web analytics
Tempo de leitura: 5 min.

Pentágono, por que não liberar todos os vídeos de OVNIs?

Tempo de leitura: 5 min.

Por David Bates

Os membros do Congresso dos EUA ficaram ‘pasmos’ com 40 minutos de filmagem da Marinha dos Estados Unidos. Por que não deixar o público ver ‘as coisas boas’, não apenas os pontos e manchas granuladas?

Pentágono, por que não liberar todos os vídeos de OVNIs?
Ilustração: PhotoVision/Pixabay

Depois que o Congresso foi informado sobre a parte confidencial do relatório OVNI do Pentágono em junho, o cientista e influenciador poderoso de DC, Robert McGwier, participou de um painel de discussão num programa de rádio canadense sobre OVNIs e assuntos paranormais, Spaced Out Radio, e disse que ouviu falar de um conhecido que esteve numa sessão a portas fechadas.

A sessão, disse ele, incluiu o Conselho de Segurança Nacional e membros do Congresso – apenas quantos dos últimos, não ficou claro a partir dos comentários fora do ar de McGwier durante um dos intervalos do programa, que são transmitidos ao vivo no YouTube enquanto os ouvintes da rádio ouvem os comerciais. Este público de elite de influenciadores do poder de Washington estava a par de informações que não foram divulgadas publicamente.

McGwier disse:

“Setenta páginas e 14 vídeos. Eles têm que ver as coisas boas.”

Mais tarde no programa, ele acrescentou uma advertência:

“Quero deixar muito, muito claro: não ouvi nenhuma informação classificada.”

Bob “o cara da ciência” McGwier (“Bob the Science Guy” é uma voz respeitada na comunidade ovnilógica.

McGwier, carinhosamente conhecido como “Bob, o cara da ciência”, é um membro acadêmico e ativo da comunidade ufológica.

Um especialista em tecnologia de rádio com Ph.D em matemática aplicada pela Brown University, ele ingressou no Institute for Defense Analyzes Center for Communications Research, uma think tank sem fins lucrativos em Princeton, NJ, em 1986. Quando foi contratado em 2011 para chefiar um centro de pesquisa na Virginia Tech, a escola observou que o trabalho de McGwier com o governo dos Estados Unidos lhe rendeu a “maior honra” da comunidade de inteligência em 2002. Seu trabalho na Virginia Tech, de acordo com a escola, era “desenvolver relacionamentos de pesquisa estratégica dentro do Indústria e governo, trabalhando no setor de segurança nacional.”

Dito de outra forma, ele tem conexões em Washington D.C.

McGwier continuou:

“Conheço várias pessoas que estiveram na reunião do Conselho de Segurança Nacional. O melhor comentário que ouvi foi: ‘O que tivemos foram 40 minutos de filmes de ficção científica. Estávamos todos boquiabertos’.”

Ou seja, 40 minutos de vídeo de OVNIs fazendo suas coisas sobre o oceano, correndo em círculos ao redor de porta-aviões e pilotos de caça da Marinha dos Estados Unidos, o que quer que eles façam lá. Não ficção, mas realidade real.

Imagine um vídeo, então, que lhe dá a sensação palpável da merda se tornando irritantemente real, do mundo mudando sob seus pés. É o que o filósofo e físico americano Thomas Kuhn chamou em seu livro de 1962 “The Structure of Scientific Revolutions” de uma “mudança de paradigma” ou o que o professor de filosofia e estudos religiosos Jeffrey Kripal chama de “a virada“. Fora com o velho, e para dentro com o novo.

Não se engane: os vídeos que já vimos, adquiridos e publicados pelo New York Times (e aqueles que vazaram e subsequentemente vazaram pelo ovniólogo e cineasta Jeremy Corbell) são documentos extraordinários que mudam o jogo. Eles são, a esta altura, provavelmente os vídeos “autênticos” de OVNIs mais famosos já vistos pelo público. Livros futuros sobre o assunto provavelmente apresentarão imagens desses vídeos da mesma forma que os livros de OVNIs publicados durante os anos 1970 e 1980 incluíam as famosas fotos de Trent de McMinnville.

O problema é que eles não são suficientes.

É hora de “largar a folha de figueira”

O Pentágono, a Marinha dos EUA, quem quer que seja o encarregado de decidir o que o público pode ou não ver, precisa fazer melhor. Se os 40 minutos de “ficção científica” são metade da descrição, isso poderia muito bem ser suficiente para fazer Neil deGrasse Tyson perceber que a Teoria ET (mesmo que esses vídeos não ‘provem’ isso) pertence ao topo da lista de possibilidades.

É hora – não, já passou muito da hora – para o governo dos EUA largar a folha de figo da besteira de “segurança nacional”.

É assim que pessoas como Luis Elizondo e Christopher Mellon explicam: um porta-aviões ou caça a jato são, além de suas funções militares óbvias e imediatas, máquinas de coleta de dados. Essa é a parte da “defesa” da defesa nacional. Nas entranhas de um USS Nimitz ou USS Princeton, profissionais altamente treinados monitoram todos os tipos de equipamentos de detecção e rastreamento 24 horas por dia. Alguns nós conhecemos. Claro que eles têm radar.

Mas eles também têm brinquedos que você e eu não conhecemos, ferramentas de alta tecnologia que fornecem informações que os Estados Unidos podem usar para se defender contra forças hostis. É para isso que serve a P&D (Pesquisa e Desenvolvimento), para dar às forças armadas uma vantagem tecnológica sobre outras nações.

Portanto, o argumento é o seguinte: “Não podemos compartilhar essas informações com você – e, na verdade, não podemos nem dizer se temos essas informações – porque se tivéssemos, estaríamos revelando nossos segredos.” Isso permitiria que a China ou a Rússia espiassem por trás da cortina. Não queremos que eles saibam que descobrimos como rastrear o ‘x’ da Rússia ou detectar o ‘y’ da China.

E isso é compreensível. Não é preciso ser um falcão militar para pelo menos simpatizar com o argumento.

Mas aqui está o problema … e isso pode ser uma surpresa para alguns, mas me escute, porque vou puxar a cortina. Espero não ser levado por homens de preto e você nunca mais ouvir falar de mim. Está preparado(a)?

A China e a Rússia sabem que temos câmeras de vídeo.

Sério, eles sabem. O mesmo acontece com os piratas marítimos (sim, ainda existem piratas) e os traficantes de drogas. Todos eles sabem. Eles também têm capacidade de vídeo. Todo mundo tem. Literalmente – graças aos telefones onipresentes ao redor do mundo que combinam efetivamente dois dos três itens essenciais transportados por cada grupo de desembarque da série Star Trek: um tricorder e um comunicador (mas não o phaser) – TODOS.

Você tem uma câmera. Todo mundo tem uma câmera.

O que não temos, no entanto, é o vídeo “espantoso” que alguns membros selecionados do Congresso aparentemente conseguiram assistir a portas fechadas. Nós sabemos que ele existe. Em um podcast, Elizondo menciona a existência de um vídeo de um OVNI muito perto da câmera. Você pode imaginar?

Por enquanto, você basicamente precisa.

Dada sua lealdade inegociável ao seu Acordo de Não Divulgação, pode-se ter certeza de que se Elizondo disse ao mundo que o Pentágono tem vídeo dessa qualidade, o conhecimento de que temos tal vídeo não é, por si só, uma questão de segurança nacional. É literalmente uma parte do bem comum neste ponto.

Exceto, é claro, o próprio vídeo.

Mas e se … ?

Há um outro argumento que se pode esperar, que é este: Suponhamos que os OVNIs ‘Tic Tacs’ e os triângulos sejam nossos? Então, não queremos que a Rússia e a China saibam que os Tic Tacs fazem parte do kit de ferramentas das forças armadas americanas. Além disso: se eles foram realmente feitos e operados por russos ou chineses, não queremos que eles saibam que sabemos que eles os possuem.

Outra notícia: se eles são russos ou chineses, eles já sabem que sabemos que eles os têm. Eles sabiam há dez anos. E se não então, certamente, o artigo do New York Times derramou o feijão em 2017 e a charada terminou há quatro anos.

E se eles são nossos, eles provavelmente saberiam disso também.

Então, vamos parar com essa asneira. Seriamente.

De todas as possibilidades que foram descartadas, as autoridades têm sido as mais inflexíveis de que as OVNIs que foram objeto de dez anos de estudo não foram feitos ou operadas pelos Estados Unidos. Ouvindo aqueles que estão por dentro, ninguém deles acredita seriamente que esse cenário esteja sobre a mesa.

Quanto à possibilidade de que sejam adversários estrangeiros, o senador Mitt Romney disse isso da maneira mais clara possível em uma entrevista na manhã de domingo na CNN com Jake Tapper no início deste verão.

Ele disse:

“Não acredito que venham de adversários estrangeiros, se viessem, porque isso sugeriria que eles têm uma tecnologia que está em uma esfera totalmente diferente de qualquer coisa que entendemos. E, francamente, China e Rússia simplesmente não estão lá. E nem nós, a propósito, então não estou preocupado com isso do ponto de vista da segurança nacional.”

Aqui você tem um respeitado senador dos Estados Unidos e ex-candidato à presidência dos EUA dizendo a um público global, basicamente, que os OVNIs que a Marinha está rastreando – aqueles que, após dez anos de estudos eles ainda não conseguem identificar – não foram feitos por mãos humanas. Sem realmente dizer isso, é claro.

Ele não está dizendo que são alienígenas. Mas ele basicamente disse que eles são alienígenas, um cenário que ele (puramente hipoteticamente, é claro) “francamente acharia difícil de acreditar”.

É hora do Pentágono nos dar uma noite de cinema para sempre. Liberte os vídeos. As coisas boas. Pagamos por eles, sabemos que você os tem e todos sabem (basicamente) que tipo de equipamento você usou para obtê-los. Eles não pertencem a você, pertencem a todos nós. Nós pagamos por isso. Então, vamos todos ver, juntos, para que essa conversa siga em frente.

Se preparem.

(Fonte)



P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.


PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

*Agora você também pode apoiar o OVNI Hoje através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:



EnglishFrançaisDeutschItaliano日本語PortuguêsEspañol