web analytics

Os 3 casos de OVNIs que não estarão no relatório do Pentágono

Tempo de leitura: 5 min.

Hoje, os OVNIs vivem no presente. Eles estão voando alto no programa 60 Minutes, eles pousaram nas páginas do jornal New York Times e nas estimadas colunas da revista New Yorker. E o Washington Post. O pinga-pinga de vídeos afirmando sua existência se transformou em um fluxo constante nos últimos cinco anos.

Os 3 casos de OVNIs que não estarão no relatório do Pentágono
Relatório do Pentágono provavelmente será limitado ao que a grande mídia tem comentado atualmente.

Um relatório iminente do Pentágono – previsto para 25 de junho – poderia colocar acabar com a questão de se os OVNIs são mesmo reais. O especialista em OVNIs e cientista Mark Rodeghier disse recentemente ao site Inverse em uma entrevista o que provavelmente aprenderemos com o relatório alienígena do governo.

Rodeghier, que é o diretor científico do Centro de Estudos de OVNIs (de sigla em inglês, CUFOS) com sede em Chicago, passou décadas usando as ferramentas da ciência para investigar OVNIs. Ele diz que cada nova quantidade de evidência que sai – vídeos militares vazados, imagens de celulares e muito mais – está se transformando em algo histórico.

PRIMEIRO, AS MÁS NOTÍCIAS: Rodeghier prevê que o relatório será inconclusivo. Ele descobrirá que “existem alguns avistamentos que permanecem inexplicáveis ​​e mesmo após nossos melhores esforços não sabemos o que são”, diz ele ao Inverse.

MAS AQUI AS BOAS NOTÍCIAS: O relatório também pode recomendar que mais atenção seja dada a esses fenômenos – e levar os OVNIs a sério é a razão de ser de Rodeghier.

Ele disse:

“Se for publicado um relatório do governo que simplesmente diga, sim, realmente há avistamentos de OVNIs inexplicáveis, isso é um passo à frente.”

O próximo relatório do Pentágono é improvável que trate de quaisquer casos históricos como os três abaixo que ele mencionou ao Inverse, mas o relatório pode lançar uma luz sobre os avistamentos de OVNIs mais recentes que viraram notícia.

Rodeghier diz que o relatório teve um efeito colateral (talvez não intencional): inspirou mais pesquisadores profissionais e outros a se apresentarem dispostos a investigar as luzes no céu com o CUFOS.

“É difícil dizer”, diz ele quando lhe perguntamos se o relatório do Pentágono fará com que mais pessoas levem esses fenômenos OVNIs mais a sério.

Ele disse:

“Mas o ímpeto está claramente em nossa direção. O vento está nas nossas costas neste caso, e tudo indica que não vai parar.”

Os OVNIs percorreram um longo caminho pelas publicações marginais como Fate e Fortean Times. A nova atenção é estimulada por uma série de vídeos (às vezes vazados), reconhecidos pelos militares dos EUA como sendo de fenômenos aéreos não identificados – jargão do Pentágono para objetos voadores não identificados.

A mania dos dias atuais é na verdade o produto de décadas de pesquisa em relatos de testemunhas a respeito de luzes inexplicáveis ​​no céu. Esses fenômenos também geraram investigações oficiais do governo pelos militares sob o Projeto Blue Book e o Comitê Condon, financiado pela Força Aérea.

Um jogador-chave em ambos os projetos foi J. Allen Hynek, um astrofísico que se tornou um investigador de OVNIs, o qual fundou o Centro de Estudos de OVNIs. (Depois que Hynek morreu em 1986, Rodeghier se tornou seu diretor científico.)

Rodeghier tem grandes esperanças para o próximo relatório do Pentágono sobre avistamentos de OVNIs. Em primeiro lugar, o relatório lançará luz sobre um programa obscuro chamado Programa Avançado de Identificação de Ameaças Aeroespaciais – a primeira investigação governamental sobre OVNIs desde que o Projeto Blue Book foi encerrado em 1970.

O relatório OVNI do Pentágono também poderia responder a duas questões contextuais:

Quem são as diferentes agências envolvidas?
O que essas agências estão fazendo para investigar fenômenos aéreos inexplicáveis?

Avistamentos históricos de OVNIs que você precisa saber

Avistamentos recentes de OVNIs se destacaram em décadas de fotografias e vídeos granulados por um grande motivo: eles vieram de fontes militares e foram reconhecidos pelo Pentágono. Eles são:

  • Um vídeo de 2004 apelidado de FLIR1 feito a bordo do USS Nimitz. Ele às vezes é chamado de vídeo “tic-tac”.
  • GIMBAL e GOFAST, obtidos em janeiro de 2015 por pilotos designados para o USS Theodore Roosevelt. O primeiro mostra um encontro aéreo com um OVNIs , enquanto o último parece mostrar embarcações misteriosas voando sobre o oceano.
  • Vídeos de 2019 feitos perto do USS Russell e Omaha na Base Naval de San Diego. O avistamento também foi confirmado no radar em um vídeo que vazou posteriormente.

Com tantos avistamentos famosos por aí – alguns dos quais datam de pelo menos 1947 -, Rodeghier destaca três dos casos mais fortes sugerindo que OVNIs são reais. Mas ele não está disposto a dizer que eles são alienígenas – ainda.

Ele diz:

“No que diz respeito à origem definitiva – viajantes do tempo, alienígenas, faça a sua escolha – estamos firmemente em cima do muro, muito agnósticos cientificamente. O motivo é simples: cientificamente, não temos dados suficientes para concluir o que está por trás do fenômeno.”

3. Delphos, Kansas, 1971

Em 2 de novembro de 1971, uma nave em forma de cogumelo supostamente pousou em Delphos, Kansas – uma pequena cidade a cerca de 225 quilômetros a oeste de Wichita.

Aqui está o que aconteceu: O adolescente Ronald Johnson supostamente ouviu um som do lado de fora de um pequeno galpão e, a cerca de 22 metros de distância, ele avistou uma nave sob uma árvore. Ele estimou que o objeto tinha quase três metros de diâmetro e três metros de altura. Estava brilhando em azul, vermelho e laranja, ele relatou, e pairava sobre o solo. Johnson afirmou ter ficado temporariamente cego pelo brilho da nave e sua visão demorou alguns dias para se recuperar.

Quando a família de Johnson saiu para investigar o que estava acontecendo, o objeto havia sumido, mas havia um anel queimado no chão. A mãe de Johnson tirou uma única Polaroid do anel sem flash. Os Johnsons afirmaram que o anel brilhou por mais de um dia após o avistamento.

Os 3 casos de OVNIs que não estarão no relatório do Pentágono
Foto tirada do anel brilhante 40 minutos depois do ocorrido.

O anel era frio ao toque, relatou a família. Eles também alegaram que ele tinha uma textura cristalina e que, quando o tocavam, suas mãos ficavam dormentes.

A polícia local reuniu amostras de solo e testes de laboratório conduzidos por um associado da CUFOS seis anos depois encontraram evidências de um composto orgânico solúvel em água no solo.

Rodeghier disse:

“É provavelmente o caso de rastreamento mais aprofundado que já foi investigado porque tivemos a sorte de conseguir alguma cooperação com as pessoas [e] um bom investigador logo depois para obter amostras de solo e todo o resto.”

2. O Caso do helicóptero de Coyne, 1973

Em 18 de outubro de 1973, um OVNI foi avistado perto de Charles Mill Lake, um lago perto de Mansfield, estado de Ohio. O oficial da Reserva do Exército dos EUA, Larry Coyne, estava pilotando um helicóptero militar junto com uma tripulação de quatro homens alistados quando um deles relatou ter visto uma luz à distância.

Os 3 casos de OVNIs que não estarão no relatório do Pentágono
Helicóptero do capitão Lawrence (Larry) J. Coyne.

A luz começou a se aproximar do helicóptero em alta velocidade. O que quer que estivesse emitindo a luz estava em rota de colisão com o helicóptero, mas de repente parou no ar – um pouco acima e à frente do helicóptero.

O helicóptero foi banhado por uma luz verde – como se algo o estivesse examinando, relataram os homens. Quando tudo o que estava emitindo a luz desapareceu, a tripulação agora abalada percebeu que o helicóptero estava a 2.000 pés (600 metros )mais alto do que deveria estar.

Rodeghier diz:

“Não acredite apenas na palavra deles. Foi testemunhado no solo, o que significa que as pessoas no solo viram o objeto e o helicóptero.”

1. Vale do Hudson, 1983-1986

Algo estranho estava acontecendo no Vale do Hudson em meados da década de 1980.

De 1983 a 1986, centenas a milhares de pessoas relataram ter visto uma nave em forma de V que veio a ser conhecida como Westchester Boomerang. Rodeghier chama isso não tanto de um encontro, mas de uma “série de eventos”, em que “milhares de pessoas” testemunharam o que parecia ser uma esquadrilha de naves voando baixo e lentamente.

Ele diz:

“Elas eram absolutamente algo desafiador … sendo aeronaves padrão de qualquer tipo. Isso foi muito antes dos drones existirem.”

Cada nave tinha cerca de 90 metros de largura e exibia luzes estranhas. O maior incidente ocorreu em 12 de julho de 1984, quando os OVNIs aparentes foram vistos em cinco condados em dois estados: Nova Iorque e Connecticut. Mais tarde naquele mês, uma nave semelhante – ou talvez a mesma – teria sido vista pairando perto do Indian Point Energy Center, uma usina nuclear lá.

Este foi um dos últimos casos que o próprio Hynek investigou antes de sua morte. As descobertas foram publicadas no livro “Night Siege: The Hudson Valley UFO Sightings”.

Rodeghier diz:

“Esses são casos que desafiam a explicação.”

O que aconteceu com Roswell?

Claro, existem outros casos de destaque. Perguntamos a ele sobre eles.

O caso das “Luzes e Fênix” de 1997 teve milhares de testemunhas, incluindo o ator Kurt Russell e o então governador do Arizona, Fife Symington. Mas Rodeghier diz que muitos dos avistamentos podem ser atribuídos a fogos de um exercício da Guarda Nacional.

Ele diz:

“Acho que não é tão sólido quanto a série de eventos em andamento, por exemplo, no Vale do Hudson.”

Rodeghier acredita que dois casos de acidente amplamente divulgados aconteceram: o incidente de 1947 em Roswell e um incidente de 1965 em Kecksburg, Pensilvânia. No primeiro caso, ele está “convencido de que algo muito incomum foi encontrado e recuperado”.

Mas muitos dos detalhes desses incidentes vêm de relatos de décadas atrás e não trazem uma tonelada de evidências substanciais. Não há como saber se o incidente de Roswell não foi apenas uma nave militar ou que o evento de Kecksburg não foi na verdade os satélites soviéticos que tiveram um pouso forçado.

E quanto ao centro militar não tão secreto no deserto de Nevada?

Rodeghier diz quanto a isso:

“A área 51, é claro, é absolutamente real. E sabemos o que eles fazem lá, que é desenvolver aeronaves secretas. Não acho que eles desenvolvam OVNIs de retro-engenharia lá, mas direi o seguinte: se estivéssemos fazendo retro-engenharia de OVNIs, é lá onde eles trabalhariam neles.”

(Fonte)


Casos como esse citados acima ocorreram e ainda ocorrem no mundo todo. Certamente o relatório do Pentágono não irá mencionar nenhum deles. Mas seja lá o que for que o relatório informe, não há dúvida alguma para aqueles que acompanham a casuística OVNI de que algo estranho a nós tem ocorrido no nosso planeta.

– n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.


Meus sinceros agradecimentos aos que doaram ao OH neste mês de maio:

  • Boris G. K.
  • Ricardo C. A.
  • Eduardo S. S.
  • Egidia L.
  • Joaquim F. P. C.
  • Helio S Jr.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

*Agora você também pode apoiar o OVNI Hoje através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:



ÁREA DE COMENTÁRIOS

Atenção:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores. Pessoas que insistirem em burlar as regras serão banidas dos comentários.
EnglishFrançaisDeutschItaliano日本語PortuguêsEspañol