web analytics
Tempo de leitura: 2 min.

Trazer rochas marcianas para a Terra é uma péssima ideia

Tempo de leitura: 2 min.

Daqui a cerca de uma década, astrobiólogos da NASA e da Agência Espacial Européia (ESA) estarão procurando por uma entrega espetacular vinda dos céus: a primeira cápsula espacial contendo amostras de solo e rocha da superfície de Marte.

Trazer rochas marcianas para a Terra é uma péssima ideia
Crédito da imagem: NASA/jipe-sonda Perseverance

Projetada para cair no deserto do estado de Utah (EUA) sem nem mesmo um pára-quedas para desacelerar, essa cápsula de retorno de amostra será então transportada para um laboratório de nível de biossegurança 4 (BSL-4), a configuração de contenção biológica mais alta disponível – usada para patógenos como o vírus Ebola. Ser capaz, finalmente, de testar exaustivamente os sinais de vida, passada ou presente, em Marte tornará essas amostras um prêmio científico brilhante.

A NASA diz:

“Trazer amostras imaculadas de Marte à Terra tem sido um objetivo para gerações de cientistas planetários.”

Mas as agências espaciais estão deixando sua busca por respostas triunfar sobre o que é mais seguro para a vida na Terra: ninguém sabe se essas amostras – a serem coletadas em breve pelo jipe-sonda Perseverance – poderiam conter patógenos marcianos para os quais não teríamos defesas. Também não sabemos se a cápsula poderia quebrar com o impacto (o amostrador de vento solar da NASA, Genesis, foi violado quando caiu em Utah em 2004 depois que seu pára-quedas quebrou), arriscando a contaminação de vida selvagem, rios, plantas e peixes, bem como de cidades. Embora os laboratórios BSL-4 sejam altamente seguros, houve lapsos no passado, com suspeita de erro humano.

Os riscos, embora pequenos, existem. As agências espaciais estão trabalhando com os Centros dos EUA para Controle e Prevenção de Doenças em Atlanta e o Centro Europeu para Prevenção e Controle de Doenças na Suécia para tentar mitigá-los. Mas eles não podem negar que existem – e isso é um problema, porque o Tratado do Espaço Exterior da ONU proíbe a contaminação dos mundos que visitamos e da Terra no retorno. Os viajantes espaciais, diz o tratado, devem evitar “mudanças adversas no meio ambiente da Terra resultantes da introdução de matéria extraterrestre”.

Em um momento em que Covid-19 mostra o impacto terrível de uma pandemia, a NASA e a ESA certamente precisam mudar de rumo. Há um novo curso claro: trazer as amostras de volta para análise em uma estação espacial em órbita lunar ou para um laboratório na própria Lua, ambos os quais podem existir daqui a uma década.

Esta é uma posição apoiada pelo Comitê Internacional Contra o Retorno de Amostras de Marte (ICAMSR), que destaca os riscos de retorno da Terra.

Barry DiGregorio, diretor do ICAMSR, diz:

“Apoiamos uma missão de retorno de amostra a Marte como parte da estação espacial Lunar Gateway, se as amostras forem levadas a um módulo de exame de risco biológico especialmente projetado na órbita lunar, ou que faça parte de um conceito de base lunar maior, conforme previsto no programa Artemis da NASA. Esta é a única maneira de garantir 100 por cento de proteção da biosfera da Terra.”

A NASA e a ESA afirmam que precisam trazer amostras para a Terra por causa do custo e da dificuldade de operar um complexo laboratório BSL-4 no espaço, acrescentando que a microgravidade “comprometeria a maneira como analisamos as amostras”. Mas isso é um problema para as agências espaciais, e não pode ser esperado que a população da Terra aceite riscos desconhecidos.

Se as agências espaciais levarem a sério um retorno tripulado à Lua como um trampolim para Marte, elas certamente podem descobrir como analisar amostras perigosas fora do planeta. E há uma janela para fazer isso também, uma vez que a missão de buscar as amostras coletadas pelo Perseverance não deve decolar para Marte até 2026 – e seu projeto ainda não está finalizado.

A ESA afirma:

“Deixar as amostras orbitais em uma órbita estável de Marte é uma das várias estratégias alternativas possíveis depois que as amostras são lançadas da superfície marciana.”

As agências espaciais deveriam fazer isso e esperar até que haja uma maneira comprovadamente segura e fora do planeta de analisá-los. Será fascinante saber sobre a vida em Marte – mas não deve nos custar a Terra.

(Fonte)


Uma preocupação muito válida. E por que eles estão tão preocupados com isso? Ora, porque já sabem que em Marte tem vida, pelo menos microbiana!

n3m3

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é produtos-OVNI-Hoje-1.jpg
O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é Loja-Nerd.jpg

Leitores OVNI Hoje ganham 10% de desconto em todos os produtos da Loja Nerd, inclusive nos produtos OVNI Hoje. (Use o cupom OVH10)


*Agora você também pode apoiar o OVNI Hoje através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:



ÁREA DE COMENTÁRIOS

Atenção:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores. Pessoas que insistirem em burlar as regras serão banidas dos comentários.

Plugin Kapsule Corp