web analytics
Tempo de leitura: 4 min.

“Estamos sozinhos no universo?” é a pergunta errada

Tempo de leitura: 4 min.

Embora grande parte dos cientistas relutem em aceitar que há vida inteligente fora da Terra (porque ela ainda não deu um “tapa” na cara deles), alguns poucos corajoso(a)s não só aceitam, como também falam abertamente sobre esta possibilidade. E este é o caso de Evgenya Shkolnik, da Universidade do Arizona:

"Estamos sozinhos no universo?" é a pergunta errada
Crédito da imagem: depositphotos

Por Evgenya Shkolnik

Temos nos perguntado “Estamos sozinhos?” por milênios. O filósofo grego Anaximandro (por volta de entre 610 e 546 a.C.) é creditado por iniciar a discussão sobre a “pluralidade cósmica” – a ideia de que múltiplos ou mesmo um número infinito de planetas existe com vida extraterrestre.

Essa questão filosófica que virou científica ainda está na moda, mas é hora de parar de perguntá-la. A resposta sempre esteve na frente dos nossos olhos. Não. Não estamos sozinhos. Claro, como cientista, não posso dizer isso com 100 por cento de certeza, mas a experiência sugere que esta é a realidade.

Como acontece com toda descoberta astronômica, uma vez que encontramos um novo objeto ou fenômeno, com certeza encontraremos mais. Nós descobrimos um ponto de dados na busca pela vida no universo: a Terra. O desafio após uma primeira detecção é descobrir como encontrar com mais eficiência.

Alguns fenômenos são mais ou menos comuns, mas nunca há apenas um – uma única instância isolada no cosmos. Depois que a primeira supernova foi registrada no ano de 1054, várias outras foram observadas nas centenas de anos seguintes.

Então, mais recentemente, veio uma enxurrada de descobertas à medida que buscas telescópicas dedicadas foram projetadas para encontrá-las. Agora usamos supernovas para medir a aceleração do universo e estudar como os elementos criados pelas estrelas são dispersos por todo o universo.

Foi uma grande notícia quando o primeiro exoplaneta foi confirmado orbitando uma estrela semelhante ao Sol. O primeiro punhado foi descoberto em meados da década de 1990. Agora, apenas 20 anos depois, a contagem está na casa dos milhares.

Graças aos resultados espetaculares (e estatísticos) do Telescópio Espacial Kepler da NASA, agora sabemos que quase todas as estrelas provavelmente hospedam pelo menos um planeta. De repente, são planetas em todos os lugares.

Agora também estamos descobrindo planetas na “zona habitável”, em que água líquida pode existir na superfície. Descobrimos o primeiro em 2012.

Três anos depois, chegamos a 30 desses planetas, e o resultado provável dessa explosão de descoberta será a confirmação de milhares.

As estatísticas já nos dizem que cerca de 20 bilhões de planetas podem ter o potencial de hospedar vida apenas na nossa galáxia, a Via Láctea, que é apenas uma entre 100 bilhões de galáxias em nosso universo.

Nos últimos 30 anos, o Instituto SETI tem liderado o esforço pela busca por vida inteligente em outras partes do universo, e continua a aprimorar seus telescópios e técnicas experimentais.

O que pode ser mais promissor é a busca por biomarcadores: gases na atmosfera do planeta que são indícios de vida passada ou presente na superfície do planeta.

Isso agora é possível com a descoberta de exoplanetas em trânsito – aqueles que eclipsam sua estrela periodicamente, cujas atmosferas podem ser sondadas quando retroiluminadas pela estrela.

Os astrônomos já estão tentando fazer isso, e seremos muito auxiliados pelos novos recursos do Telescópio Espacial James Webb. Podemos ter evidências conclusivas de alguma forma de vida em outro lugar do universo quando carros de direção autônoma serão a norma.

É verdade que nossa busca é totalmente guiada por nossa compreensão de nós mesmos neste planeta, estreitando nossa capacidade de identificar vida em outro lugar. Mas a quase certeza da vida fora da Terra deve nos ajudar na transição de “Estamos sozinhos?” para “E agora?”

Se pudermos ir além da pergunta e aceitar que a resposta provável é “Não”, então podemos parar de desviar nosso foco e recursos do significado profundo e do benefício geral de tal consciência.

Agora podemos limitar o debate constante em nossa sociedade sobre se devemos ou não financiar a busca por vida extraterrestre. Claro que devemos financiá-la. É claro que devemos investir os dólares dos contribuintes. Claro que esta é uma busca digna de algumas das melhores mentes do planeta.

Esses investimentos na busca científica por vida em outro lugar são absolutamente necessários para compreendermos a vida na Terra (e a nós mesmos), comparando bioquímicas, e para desenvolvermos uma teoria generalizada da evolução.

Além disso, se todos tivessem plena consciência de que, de fato, não estamos sozinhos no universo, haveria ramificações culturais e sociológicas significativas para nossa sociedade.

A sensação de que estamos sozinhos faz com que nosso ponto de vista permaneça estreito e individualizado. Se soubéssemos que somos uma forma de vida entre muitas, espero que nos sentiremos menos divididos. Por exemplo, agora você provavelmente está ciente das muitas diferenças entre você e seu vizinho mais chato. Mas se você imaginar vocês dois em outro país cuja língua não falam, você e seu vizinho de repente se sentiriam próximos. A existência de um “eles” muda o “nós” para sempre.

Quando você sabe que todos são fundamentalmente um no mesmo, é muito mais fácil se conectar com seu vizinho, ou com o sem-teto na rua, ou com aquela pessoa no avião cuja pele ou passaporte é de uma cor diferente do seu. Realmente.

Uma vez que nossas diferenças não sejam mais o foco, ficaremos mais confortáveis ​​com aqueles que são diferentes de nós. Talvez nossas visões políticas mudem, nossos medos culturais se dissipem e nosso tratamento para com os estranhos melhore, pois teremos adotado um novo senso de unidade. Se você pudesse diminuir o zoom e olhar para a Terra apenas como um dos muitos planetas habitados, as linhas de nossas fronteiras se confundiriam e as divisões de cultura e religião se derreteriam.

Isso pode soar um pouco extravagante, mas na verdade é uma técnica científica frequentemente usada – para reduzir o “ruído” calculando a média de muitas observações e obtendo uma imagem mais clara da realidade sem as distrações dos sinais irrelevantes em pequena escala em nossos dados.

Da mesma forma, vejo que os detalhes excessivos de nossas divisões culturais e políticas estão atrapalhando nossa capacidade de ver o quadro geral. E saber que (quase certamente) não estamos sozinhos pode ser o momento crucial para ver nosso verdadeiro eu coletivo.

Embora nunca venhamos a conhecer outra Terra tão bem quanto a nossa, o conhecimento da vida extraterrestre nos fornecerá um novo contexto para o nosso planeta, tanto cultural quanto cientificamente.

Não vamos perguntar “Estamos sozinhos?” mas sim “E agora?”

(Fonte)


Evgenya Shkolnik é Professora Associada de Astrofísica da Escola de Exploração da Terra e do Espaço da Universidade Estadual do Arizona, e espero que ela esteja certa quanto a união humana resultante da descoberta de vida inteligente fora da Terra.

Quando ao fato de não estarmos sós no Universo, para mim é ponto pacífico.

– n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.


PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


*Agora você também pode apoiar o OVNI Hoje através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:



ÁREA DE COMENTÁRIOS

Atenção:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores. Pessoas que insistirem em burlar as regras serão banidas dos comentários.
EnglishFrançaisDeutschItaliano日本語PortuguêsEspañol