web analytics
Tempo de leitura: 2 min.

Papiro da antiguidade revela: A “Estrela Demônio” Algol existe

Tempo de leitura: 2 min.

Em 1943, um antigo papiro foi comprado pelo Museu do Cairo, no Egito. Ele foi escrito em hierático e, embora porções dele foram comidas por formigas, ele era um documento antigo muito precioso.

Papiro da antiguidade revela: A "Estrela Demônio" Algol existe
O mais antigo calendário egípcio. Museu do Cairo, Egito. Os egípcios da antiguidade sabiam, há 3200 anos, sobre Algol, a Estrela Demônio

O papiro continha três livros separados sobre astronomia. Um dos livros era o Calendário Cairo, e agora ele revela um antigo segredo astronômico.

Algol, também conhecida como a Estrela Demônio, é uma estrela binária na constelação Perseu. Por centenas de anos a estrela têm sido motivo de especulação.

Uma equipe de pesquisa finlandesa agora está sugerindo que os antigos egípcios estavam familiarizados com a Estrela Demônio e seu estranho comportamento, já há 3.200 anos!

O período da estrela binária Algol era de 2.850 dias, três mil anos atrás. Por razões religiosas, os antigos egípcios registraram este período no Calendário Cairo, o qual descreve as mudanças repetitivas do “Enfurecido“. O Calendário Cairo pode ser o mais antigo documento histórico preservado da descoberta de uma estrela variável.

Os escribas do antigo Egito escreveram Calendários de Dias de Sorte e de Azar, que designavam prognósticos bons e ruins para os dias do ano.

Os prognósticos eram baseados em eventos mitológicos e astronômicos considerados influentes para a vida no dia-a-dia.

Algol é notável de várias formas.  Ela pareceu desafiar a regra geral da astrofísica, a qual dita que as estrelas mais massivas evoluem mais rapidamente, porque Algol A, a mais massiva, não evoluiu da sequência principal, mas a menos massiva, Algol B, já evoluiu para um estágio subgigante.

Papiro da antiguidade revela: A "Estrela Demônio" Algol existe
À medida que as duas estrelas giram, seus brilhos percebidos da Terra dão um grande mergulho a cada 2,85 dias

Este famoso “paradoxo de Algol” foi finalmente resolvido há somente meio século.  Algol A era menos massiva do que Algol B, quando estes sistema foi formado.

Papiro da antiguidade revela: A "Estrela Demônio" Algol existe
Uma das páginas de um antigo Calendário dos dias de Sorte e de Azar (curadores do Museu Britânico).  As linhas retas conectam as estrelas na moderna constelação de Perseu.  O olho denota Algol.

O brilho de Algo aumenta e diminui a cada 2.867 dias, um fenômeno primeiramente descrito na astronomia ocidental semi-moderna, por John Goodricke, que escreveu sobre o que viu a olho nu em 1783.

Embora seja altamente improvável que os antigos egípcios podiam ter conhecido que a diminuição do brilho era causada por uma das estrelas binárias passando na frente da outra, eles registravam regularmente a atividade anormal de Algol. Os movimentos da Estrela Demônio eram descritos no Calendário Cairo, o qual conseguiu sobreviver por milhares de anos.

Os antigos egípcios eram astrônomos altamente sofisticados, os quais possuíam conhecimento que os inspirava em suas vidas diárias. Os alinhamentos astronômicos também tinham um papel muito importante na orientação dos templos egípcios antigos.

(Fonte)



P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.


PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

*Agora você também pode apoiar o OVNI Hoje através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:



EnglishFrançaisDeutschItaliano日本語PortuguêsEspañol