web analytics
Tempo de leitura: 3 min.

Como a humanidade pode conquistar o respeito pelos extraterrestres

Tempo de leitura: 3 min.

Como indica o título do artigo abaixo do astrônomo da Harvard, Avi Loeb, ele tenta mostrar como a humanidade poderia conquistar o respeito dos extraterrestres e até mesmo fazer parte da “comunidade galáctica”.

Como a humanidade pode conquistar o respeito pelos extraterrestres
Crédito da imagem: depositphotos

Em um fórum Q&A recente sobre meu livro Extraterrestrial, confessei que procuro por sinais de civilizações inteligentes no céu, já que não consigo encontrar nenhum na Terra. Um membro da audiência riu e perguntou: “Como você define uma civilização inteligente?”

No meu livro, uma cultura inteligente é caracterizada pelas marcas registradas da ciência, a saber: promover um futuro próspero por meio da cooperação e compartilhamento de conhecimento baseado em evidências. Notícias diárias indicam que os humanos não seguem esses princípios com muita frequência. Temos a tendência de brigar uns com os outros, favorecer o preconceito em vez de evidências e buscar maneiras de nos sentirmos superiores em relação às outras pessoas. A última tendência é a fonte de todo o mal ao longo da história humana, pois resulta em fenômenos como elitismo, supremacia, nacionalismo, racismo, anti-semitismo, genocídio e guerras.

E falando sobre os danos causados ​​pelas guerras: em 1939, Winston Churchill escreveu um ensaio sobre as empolgantes perspectivas da busca por vida alienígena – mas não teve tempo de publicá-lo porque foi convidado para servir como primeiro-ministro do Reino Unido em sua luta contra o regime nazista. Impulsionada pelo racismo e anti-semitismo de Hitler, a Segunda Guerra Mundial custou quatro trilhões de dólares apenas para os EUA e 75 milhões de vidas humanas – cerca de 3 por cento da população mundial na época. A perda humana incluiu um genocídio de seis milhões de judeus – cerca de dois terços da população judaica da Europa. A família do meu avô residiu por sete séculos na Alemanha antes da guerra, e tudo o que resta agora é uma rua com o seu nome – a Albert-Loeb-Weg em sua cidade natal.

Se os recursos e vidas perdidos fossem dedicados à visão original de Churchill em vez de serem desperdiçados injustamente, poderíamos saber agora se há crianças mais inteligentes em nosso bloco cósmico. Esta história alternativa teria sinalizado inteligência em nosso fim e poderia ter cimentado o legado de Churchill como um líder de pensamento, em vez de um líder político. Mas, em vez disso, uma espécie alienígena nos observando durante a Segunda Guerra Mundial teria concluído que temos um longo caminho a percorrer antes de ganhar o respeito à escala galáctica como uma espécie inteligente.

O oposto da guerra é a cooperação, melhor exemplificada pela cultura científica. Ao embarcar em uma viagem para qualquer lugar ao redor do mundo como cientista praticante, tenho o privilégio de conhecer vários outros cientistas com interesses comuns. Compartilhar conhecimento torna a ciência um jogo de soma infinita, do qual todos se beneficiam por meio da cooperação. Se os registros médicos na China fossem compartilhados mais abertamente durante os primeiros dias da pandemia COVID-19, as vacinas poderiam ter sido desenvolvidas antes, salvando mais vidas humanas. A ciência oferece uma solução global para nossos problemas globais por meio da cooperação em um planeta que todos nós compartilhamos.

A aplicação do conhecimento científico ao uso prático, como no caso das vacinas COVID-19, muitas vezes decorre de muitos anos de pesquisas no céu azul, que visam apenas obter uma melhor compreensão dos princípios fundamentais. Outro ensaio importante escrito em 1939 foi por Abraham Flexner, o diretor fundador do Instituto de Estudos Avançados de Princeton, que ajudou a trazer para os Estados Unidos muitos cientistas judeus da Europa que teriam sofrido perseguição pelo crescente governo nazista – incluindo o próprio primeiro professor, Albert Einstein. Como resultado de sua virada para o fascismo, a Alemanha perdeu sua liderança mundial na ciência.

O ensaio de Flexner, “The Usefulness of Useless Knowledge“, descreve como a pesquisa orientada pela curiosidade, sem preocupação com os aplicativos, leva a alguns dos avanços tecnológicos mais revolucionários. O intervalo de tempo entre as descobertas científicas e seu uso prático pode ser longo. Quando Einstein desenvolveu a teoria geral da relatividade em 1915, ele pensou principalmente em sua aplicação ao sistema solar (precessão de Mercúrio e deflexão da luz das estrelas pelo Sol) e ao cosmos, mas nunca imaginou seu papel crucial em permitir a precisão necessária para sistemas de posicionamento um século depois. Da mesma forma, os descobridores da mecânica quântica não imaginaram suas inúmeras aplicações em dispositivos eletrônicos e computadores.

A ciência é a tocha que continuará iluminando nosso caminho à medida que avançamos na escuridão. Podemos ter um vislumbre de nosso futuro encontrando assinaturas tecnológicas de civilizações extraterrestres que tiveram mais tempo para desenvolver sua ciência simplesmente porque suas estrelas hospedeiras se formaram antes do Sol. Esta busca por assinaturas biológicas de vida microbiana e assinaturas tecnológicas de vida inteligente é cuidadosamente revisada em um novo livro que escrevi em colaboração com meu ex-pós-doutorado, Manasvi Lingam, Life In the Cosmos, a ser publicado pela Harvard University Press em 29 de junho. Se Churchill estivesse vivo, eu teria enviado a ele uma cópia deste livro com uma inscrição dedicada – em gratidão por sua visão de 1939.

Esperamos por um futuro melhor para a humanidade, guiado pela ciência e não pelo conflito. O conhecimento científico de que existem inteligências extraterrestres distantes pode parecer inútil à primeira vista, mas poderia ter o principal benefício prático de motivar nossa civilização a agir em conjunto e evitar guerras, como previsto no discurso do então presidente Ronald Reagan em 1987 nas Nações Unidas. Se seguirmos os princípios científicos de cooperação na busca de conhecimento baseado em evidências, demonstraremos às civilizações alienígenas que existe uma espécie inteligente na Terra digna de sua atenção. Talvez então fique claro porque eles nos ignoraram por tanto tempo. O paradoxo de Fermi será resolvido por um reconhecimento da parte deles de que nossas ações são finalmente inteligentes. Um comportamento mais sábio do nosso lado pode nos render um lugar de honra no clube das civilizações galácticas inteligentes pela primeira vez na história humana.

(Fonte)


Gosto muito do posicionamento de Avi Loeb como cientista, mas meu lado pessimista me diz, após fazer uma fria análise do que continua ocorrendo no mundo, que estamos muito longe de agirmos decentemente para com nosso próximo. Provavelmente a “comunidade galáctica” terá que esperar muito mais ainda.

n3m3

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é produtos-OVNI-Hoje-1.jpg
O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é Loja-Nerd.jpg

Leitores OVNI Hoje ganham 10% de desconto em todos os produtos da Loja Nerd, inclusive nos produtos OVNI Hoje. (Use o cupom OVH10)


*Agora você também pode apoiar o OVNI Hoje através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:



ÁREA DE COMENTÁRIOS

Atenção:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores. Pessoas que insistirem em burlar as regras serão banidas dos comentários.

Plugin Kapsule Corp