web analytics
Tempo de leitura: 3 min.

Seria o elemento 115 o segredo por trás da propulsão alienígena?

Tempo de leitura: 3 min.

O elemento 115 é uma espécie de enigma. Ele só foi adicionado à tabela periódica em 2016, mas por décadas atraiu atenção extra por causa de uma suposta conexão com tecnologia extraterrestre e formas de vida alienígenas.

Seria o elemento 115 o segredo por trás da propulsão alienígena?

Os militares dos EUA negaram por muito tempo que qualquer coisa diferente de um balão meteorológico caiu perto de Roswell em 1947. Em 2011, porém, o FBI revelou um memorando endereçado a J. Edgar Hoover: o descarte de três ‘discos voadores’, relata o History Channel.

Alguns dizem que Roswell é apenas a ponta do iceberg e que globalmente mais OVNIs pousaram na Terra. Os destroços podem estar escondidos em bases militares secretas como a Área 51 em Nevada, Kapustin Yar na Rússia, Pine Gap na Austrália, Rudloe Manor na Inglaterra e até mesmo em áreas remotas da China.

Em 2013, cientistas da Universidade de Lund, na Suécia, confirmaram a existência de um novo elemento. Os pesquisadores suecos conduziram experimentos que lhes permitiram detectar a ‘impressão digital’ do novo elemento muito pesado.

Metal Especial

No final de 2015, cientistas da Universidade da Califórnia desenvolveram um tipo especial de metal que é extremamente forte e ao mesmo tempo extremamente leve. Além disso, o metal é muito flexível e resistente ao calor extremo.

Segundo alguns, este metal é muito semelhante ao metal da queda de Roswell que teria sido recolhido pelo Major Jesse Marcel.

O cientista nuclear canadense, Stanton Friedman, disse:

“A maioria dos objetos era extremamente leve. Era um material muito fino e forte que não pesava quase nada.”

O ex-ministro da Defesa canadense Paul Hellyer explicou:

“O governo dos EUA está mentindo sobre Roswell há sete décadas. Os Estados Unidos ainda fingem que não os interessa e nada sabem a respeito. Nada é menos verdadeiro. ”

Jacklyn Gates, uma cientista do Grupo de Elementos Pesados ​​na Divisão de Ciência Nuclear do Laboratório de Berkeley, na Califórnia, informou por e-mail:

“O elemento 115, ou moscovium, é um elemento superpesado feito pelo homem que tem 115 prótons em seu núcleo (como acontece com todos os elementos da tabela periódica, o número do elemento corresponde ao número de prótons no núcleo do átomo do elemento.) Isso é 23 prótons a mais do que o elemento mais pesado que você pode encontrar em grandes quantidades na Terra, o urânio.”

Gates diz que o elemento 115 é um elemento extremamente raro que é feito um átomo de cada vez em aceleradores de partículas. Ele existe por apenas uma fração de segundo antes de se transformar em outro elemento.

Espaçonaves alienígenas

O novo elemento é chamado de ununpentium, mas esse nome – que se refere à 115ª posição na tabela periódica – é apenas temporário.

Embora os cientistas ainda saibam pouco sobre esse elemento, ele parece estar relacionado ao plutônio, que é usado como combustível experimental para foguetes.

Estamos nos referindo à longa história de Robert (‘Bob’) Scott Lazar, que em 1989 veio a público com o que ele disse ser uma informação ultrassecreta sobre o elemento 115.

Bob Lazar, diz ter trabalhado em engenharia reversa de naves alienígenas.

Lazar alegou ser um ex-funcionário da Área 51, a famosa (e altamente classificada) área do Campo de Teste e Treinamento de Nevada operado pela Força Aérea dos Estados Unidos, onde seu trabalho era fazer engenharia reversa de discos voadores alienígenas acidentados. Ele disse que trabalhou pessoalmente com o elemento 115, que foi usado para impulsionar espaçonaves alienígenas.

Lazar disse:

“É impossível sintetizar um elemento tão pesado aqui na Terra. … A substância tem que vir de um lugar onde elementos superpesados ​​poderiam ter sido produzidos naturalmente.”

Lazar disse que viu evidências de tecnologias de propulsão antigravidade e nove espaçonaves alienígenas armazenadas em um hangar na Área 51. Essas espaçonaves ostensivamente usavam algum tipo de sistema de propulsão que aproveitava o poder inerente da gravidade e, portanto, utilizava as características de Elemento 115 para trabalhar sua magia tecnológica.

O governo não confirma o emprego de ninguém que trabalhou na Área 51. E, como algumas fontes apontaram, a essência as alegações de Lazar nunca foi totalmente refutada.

Conclusão

Os documentos do governo são sinais de que eles sabem mais e estão muito interessados. Eles estão falando sobre propulsão e metal altamente avançados.

Jacklyn Gates disse:

“É especial porque está perto de uma ‘ilha de estabilidade’ prevista, onde alguns núcleos superpesados ​​podem ter vidas muito mais longas. Em vez de viver por menos de um segundo, eles poderiam existir por minutos, dias ou até anos! Isso é tempo suficiente para que possamos usá-los para aplicações práticas.”

(Fonte)


Da forma que avançamos tecnologicamente, o futuro próximo nos dirá se este elemento poderá ser produzido para ter uma vida prolongada e se poderá ser usado como “combustível” para naves. …Isto é, se já não foi produzido desta forma por aqui e “os donos do mundo” estão ocultando isto de nós.

– n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.


PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


*Agora você também pode apoiar o OVNI Hoje através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:



ÁREA DE COMENTÁRIOS

Atenção:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores. Pessoas que insistirem em burlar as regras serão banidas dos comentários.
EnglishFrançaisDeutschItaliano日本語PortuguêsEspañol