web analytics
Tempo de leitura: 6 min.

A nova realidade dos OVNIs: Uma entrevista com a jornalista Leslie Kean

Tempo de leitura: 6 min.

Leslie Kean é uma repórter investigativa veterana que passou mais de 20 anos investigando o tópico outrora tabu dos objetos voadores não identificados (OVNIs). Os OVNIs agora são considerados reais, diz ela. Além disso, apesar das observações usando tecnologias altamente avançadas, não temos ideia do que são ou de onde vêm.

A nova realidade dos OVNIs: Uma entrevista com a jornalista Leslie Kean
Leslie Kean em foto promocional.

Embora Kean nunca tenha visto um OVNI, seus próprios “encontros imediatos” com centenas de documentos governamentais, relatórios de aviação, dados de radar e estudos de caso com evidências físicas corroborantes, bem como entrevistas de dezenas de oficiais de alto nível e testemunhas da aviação de todo o mundo, reforçaram sua crença de que os OVNIs são dignos de estudo científico.

Kean disse:

“Acredito que finalmente chegamos ao limiar de um novo paradigma.”

Kean é autora do best-seller do New York TimesUFOs: Generals, Pilots and Government Officials Go on the Record” (Harmony Books/The Crown Publishing Group, 2010). Mais recentemente, ela foi co-autora de artigos reveladores no The New York Times que se concentrava em avistamentos de OVNIs e os programas do governo para investigá-los. Ela também escreveu “UFOs: Shifting the narrative from threat to science” (‘OVNIs: Mudando a narrativa da ameaça para a ciência’), um artigo publicado no The Debrief no início deste mês (e também aqui no OVNI Hoje).

O site Space.com recentemente conversou com Kean para discutir o que ela pensa que está para acontecer com relação aos OVNIs, o que impede a comunidade científica de assumir o desafio de descobrir se algum OVNI é extraterrestre e muito mais.

Space.com: Como você melhor caracteriza onde estamos hoje, dado o seu artigo em coautoria no NY Times que catapultou as coisas para a vista do público?

Kean: Vimos uma grande mudança desde nosso artigo de dezembro de 2017 no New York Times, que incluiu dois vídeos da Marinha. O governo reconheceu a realidade dos OVNIs e o fato de que eles impactam a segurança nacional, e isso por si só é uma grande mudança. Temos mais vídeos da Marinha de objetos inexplicáveis, uma Força-Tarefa oficial OVNI e, mais recentemente, um relatório do governo sobre OVNIs que foi solicitado pelo Comitê Selecionado de Inteligência do Senado.

O relatório afirma que não há evidências de que os OVNIs sejam nossos, russos ou chineses. Ele forçou muitas agências independentes a reunir informações pela primeira vez e ganhou mais atenção para os OVNIs por parte dos formuladores de políticas, com alguns pedindo audiências abertas no Congresso. Mesmo antes do relatório OVNI de junho de 2021, oficiais de alto nível fizeram declarações quanto à necessidade de uma investigação mais aprofundada desses objetos inexplicados exibindo tecnologia além do que possuímos. O tabu contra levar o assunto a sério está diminuindo, e cientistas saíram da toca defendendo estudos sobre OVNIs na Scientific American. Esses eventos não têm precedentes. E a mídia não se cansa de OVNIs. Recentemente, pela primeira vez, os OVNIs foram cobertos tanto pelo The New Yorker quanto pelo programa da CBS, ‘60 Minutes‘.

Space.com: Você acredita que [hoje] o foco ‘OVNI’ é o mesmo que décadas de relatórios sobre ‘OVNIs’? Eles são iguais ou não, na sua opinião?

Kean: Não acho que haja qualquer diferença em como os relatórios descrevem o fenômeno. Documentos governamentais, como o famoso Memorando Twining de 1947, descrevem o comportamento dos objetos da mesma maneira que os documentos posteriores e da mesma forma que são relatados hoje. A diferença é que hoje temos câmeras, radares, tecnologia de satélites e sensores melhores do que tínhamos décadas atrás, aumentando a especificidade dos dados sobre OVNIs (que permanecem classificados).

O termo ‘UAP’ gradualmente se tornou o termo preferido usado pelo governo e militares, porque abrange uma gama mais ampla de fenômenos do que o termo ‘OVNI’. Mas como ‘UAP’ passou a ser usado principalmente para evitar o estigma e a bagagem associada a ‘OVNI’, não há realmente muita diferença entre os dois além da impressão que a sigla cria. Um parece mais cultural, o outro mais oficial. ‘UAP’ remove qualquer associação com teorias da conspiração ou programas como ‘Arquivo X’ ou o elemento marginal. Mesmo assim, o termo ‘OVNI’ existe desde sempre e tem um apelo mais amplo. Em meu relatório, uso os termos alternadamente, dependendo do contexto.

Space.com: Dada sua longa e produtiva pesquisa sobre a questão dos OVNIs, o que mais a surpreendeu? Da mesma forma, o que mais a decepcionou?

Kean: Especialmente nos primeiros anos de minha reportagem, fiquei muito surpresa com a falta de curiosidade entre cientistas e legisladores sobre OVNIs. Também fiquei surpreso ao ver como o estigma estava arraigado e poderoso na mídia e na cultura em geral. Fiquei perplexa porque quase todo mundo não foi afetado pelas implicações potenciais das evidências para esse fenômeno. Não demorei muito para perceber que a maioria das pessoas em posição de fazer a diferença eram desinformadas e, compreensivelmente, tinham outras prioridades. Ainda assim, dado o quão fascinada eu estava com isso e dado o que poderia significar se mesmo um OVNI fosse extraterrestre, achei essa apatia e desinteresse difícil de entender.

Muitas vezes fiquei surpresa que jornalistas investigativos talentosos não pularam a bordo e mergulharam fundo neste assunto. Como freelancer, não conseguia abrir as mesmas portas do The Washington Post, do New York Times ou do The New Yorker. No entanto, eles estavam essencialmente silenciosos. Isso foi frustrante para mim. Mas é claro que tudo mudou agora.

Também fiquei frustrada por não haver um órgão governamental para receber relatórios de policiais, pilotos comerciais e outras testemunhas confiáveis, e para conduzir investigações quando necessário. Você pode imaginar minha surpresa quando soube do programa Advanced Aerospace Threat Identification Program (AATIP) em 2017. No entanto, por estar limitado apenas a casos militares e por ser secreto, não era exatamente o que eu esperava.

Space.com: Com toda a conversa agora sobre OVNIs, o relatório preliminar sobre OVNIs, etc., onde estamos agora e o que vem a seguir?

Kean: Fizemos um tremendo progresso nos últimos três anos e meio. Houve muito ímpeto que se acumulou antes do lançamento do relatório OVNI do Escritório do Diretor de Inteligência Nacional (ODNI) em 25 de junho, e temos que manter o ímpeto. Mas quando as coisas ficam quietas, estou ciente de que ainda há muita coisa acontecendo nos bastidores. Para nossas próximas etapas, precisamos ter uma força-tarefa bem financiada com equipe ampliada que possa acessar informações de todas as agências governamentais e consolidá-las. Os melhores especialistas de várias áreas precisam analisar esses dados. Precisamos entender a raiz da falha de inteligência que bloqueou uma investigação governamental significativa sobre os OVNIs. Os relatórios da força-tarefa para o público e os comitês do Senado precisam continuar a ser publicados regularmente. E é claro que acredito que muito mais informações devam ser divulgadas ao público.

Existem vídeos e fotografias em arquivos do DOD [Departamento de Defesa] que são muito superiores aos que vimos até agora. Acho que o público tem direito a esses e outros dados, conforme declarado pelo [ex-senador dos EUA] Harry Reid, que iniciou o programa de governo [AATIP]. O sigilo é excessivo aqui, apesar da necessidade de alguma classificação por motivos de segurança nacional.

Talvez tenhamos a sorte de ver audiências abertas no Congresso sobre OVNIs. E, eventualmente, podemos receber uma declaração definitiva de que esses objetos não são russos ou chineses. Ficou estabelecido que eles não são nossos, mas a porta para o OVNI ser tecnologia de um adversário estrangeiro não foi totalmente fechada. Alguns em posição de saber afirmaram que esses objetos não foram criados pela Rússia ou pela China. Isso precisa ser declarado como fato em um dos relatórios escritos subsequentes. Talvez um dia esses dois países se unam aos Estados Unidos para reconhecer essa realidade. Nesse ponto, teremos cruzado uma linha para um novo mundo.

Space.com: Na minha opinião, o público está experimentando uma nova onda de frenesi OVNI – algo que vi nos anos 1950. Existem charlatões nessa área trabalhando arduamente para ganhar dinheiro. Existem investigadores dedicados tentando desvendar essa saga. Quais são seus pensamentos sobre como o público deve ser cauteloso, mas ainda permanecer aberto para chegar ao fundo da história do OVNI?

Kean: Eu aconselharia o público a ter cuidado a quem eles ouvem. Concentre-se em informações oficiais, fornecidas por funcionários do governo atuais e anteriores e outros com credenciais que estejam em posição de ter conhecimento. Frequentemente, falam em generalidades porque foram expostos a muitas informações confidenciais e só podem ir até certo ponto no que podem dizer publicamente. Mas suas palavras têm muito peso e devem ser levadas a sério. Recomendo prestar atenção a investigações aprofundadas, como as do The Debrief e The Drive.

Felizmente, esse assunto transcende a política e temos que mantê-lo assim. Devemos todos ser cautelosos com pessoas com visões conspiratórias extremas que estão tentando influenciar o público para seu próprio benefício. Quaisquer dessas afirmações devem ser fundamentadas com fatos, nomes e documentos que possam ser corroborados, ou não terão valor. Eu encorajo as pessoas a terem isso em mente quando se depararem com o que você descreve como ‘charlatões’.

Space.com: Você espera um ‘desacobertamento completo’ a respeito dos OVNIs no curto prazo? Em caso afirmativo, o público está pronto para esta divulgação e o complemento relacionado de possivelmente desconfiar do governo?

Kean: Depende do que você entende por ‘desacobertamento total’. Algumas pessoas pensam que isso significa que funcionários do governo se levantarão e anunciarão que fomos visitados por naves extraterrestres por mais de 70 anos e que sabíamos disso o tempo todo. Acho que isso nunca vai acontecer.

No entanto, se chegarmos a um ponto em que se torne um fato oficial declarado – universalmente aceito – de que esses objetos não são nossos, russos, chineses ou feitos por qualquer país da Terra, isso seria o desacobertamento de pelo menos alguns OVNIs originários de fora deste planeta. Ao mesmo tempo, suspeito que associada a qualquer admissão nesse sentido, estaria a advertência de que não sabemos o que são, de onde são ou porque estão aqui. Essa clareza não será necessariamente estabelecida a curto prazo.

Tudo acontece em etapas, às vezes pequenas, e leva tempo. Acho que o processo continuará a ser um desacobertamento gradual e isso ajudará a minimizar a desconfiança no governo. Isso dá a todos nós tempo para absorver e explorar – e desafiar – cada passo ao longo do caminho. Estamos mais perto do que nunca de um novo nível de confirmação. No entanto, tenho certeza de que há muita resistência a essa mudança de paradigma.

Space.com: Por último, há uma necessidade de ‘internacionalizar’ esse diálogo UAP/OVNI?

Kean: Com certeza. Fontes me disseram que outros países entraram em contato conosco desde que o relatório OVNI de junho foi lançado. A China estabeleceu sua própria força-tarefa OVNI. A América do Sul está ativa na investigação dos OVNIs. A cooperação internacional entre funcionários do governo e entre cientistas é crucial para avançar. E acredito que os cientistas precisam seguir o exemplo do Avi Loeb da Harvard e se envolver mais, iniciando suas próprias explorações internacionais independentes desse fenômeno. Eles podem ser capazes de nos dizer mais sobre isso do que nosso governo, porque podem tornar seus resultados públicos.

(Fonte)

Colaboração: Marcelino


Se algum dia aquele governo disser que os OVNIs nos dias de hoje são fruto de suas tecnologias ou de outros países, será uma das maiores falácias já ditas. Embora provavelmente estejam trabalhando em engenharia reversa de tais possíveis naves, se já tivessem conseguido o mundo geopolítico seria totalmente diferente hoje.

Lembre-se: a Marinha dos EUA revelou sobre avistamentos de naves que desafiam as forças da gravidade 10 anos atrás; isto é tempo suficiente para que ações políticas forçadas por esta tecnologia já tivessem sido exercidas em conflitos bélicos, etc.

Contudo, nada impede que no futuro eles dominem esta tecnologia. Porém, hoje é altamente dúbio que este seja o caso.

– n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.


PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


*Agora você também pode apoiar o OVNI Hoje através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:



ÁREA DE COMENTÁRIOS

Atenção:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores. Pessoas que insistirem em burlar as regras serão banidas dos comentários.
EnglishFrançaisDeutschItaliano日本語PortuguêsEspañol