web analytics
Tempo de leitura: 4 min.

Temos livre arbítrio? Talvez não importe

Tempo de leitura: 4 min.

A crença é um tipo especial de poder humano. Agustin Fuentes, um antropólogo da Universidade de Notre Dame, afirma isso com eloquência em seu recente livro “Why We Believe: Evolution and the Human Way of Being” (“Porque Acreditamos: Evolução e a Maneira de Ser Humana”, em título de tradução livre). Ela [a crença] é a “capacidade mais proeminente, promissora e perigosa que a humanidade desenvolveu”, escreve ele, o poder de “ver, sentir e saber algo – uma ideia, uma visão, uma necessidade, uma possibilidade, uma verdade – que não está imediatamente presente aos sentidos, e então investir, total e autenticamente, naquele ‘algo’ para que se torne a sua realidade.”

Temos livre arbítrio? Talvez não importe
Crédito da ilustração: depositphotos

Um grande exemplo disso é a ideia generalizada e intuitiva de que temos livre arbítrio. A maioria das pessoas cresce com a noção de que são, em certo sentido, responsáveis ​​por seus pensamentos e ações porque, ao contrário dos animais, os humanos podem pensar sobre suas escolhas. Podemos refletir sobre o que devemos fazer, e outras pessoas – sejam eles nossos pais ou juízes da Suprema Corte – podem nos responsabilizar. Isso é o que a maioria das pessoas quer dizer quando fala sobre ter livre arbítrio. Um cristão pode dizer que isso remonta a Adão e Eva, que abusaram de seu livre arbítrio dado por Deus ao comerem desafiadoramente da árvore do conhecimento do bem e do mal. Um ateu, por outro lado, pode dizer que simplesmente desenvolvemos o livre arbítrio junto com outras habilidades cognitivas que nos distinguem de nossos primos e ancestrais mamíferos.

Você também poderia dizer que tal coisa não existe, uma visão que parece cada vez mais na moda. “A neurociência cognitiva e a mídia popular”, observa uma nova meta-análise, “têm apresentado a ideia de que o livre arbítrio é uma ilusão, levantando a questão do que aconteceria se as pessoas parassem de acreditar no livre arbítrio por completo.”

O artigo, uma pré-impressão postado no PsyArXiv pelo psicólogo social da Universidade de Colônia (Alemanha), Oliver Genschow e seus colegas, investiga quase 150 estudos, com mais de 26.000 participantes, que procuraram manipular a crença das pessoas no livre arbítrio para saber se acreditavam ou não no livre arbítrio afetando sua moralidade.

Esta não é uma questão teórica ou acadêmica ociosa – as crenças sobre o livre arbítrio, diz Genschow, parecem afetar muitos comportamentos “socialmente relevantes”, como trapacear. Eles também estão na base de nosso sistema de justiça criminal, ajudando a justificar formas retributivas de punição (a ideia de que as pessoas merecem ser presas, por exemplo, por cometerem certos crimes) em oposição aos de reabilitação (confinar e reformar pessoas até que elas pode entrar novamente na sociedade com segurança). Alguns filósofos, como Saul Smilansky, argumentaram que, se desistíssemos do livre arbítrio, as consequências seriam catastróficas.

Os cientistas tentaram manipular as crenças do livre-arbítrio de várias maneiras. Um método comum está corroendo a plausibilidade do conceito, apelando para a natureza mecanicista da realidade. Você diz às pessoas que todo o seu comportamento é determinado pelas leis da natureza, sejam essas leis físicas, biológicas ou psicológicas. Como poderia ser diferente? Se você rebobinasse o universo, acabaria fazendo todas as mesmas escolhas que fez da primeira vez. Você pode questionar essa perspectiva determinista trazendo à tona o papel do acaso, mas, em uma inspeção mais próxima, isso também corrói a plausibilidade do livre arbítrio – porque como poderíamos chamar uma escolha de “livre” se ela surgisse da aleatoriedade? Alguns, como o físico Max Tegmark, acreditam que os neurônios são simplesmente grandes demais e que todos os efeitos quânticos se cancelam em escalas muito menores do que os neurônios. Mas mesmo que haja uma verdadeira aleatoriedade que afete nossas escolhas, agir de uma forma ou de outra por causa de flutuações aleatórias nos campos quânticos não parece muito com o livre arbítrio.

Esta essência da meta-análise de Genschow e seus colegas sugere que os defensores e detratores do livre arbítrio podem estar dando muita importância ao que as pessoas acreditam. A crença, ou descrença, não parece afetar o comportamento individual de nenhuma forma com a qual possamos nos importar. Manipular as ideias das pessoas sobre o livre arbítrio, pelo menos em condições experimentais, tem apenas um efeito pequeno e temporário. Em outras palavras, um ensaio persuasivo de anti-livre arbítrio (o método mais eficaz encontrado) não muda as crenças fundamentais das pessoas sobre o livre arbítrio – ele apenas as coloca em uma mentalidade temporária e leve de anti-livre arbítrio. (A maioria das pessoas acredita naturalmente no livre arbítrio, então a maioria das manipulações estudadas tenta reduzir a crença nele, embora possa funcionar nos dois sentidos). Não há evidências de que essa mudança induzida nas crenças do livre-arbítrio tenha qualquer efeito sobre a moralidade, como comportamento anti-social, trapaça, conformidade ou disposição para punir. Também não há evidências definitivas contra tais efeitos. Então, por enquanto, parece que as crenças das pessoas no livre arbítrio realmente não importam.

Essa é uma conclusão bastante ousada, dado que as posições mais populares parecem ser: “O livre arbítrio existe e é fundamental para a ética” e “O livre arbítrio não existe, e é eticamente importante que todos reconheçam esse fato.”

Um bom exemplo dessa primeira visão vem no novo livro “Just Deserts: Debating Free Will” (“Somente Desertos: Debatendo o Livre Arbítrio”, em título de tradução livre) dos filósofos Daniel Dennett e Gregg Caruso. Eles discutem se o livre arbítrio torna as pessoas merecedoras de punição ou elogios por suas ações, independentemente do bem que possa resultar de puni-las ou elogiá-las. Para dar um exemplo extremo, suponha que restassem dez pessoas na Terra e uma matasse as outras nove. Suponha que não haja nenhuma razão para o futuro puni-la: não há mais pessoas que ela poderia matar, nenhuma outra pessoa para aprender fazendo dessa pessoa um exemplo, e assim por diante. Essa pessoa ainda merece ser punida pelo que fez?

O livre arbítrio, para Dennett, é o que tornaria a resposta “sim”. Essa pessoa merece ser punida por causa do que escolheu fazer com sua própria vontade. O problema com isso, porém, é que a existência de livre arbítrio agora depende de sua teoria da ética! Por exemplo, sou um utilitarista. Não acredito que a retribuição seja moralmente justificada. Portanto, por causa de minha teoria ética, não devo acreditar no livre arbítrio. Mas o livre arbítrio não deveria ter a ver com a natureza de uma pessoa agindo, suas propriedades psicológicas e sua relação com as leis do universo – e não se o utilitarismo é verdadeiro ou não?

O neurocientista Sam Harris disse isso em um episódio recente de seu podcast Making Sense“:

“O livre arbítrio é um problema permanente para a filosofia e a ciência por uma razão: as pessoas pensam que o vivenciam. Eles sentem que eles o têm. ”

(Fonte)


E você o que acha: temos ou não o livre arbítrio?

– n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.


PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


*Agora você também pode apoiar o OVNI Hoje através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:



ÁREA DE COMENTÁRIOS

Atenção:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores. Pessoas que insistirem em burlar as regras serão banidas dos comentários.
EnglishFrançaisDeutschItaliano日本語PortuguêsEspañol