.

A ignorância pode ser mantida para sempre se nos recusarmos a procurar evidências que possam provar que nossas convicções estão erradas. Fingir que não temos vizinhos só nos deixará despreparados para o dia em que baterão à nossa porta. Abrir essa porta realmente forneceria a evidência extraordinária que alguns cientistas exigem, mas chegará tarde demais para contemplar uma resposta adequada. Assim como minhas filhas se beneficiaram muito com o contato com crianças mais inteligentes no jardim de infância, os empreendedores do Vale do Silício podem adquirir novas aspirações do Projeto Galileo para encontrar equipamentos tecnológicos extraterrestres.

As anomalias devem ser celebradas em vez de ridicularizadas. Eles oferecem a oportunidade de aprender algo novo sobre a natureza. A ciência é uma experiência de aprendizagem e descobertas inesperadas tendem a abalar noções pré-concebidas. O emaranhamento quântico ou “ação à distância” parecia “assustador” para Albert Einstein, mas os físicos aceitaram quando souberam por meio de experimentos posteriores que ele estava errado. As anomalias experimentais são o precursor do progresso em nosso conhecimento científico da realidade.

Ao todo, a ciência é um trabalho em andamento. Na maioria das vezes, não há dados suficientes para restringir a gama de interpretações possíveis. Nessas circunstâncias, muitas vezes somos aconselhados por colegas a não revelar ao público como é feita a “salsicha” do conhecimento científico, porque o público pode perder a confiança no consenso científico sobre outras questões como as mudanças climáticas globais. Minha visão é exatamente oposta. Ao expor o estado mais comum da ciência como “trabalho em andamento” no qual múltiplas interpretações são entretidas quando as evidências são inconclusivas, faríamos o processo científico tão emocionante quanto uma história de detetive antes que o caso seja descoberto. Um consenso entre os cientistas sobre o veredicto final ganhará a confiança do público porque a evidência em que se baseia supera qualquer dúvida razoável. Anunciar apenas “resultados finais” em coletivas de imprensa cria a impressão de que a academia é uma ocupação da elite e não um processo de usar o bom senso para descartar interpretações alternativas.

Na última década, tornou-se moda entre os filósofos defender modas da física teórica, como a paisagem da teoria das cordas, o multiverso, a supersimetria, extradimensões ou algumas versões da inflação cósmica, que são imunes a testes experimentais de falseabilidade em um futuro previsível. Essas áreas populares da ginástica matemática não “colocam a pele no jogo” e evitam fazer previsões que podem ser falsificadas por dados experimentais. Isso levou alguns a sugerirem que a tenda da física precisa ser redefinida de forma mais ampla para incluir a filosofia. Recentemente, Jeroen van Dongen brincou na frase final de um artigo de revisão que ele “gostaria de propor um nome para o novo paradigma não empírico, honrando suas credenciais kantianas: vamos chamá-lo de ‘metafísica’ e continuar financiando-o como generosamente como antes”. Minha interpretação preferida desta sugestão é que o nível de financiamento de teorias não testáveis ​​na física deve corresponder ao suporte atual da metafísica (o que quer dizer, muito baixo).

Redefinir a ciência não é a maneira certa de manter sua vitalidade. Ainda existem inúmeras fronteiras prósperas na ciência moderna, onde o feedback experimental é praticado e apreciado como um ingrediente necessário do método científico desenvolvido por Galileu. Os estudos científicos da realidade não precisam de defesa contra aqueles que violam seu princípio sagrado de promover o conhecimento baseado em evidências.

(Fonte)


Professor Avi Loeb

Sou grande fã de Avi Loeb, um cientista de coragem nadando num mar de cientistas intimidados pelos seus dogmas e preconceitos. Com eloquência e detalhamento, no artigo acima ele disse tudo que tenho tentado dizer às pessoas há anos sobre alguns cientistas e “professores da impossibilidade”, aqueles que atrasam a ciência.

E para quem não sabe, Loeb é o diretor fundador do Black Hole Initiative da Universidade de Harvard, diretor do Instituto para Teoria e Computação do Centro de Astrofísica Harvard-Smithsonian e ex-presidente do departamento de Astronomia da Universidade de Harvard (2011-2020).

Parabéns Professor Avi Loeb, corajoso representante da ciência real.

– n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.


PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


*Agora você também pode apoiar o OVNI Hoje através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:



ÁREA DE COMENTÁRIOS

Atenção:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores. Pessoas que insistirem em burlar as regras serão banidas dos comentários.
EnglishFrançaisDeutschItaliano日本語PortuguêsEspañol