web analytics
Tempo de leitura: 3 min.

Um insulto à nossa inteligência pelo Diretor de Inteligência Nacional dos EUA

Tempo de leitura: 3 min.

O capitão reformado da Força Aérea dos EUA (USAF), Robert Salas, publicou em seu perfil no Facebook um interessante parecer a respeito do relatório sobre OVNIs publicado pelo Gabinete do Diretor de Segurança Nacional dos EUA (de sigla em inglês, ODNI) em 25 de junho passado. (Onde se lê UAP/UAPs, leia-se OVNI/OVNIs):

Um insulto à nossa inteligência pelo Diretor de Inteligência Nacional dos EUA
Robert Salas, capitão reformado da Força Aérea dos EUA.

Avaliação Preliminar ODNI: UAP

Este relatório demonstra que existem várias camadas sobre camadas de sigilo. A evidência histórica disponível é esmagadora. Por que foi avaliado apenas o período 2004-2020? Isso é altamente enganoso, uma vez que deveria olhar para a segurança de voo em potencial e questões de segurança nacional. Ele culpa a falta de relatórios padronizados, mas falha em reconhecer os procedimentos padronizados para o relato de incidentes de OVNIs que foram estabelecidos pela Força Aérea em 1959 no regulamento AFR 202-2, há mais de sessenta anos!

Com relação a objetos voadores que emergem ou entram no oceano, a Força-Tarefa avaliou o incidente de Shag Harbour em 1967, na Nova Escócia investigado pelo Canadá ou o incidente de 1978 no Mar Adriático pela Marinha italiana? Existem muitas semelhanças com as observadas pelos pilotos da Marinha dos Estados Unidos entre 2004 e 2021.

A questão de se adversários estrangeiros poderiam ou não ter estabelecido esta tecnologia foi ou deveria ter sido abordada décadas atrás, uma vez que as características de voo altamente avançadas foram observadas durante a Segunda Guerra Mundial e continuam a ser observadas até os dias de hoje! Um cabeçalho deste ‘relatório’ afirma “Um punhado de UAPs parece demonstrar tecnologia avançada”. Esta é uma declaração altamente enganosa e simplesmente não é verdade. Os pilotos têm relatado terem visto objetos voadores não identificados com tecnologia avançada desde 1940!

A ameaça à segurança da aviação foi bem estabelecida a partir de vários incidentes, incluindo Chicago, o aeroporto O’Hare, o aeroporto de Pequim e muitos outros. Este relatório está simplesmente incorreto quando afirma: “O FAA captura dados relacionados aos UAPs durante o curso normal de gerenciamento de operações de tráfego aéreo. A FAA geralmente ingere esses dados quando os pilotos e outros usuários do espaço aéreo relatam eventos incomuns ou inesperados à Organização de Tráfego Aéreo da FAA.”

Em fevereiro de 2010, a FAA emitiu a Ordem de Política JO 7110.65T, que afirma: “Pessoas que desejam relatar atividade de OVNIs/fenômenos inexplicados devem entrar em contato com um centro de coleta de dados de relatos de OVNIs/fenômenos inexplicáveis, como Bigelow Aerospace Advanced Space Studies … Se houver preocupação expressa que vida ou propriedade podem estar em perigo, relate a atividade ao departamento de aplicação da lei local.”

A declaração no relatório, “… a coleta de dados da USAF tem sido limitada historicamente…” também não é verdade, uma vez que há anos de dados e arquivos de investigações de OVNIs da USAF dos projetos SIGN, GRUDGE e BLUEBOOK abrangendo 1947-1969 e além. Alguns bons pesquisadores podem revisar alguns desses arquivos, agora mantidos pelos Arquivos Nacionais e não demorariam muito para descobrir muitos exemplos de tecnologia altamente avançada, etc. Eles também podem pesquisar o Escritório de Investigações Especiais da Força Aérea (AFOSI) e arquivos classificados da CIA relacionados aos UAPs. O pessoal do USG já está disponível para coletar e analisar os registros e arquivos existentes. Cabe simplesmente ao Congresso direcionar as agências para executarem essas tarefas, incluindo a desclassificação desses arquivos.

Em 1952, a onda de ‘Discos Voadores’ que ocorreu em Washington D.C. de 20 a 29 de julho. Lembro-me de ter lido sobre isso no jornal porque teve muita cobertura jornalística. “… Na manhã do dia 20 de julho, havia pelo menos 10 objetos não identificáveis ​​movendo-se sobre Washington. Eles não eram aeronaves comuns”(Harry Barnes, controlador sênior de radar, Washington Center).

Em 29 de julho, o General John Samford, Diretor de Inteligência da USAF e o General Roger Ramey, Diretor de Operações da USAF (o mesmo que disse que a queda do disco Roswell foi apenas um balão meteorológico) deram uma entrevista coletiva. Primeiro, eles listaram todas as coisas comuns que explicariam os avistamentos. Isso inclui: fenômeno eletrônico, fenômeno meteorológico e aberrações de luz. “No entanto, permaneceu uma porcentagem desse total … que veio de observadores confiáveis ​​de coisas relativamente incríveis”, disse Ramey. No dia seguinte, a primeira página do NY Times dizia: “Força Aérea Desmascara ‘Discos’ como apenas ‘Fenômeno Natural'”. Mesmo que os avistamentos continuassem em agosto, a mídia passou para outras histórias. (As informações/citações acima de “Shoot Them Down“, de Frank Feschino, Jr.)


De volta ao futuro, sessenta e nove anos depois, o Diretor de Inteligência Nacional dos Estados Unidos relata: “Em um número limitado de incidentes, o UAP supostamente parecia exibir características de voo incomuns. Essas observações podem ser o resultado de erros do sensor, falsificação ou percepção equivocada do observador … Nossa análise dos dados apóia a construção de que se e quando incidentes UAP individuais forem resolvidos, eles cairão em uma das cinco categorias explicativas potenciais: desordem aerotransportada, fenômenos atmosféricos naturais , USG ou programas de desenvolvimento da indústria dos EUA, sistemas de adversários estrangeiros e uma ‘outra’ caixa geral.”

Esta desculpa patética para uma avaliação dos UAPs é simplesmente um eco reverberante de 70 anos de declarações USG que foram repetidas indefinidamente. Isso não é mais aceitável. O público não está mais disposto a aceitar tal desprezo irreverente pela verdade sobre este assunto de tamanha importância em todo o mundo.

– Robert Salas

(Fonte)

Colaboração: Marcelino


Precisa dizer mais?

Robert Salas tem um histórico sólido como controlador de armas e oficial de lançamento de mísseis balísticos intercontinentais.  Ele relatou sobre um incidente de 1967, na Base da Força Aérea de Malmstrom, no estado de Montana, quando alarmes foram disparados, indicando uma intrusão na área de mísseis, seguidos pela desativação de mísseis durante a presença de um OVNI sobre a base. O detalhe é que os mísseis não foram desativados pelos militares, mas sim de forma misteriosa.

Conheça mais sobre Robert Salas na entrevista do artigo abaixo:

n3m3

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é produtos-OVNI-Hoje-1.jpg
O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é Loja-Nerd.jpg

Leitores OVNI Hoje ganham 10% de desconto em todos os produtos da Loja Nerd, inclusive nos produtos OVNI Hoje. (Use o cupom OVH10)


*Agora você também pode apoiar o OVNI Hoje através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:



ÁREA DE COMENTÁRIOS

Atenção:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores. Pessoas que insistirem em burlar as regras serão banidas dos comentários.

Plugin Kapsule Corp