web analytics

Sonda capta sinal de rádio natural vindo da atmosfera de Vênus (Ouça!)

Tempo de leitura: 3 min.

Durante um sobrevoo do planeta Vênus em julho de 2020, a Parker Solar Probe da NASA detectou algo estranho.

Sonda capta sinal de rádio natural vindo da atmosfera de Vênus
Imagem de Vênus durante o sobrevoo da sonda Parker em julho de 2020. (NASA et al.)

Ao mergulhar apenas 833 quilômetros acima da superfície venusiana, os instrumentos da sonda registraram um sinal de rádio de baixa frequência – um sinal revelador de que Parker havia passado rapidamente pela ionosfera, uma camada da atmosfera superior do planeta.

Esta foi a primeira vez que um instrumento foi capaz de registrar medições in situ diretas da atmosfera superior de Vênus em quase três décadas, e os dados registrados nos dão uma nova compreensão de como Vênus muda em resposta às mudanças cíclicas do Sol.

O astrônomo Glyn Collinson, do Goddard Space Flight Center da NASA, disse:

“Fiquei muito animado por ter novos dados de Vênus.”

Vênus é um mundo fascinante para nós aqui na Terra. É tão semelhante ao nosso próprio planeta em tamanho e composição, mas crucialmente diferente: um mundo infernal quente e tóxico que é provavelmente completamente inóspito para a vida como a conhecemos.

Como os dois planetas poderiam ter se desenvolvido em bestas tão radicalmente diferentes é de profundo interesse para cientistas planetários e astrobiólogos em busca de outros mundos habitáveis ​​na Via Láctea.

No entanto, as missões para explorar Vênus têm sido relativamente poucas. Não faz muito sentido enviar módulos de pouso; eles não podem sobreviver à superfície do planeta a 462 graus Celsius.

O envio de sondas orbitais também é considerado problemático, devido à atmosfera incrivelmente densa de nuvens de chuva de dióxido de carbono e ácido sulfúrico que tornam difícil dizer o que está acontecendo na superfície.

Por essas razões, Vênus não tem sido um alvo popular para missões dedicadas há algum tempo (a sonda orbital Akatsuki do Japão sendo a exceção recente), e muitos de nossos dados recentes vieram aos poucos, de instrumentos com outros objetivos primários, como o Parker Solar Probe.

Enquanto Parker conduz sua missão de estudar o Sol em detalhes, ele está usando Vênus para manobras de auxílio à gravidade – atirando ao redor do planeta para alterar a velocidade e a trajetória. Foi em um desses voos com auxílio da gravidade que os instrumentos da sonda gravaram um sinal de rádio.

Collinson, que trabalhou em outras missões planetárias, notou uma estranha familiaridade que ele não conseguiu identificar na forma do sinal.

Ele disse:

“Então, no dia seguinte, acordei e pensei, ‘Oh meu Deus, eu sei o que é isso!'”

Era o mesmo tipo de sinal registrado pela sonda Galileo quando deslizou pelas ionosferas das luas de Júpiter – uma camada da atmosfera, também vista na Terra e em Marte, onde a radiação solar ioniza os átomos, resultando em um plasma carregado que produz baixa emissão de frequência de rádio.

Assim que os pesquisadores perceberam qual era o sinal, eles puderam usá-lo para calcular a densidade da ionosfera venusiana e compará-la com as últimas medições diretas feitas, em 1992. Fascinantemente, a ionosfera tinha uma ordem de magnitude mais fina nas novas medições do que era em 1992.

A equipe acredita que isso tem algo a ver com os ciclos solares. A cada 11 anos, os pólos do Sol trocam de lugar; o sul se torna norte e o norte se torna sul. Não está claro o que impulsiona esses ciclos, mas sabemos que os pólos mudam quando o campo magnético está mais fraco.

Como o campo magnético do Sol controla sua atividade – como manchas solares (regiões temporárias de campos magnéticos fortes), erupções solares e ejeções de massa coronal (produzidas por linhas de campo magnético se encaixando e reconectando) – este estágio do ciclo se manifesta como um período de muito atividade mínima. É chamado de mínimo solar.

Uma vez que os pólos tenham mudado, o campo magnético se fortalece e a atividade solar atinge um máximo solar antes de diminuir novamente para a próxima mudança polar.

As medições de Vênus da Terra sugeriram que a ionosfera de Vênus estava mudando em sincronia com os ciclos solares, ficando mais espessa no máximo solar e mais fina no mínimo solar. Mas sem medições diretas, era difícil confirmar.

Bem, adivinhe? A medição de 1992 foi feita em um momento próximo ao máximo solar; a medição de 2020 perto do mínimo solar. Ambos eram consistentes com as medições baseadas na Terra.

O astrônomo Robin Ramstad, da Universidade do Colorado, em Boulder, disse:

“Quando várias missões confirmam o mesmo resultado, uma após a outra, isso dá a você muita confiança de que o afinamento é real.”

Exatamente por que o ciclo solar tem esse efeito na ionosfera de Vênus não está claro, mas existem duas teorias principais.

A primeira é que o limite superior da ionosfera poderia ser comprimido a uma altitude inferior durante o mínimo solar, o que evita que os átomos ionizados no lado diurno fluam para o lado noturno, resultando em uma ionosfera noturna mais fina. A segunda é que a ionosfera vaza para o espaço em uma taxa mais rápida durante o mínimo solar.

Nenhum desses mecanismos pode ser descartado pelos dados de Parker, mas a equipe espera que futuras missões e observações possam esclarecer o que está acontecendo. Por sua vez, isso poderia nos ajudar a entender melhor por que Vênus é assim, em comparação com a Terra.

Talvez seja hora de outra missão a Vênus, hein?

(Fonte)


Ouça no vídeo abaixo o sinal de rádio vindo do nosso vizinho:

Vênus ainda ira revelar muitos de seus segredos para nós.

– n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.


Meus sinceros agradecimentos aos que doaram ao OH neste mês de maio:

  • Boris G. K.
  • Ricardo C. A.
  • Eduardo S. S.
  • Egidia L.
  • Joaquim F. P. C.
  • Helio S Jr.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

*Agora você também pode apoiar o OVNI Hoje através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:



ÁREA DE COMENTÁRIOS

Atenção:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores. Pessoas que insistirem em burlar as regras serão banidas dos comentários.
EnglishFrançaisDeutschItaliano日本語PortuguêsEspañol