web analytics
Tempo de leitura: 3 min.

Guerra nuclear na antiguidade: teoria e evidências

Tempo de leitura: 3 min.
“O que foi, isso é o que há de ser; e o que se fez, isso se tornará a fazer; de modo que nada há novo debaixo do Sol.” - Eclesiastes 1: 9

Isso vale para muitos aspectos da vida. Mas até onde esse dizer pode ser levado?

Guerra nuclear na antiguidade: teoria e evidências
Teria a humanidade utilizado armamentos nucleares no passado distânte?

Como todos sabemos, a primeira bomba nuclear foi detonada em 16 de julho de 1945 no White Sands Proving Ground em Los Alamos, Novo México. Mas foi essa realmente a primeira vez que a Terra testemunhou uma explosão nuclear? De acordo com o Mahabharata, um épico sânscrito da Índia antiga, a guerra nuclear já ocorreu há cerca de 4.000 anos.

O texto de 1,8 milhão de palavras conta a história de um conflito devastador que culminou com a destruição total típica no caso de uma explosão atômica.

Os manuscritos dizem que usando máquinas voadoras chamadas Vimanas, os humanos lançaram “um único projétil carregado com todo o poder do universo“. Soa familiar? Eles continuaram o relato dizendo que esse projétil causou uma coluna incandescente de fumaça e fogo “tão brilhante quanto dez mil sóis”.

A Terra tremeu e flechas de chamas choveram continuamente. O calor abrasador causou a morte de animais e humanos. As águas ferveram, matando todas as formas de vida aquática. Logo depois, cabelos e unhas começaram a cair, a comida foi envenenada e a cerâmica rachou sem motivo.

Os pássaros perderam o senso de direção e circularam indefinidamente, tornaram-se brancos e caíram mortos. Agora sabemos que os pássaros usam as linhas magnéticas da Terra para direção e perder seu senso de direção seria provável no caso de uma grande anomalia magnética.

O Mahabharata é considerado principalmente mítico, mas alguém poderia se perguntar como as pessoas poderiam descrever as particularidades de uma explosão nuclear sem testemunhá-la em primeira mão. E o antigo épico indiano não é a única escritura que alude a um desastre desse tipo.

Na Bíblia, temos a história de José, registrada no livro de Gênesis. Depois de ser vendido como escravo no Egito, ele conseguiu obter grande favor do faraó interpretando seu sonho e alertando-o sobre a fome iminente. O que poderia ter causado uma fome de sete anos em todo o mundo naquela época?

Alguns dizem que esse cenário é compatível com o inverno nuclear após a detonação de uma bomba nuclear suficientemente poderosa. Outro aspecto interessante é que a média de vida das gerações anteriores a José era de cerca de 200 anos, mas as que o seguiram não ultrapassam 130 anos.

De acordo com a Bíblia, esse evento ocorreu cerca de 2.000 anos antes do nascimento de Cristo. Alguns argumentariam que a Bíblia não pode ser considerada uma fonte histórica legítima, mas às vezes conectar os pontos leva a resultados interessantes.

E então temos a lenda da Atlântida. Os atlantes eram uma civilização tecnologicamente avançada. Eles também possuíam máquinas voadoras chamadas vailxi e também possuíam temíveis armas de destruição em massa. Esta é em grande parte uma obra de ficção propagada por Platão, mas a lenda da Atlântida menciona um continente inteiro afundando no fundo do oceano de forma cataclísmica.

Robert Oppenheimer teve um papel de liderança no Projeto Manhattan – o programa que criou a bomba atômica. Quando um repórter perguntou a ele qual é a sensação de ser o pai da bomba atômica, ele respondeu com outra pergunta: “Você quer dizer nos tempos modernos?

Testemunhando a detonação em primeira mão, ele citou a famosa Bhagvad Gita, uma parte do Mahabharata, dizendo:

“Agora eu me tornei a Morte, o destruidor de mundos.”

Este assunto é obstinadamente evitado pela comunidade científica, mas há evidências que apóiam eventos como este no nosso passado. Essa evidência normalmente vem na forma de fragmentos de vidro fundido encontrados em muitos desertos em todo o mundo.

Essas peças de vidro se parecem muito com as encontradas no campo de provas atômicas de Alamogordo. O vidro do deserto se forma quando temperaturas acima de 1.800 graus Celsius fazem com que os grãos de areia derretam e se fundam.

Eles foram descritos pela primeira vez por Patrick Clayton, que os encontrou enquanto pesquisava o Saara em 1932. Clayton descobriu enormes pedaços de vidro verde-amarelado na areia e os apresentou a outros geólogos. Uma possível explicação veio quase 50 anos depois, quando um dos engenheiros que ajudou a criar a bomba atômica estava revisitando o local de testes no Novo México. Ele notou fragmentos de vidro semelhantes aos que vira no deserto, embora muito menores.

Tendo a mente aberta, ele fez uma conexão. Por ser engenheiro, ele fez as contas e ficou surpreso com os resultados.

Para produzir vidro do deserto do tamanho das peças encontradas por Clayton, a explosão deve ter sido 10.000 mais poderosa do que a do Novo México.

Uma explicação muito plausível foi proposta: o vidro se formou devido aos impactos de um asteroide/cometa/meteoro gigante. Esses impactos certamente se encaixariam no perfil, pois eles facilmente produzem a tremenda quantidade de calor necessária para fundir o silício.

Mas um impacto tão grande também deixaria para trás uma cratera notavelmente grande e nenhuma dessas crateras foi encontrada no deserto.

O vidro foi encontrado no Saara, no Mojave e no Deserto da Líbia, mas nem o sonar nem as imagens de satélite puderam encontrar crateras acompanhantes.

Além disso, o vidro da Líbia tinha uma pureza e clareza muito altas (mais de 99 por cento). No caso de impacto de meteoro, o silício é fundido com o ferro do próprio meteoro, bem como outros adulterantes.

Quando juntamos todas as pistas, a imagem fica mais clara e temos que nos perguntar: é realmente impossível que civilizações antigas tenham atingido um nível tecnológico semelhante a outras?

Nós realmente exploramos todas as possibilidades? Afinal, as representações de armas terríveis capazes de obliterar cidades inteiras são encontradas nas lendas de muitas culturas, separadas pelo espaço e pelo tempo. Essas representações eram nada mais do que o trabalho da imaginação humana imaginando a arma superlativa? E quanto à evidência física então? Onde isso se encaixa?

(Fonte)


Eu não duvidaria, pois há muitos indícios de que a nossa história deve ser reescrita, embora a academia resista ferozmente a qualquer descoberta que contradiga seus “dogmas”.

n3m3

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é produtos-OVNI-Hoje-1.jpg
O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é Loja-Nerd.jpg

Leitores OVNI Hoje ganham 10% de desconto em todos os produtos da Loja Nerd, inclusive nos produtos OVNI Hoje. (Use o cupom OVH10)


*Agora você também pode apoiar o OVNI Hoje através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:



ÁREA DE COMENTÁRIOS

Atenção:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores. Pessoas que insistirem em burlar as regras serão banidas dos comentários.

Plugin Kapsule Corp