web analytics
Tempo de leitura: 9 min.

NASA fala sobre artefatos alienígenas na Terra e em nosso sistema solar

Tempo de leitura: 9 min.
NASA fala sobre artefatos alienígenas na Terra e em nosso sistema solar
Crédito da imagem: depositphotos

Um relatório de 2018 publicado pela Administração Nacional de Aeronáutica e Espaço (NASA) mostra até que ponto a principal agência espacial dos Estados Unidos está disposta a considerar a existência de vida alienígena inteligente.

Intitulado NASA and The Search For Technosignatures (NASA e a Procura por Tecnossinaturas), o documento de 70 páginas detalha todas as várias maneiras pelas quais os cientistas espaciais consideraram que a vida extraterrestre inteligente pode ser localizada durante o Technosignatures Workshop da NASA, sediado em Houston, Texas, de 26 a 28 de setembro de 2018.

Vários métodos novos para detectar traços de tecnologia alienígena avançada são discutidos no relatório. No entanto, uma seção é particularmente intrigante.

Descritos como “intrusos”, os cientistas da NASA discutiram o potencial das sondas extraterrestres não apenas para viajar através de nossa vizinhança planetária, mas também para ter acidentalmente ou intencionalmente pousado em um ou mais planetas ou numerosos satélites naturais em nosso sistema solar. Ainda mais impressionante, a NASA diz explicitamente, “é até possível que a própria Terra hospede esses artefatos”.

Embora o tópico da tecnologia alienígena acidentada seja prejudicado por conhecimentos não científicos, um número crescente de cientistas está dizendo que a prova de vida alienígena pode estar mais perto de casa do que imaginamos.

O astrobiólogo e cientista pesquisador do Instituto de Ciência Espacial Blue Marble, Dr. Jacob Haqq-Misra, disse ao The Debrief:

“Sim, acho que vale a pena pesquisar em nossa vizinhança solar por evidências de tecnologia extraterrestre. Não sabemos quão prevalente é a vida ou a tecnologia em nossa galáxia e, portanto, não podemos atribuir facilmente quaisquer probabilidades de dizer que a tecnologia é mais ou menos provável em um exoplaneta versus em nosso sistema solar.”

A caça aos artefatos alienígenas perdidos

Por mais de cinco décadas, a busca por inteligência extraterrestre tem se concentrado quase exclusivamente no monitoramento do céu em busca de sinais que possam representar uma civilização alienígena avançada e distante. No entanto, por muitos anos, os cientistas têm discutido silenciosamente a possibilidade de que as evidências de vida alienígena avançada possam estar mais próximas do que imaginamos na forma de relíquias ou artefatos.

Em grande parte graças aos avanços tecnológicos, nos últimos anos, um punhado de cientistas começou lentamente a se apresentar e dizer que a caça por relíquias alienígenas próximas é algo que merece uma consideração séria.

Em 2011, o físico Dr. Paul Davies e o pesquisador Robert Wagner, da Arizona State University, escreveram um artigo propondo que o mapeamento fotográfico capturado pelo Lunar Reconnaissance Orbiter poderia ser usado para procurar por possíveis artefatos alienígenas na superfície da Lua.

Em entrevista ao The Debrief, o Dr. Davies explicou que as condições da Lua são ideais para preservar vestígios de influência artificial ou artefatos alienígenas.

O Dr. Davies, que também escreveu o livro. “The Eerie Silence: Are We Alone in the Universo?” (“O Silêncio Assustador: Estamos Sozinhos no Universo?”, em título de tradução livre), disse:

“A Lua é quase inerte e, portanto, os objetos e características da superfície são preservados por uma imensa duração. Eventualmente, o material lançado pelos impactos de meteoros apaga registros, mas um grande objeto na Lua pode permanecer detectável por dezenas de milhões de anos.”

O Dr. Haqq-Misra também aponta que o Mars Reconnaissance Orbiter da NASA capturou números igualmente volumosos de imagens de alta resolução de Marte.

Explicou o Dr. Haqq-Misra:

“Existem milhares dessas imagens e, portanto, é possível que um artefato anômalo possa ser capturado em tais imagens sem que ninguém tenha percebido ainda.”

Além da Lua e de Marte, os cientistas sabem ainda menos sobre as superfícies de outros corpos em nosso sistema solar.

Em um artigo de 2012 intitulado “On the Likelihood of Non-Terrestrial Artifacts in the Solar System” (“Sobre a Probabilidade de Artefatos Não Terrestres no Sistema Solar”, em título de tradução livre) o Dr. Haqq-Misra e o físico da NASA, Dr. Ravi Kumar Kopparapu, disseram que a falta de uma análise completa torna impossível dizer quão provável é ou não é que uma tecnologia alienígena possa estar presente em nossa vizinhança celestial.

O Dr. Haqq-Misra disse:

“Não podemos colocar limites muito fortes na ausência de tecnologia extraterrestre no sistema solar até que realizemos análises mais completas para descartar tais possibilidades.”

O Dr. Haqq-Misra aponta os avanços na inteligência artificial e no aprendizado de máquina como formas que podem ajudar na busca por anomalias nas imagens de superfície existentes.

Uma dessas técnicas, discutida em um artigo publicado no início de 2020, mostrou que os pesquisadores podiam aplicar com sucesso o aprendizado de máquina distribuído não supervisionado para detectar anomalias de superfície em sensoriamento remoto e ciência espacial.

O Dr. Haqq-Misra explica:

“Esta abordagem poderia detectar artefatos na superfície da Lua que não seriam facilmente notados por análise a olho nu.”

Mas ele adverte:

“Uma maneira de verificar esses algoritmos é garantir que eles possam encontrar o local de pouso da Apollo original, no qual acredito que esse algoritmo tenha sucesso. No entanto, quaisquer artefatos camuflados ou cobertos de poeira não seriam possíveis de serem detectados por meio dessa análise de aprendizado de máquina.”

Estruturas incomuns encontradas no outro lado da Lua, na cratera Paracelsus C (fonte da imagem: NASA)

Já foram encontradas evidências de relíquias alienígenas?

Curiosamente, alguns alegam que já encontraram evidências convincentes de artefatos extraterrestres artificiais na análise de imagens existentes.

Em um estudo relativamente recente, pesquisadores do Projeto Lunascan e da Society for Planetary SETI Research disseram que a análise de imagens capturadas pela Apollo 15 e pelo Lunar Reconnaissance Orbiter de duas características incomuns na cratera Paracelsus C no outro lado da Lua, parecia mostrar artefatos estranhos, possivelmente artificiais.

Os pesquisadores disseram que as renderizações em 3D sugerem que as características do Paracelsus C e do terreno circundante podem ser “uma entrada e passagem que pode levar ao subsolo”. Os autores observam que uma das duas estruturas não é apenas estatisticamente diferente da paisagem circundante, mas também “diferente de qualquer outra característica vista na lua até o momento”.

O pesquisadores observaram no artigo:

“Um estabelecimento científico dominante decididamente conservador muitas vezes rejeita anomalias com base apenas no assunto, ou seja, não pode haver artefatos alienígenas na Lua porque não há artefatos alienígenas na Lua (ou outros planetas). Tal visão é um exemplo de raciocínio circular, baseado na crença de que extraterrestres não existem, ou se existem, que não poderiam ter viajado para o nosso sistema solar.”

A grande comunidade científica rejeitou ou ignorou amplamente o estudo publicado no Journal of Space Exploration em 2016.

O autor principal do estudo, Dr. Mark J. Carlotto, um engenheiro elétrico e cientista sênior da General Dynamics, informoou ao The Debrief por e-mail:

“Nossa análise foi ignorada pela comunidade científica planetária, o que é surpreendente, dado que apresentamos evidências que apoiam suas próprias hipóteses.

Refiro-me às observações de P.C.W. Davies sobre a busca por ‘sinais reveladores de atividade tecnológica alienígena’ na Lua. Onde na Terra as evidências podem estar enterradas sob estratos sobrejacentes, Davies acredita que ‘a extração ou construção na lua ou asteroides persistiriam de forma conspícua por muito mais tempo, e o escrutínio dos dados do Lunar Reconnaissance Orbiter seria um exercício útil’. Isto é exatamente o que relatamos em nosso artigo.”

O Dr. Haqq-Misra disse ao The Debrief que não está totalmente convencido de que as características incomuns em Paracelsus C representam uma possível passagem para um local subterrâneo. No entanto, como uma das principais figuras na busca científica por tecnossignaturas alienígenas, o Dr. Haqq-Misra disse que mesmo uma nova característica geológica na Lua é suficiente para justificar uma investigação mais aprofundada.

Ele informou por e-mail:

“Acho que a premissa para tal análise é razoável, já que não podemos necessariamente descartar a possibilidade de artefatos na Lua até que façamos a busca. A análise no papel parece um caso razoável para justificar observações de acompanhamento no futuro, idealmente por um jipe-sonda.”.

É importante notar que alguns poderiam considerar o Dr. Carlotto uma figura polêmica. Descrito em sua biografia de autor no Amazon “como um engenheiro, cientista e autor com quase quarenta anos de experiência em imagens de satélite, sensoriamento remoto, processamento de imagens e reconhecimento de padrões”, Carlotto é autor de vários livros sobre “mistérios planetários, OVNIs, história local e, mais recentemente, origens e arqueologia antigas.”

Carlotto, no entanto, afirma que ele e sua equipe empregaram práticas testadas e comprovadas e o método científico em sua análise de anomalias em Paracelso C.

Ele disse:

“Os métodos usados ​​para analisar características na Lua foram desenvolvidos pela primeira vez como parte de uma ‘investigação independente de Marte’ na década de 1980 para entender melhor uma coleção de objetos incomuns em Marte, incluindo a chamada ‘Face em Marte’.

Os métodos incluíam um algoritmo que usava fractais para detectar anomalias (desvios do fundo), que foi originalmente desenvolvido para alvos terrestres (ou seja, veículos militares) e posteriormente aplicado a Marte e à Lua, e forma a partir do sombreamento, um meio de recuperar informações 3D de uma única imagem de um objeto para melhor visualizar sua estrutura. A análise de forma a partir do sombreamento foi incluída na série Cosmos de Carl Sagan.”

Traços de extraterrestres inteligentes na Terra

De longe, a teoria mais chocante proposta no Relatório do Technosignatures Workshop da NASA é a ideia de que artefatos extraterrestres poderiam potencialmente não apenas estar escondidos em corpos dentro de nosso Sistema Solar, mas também aqui na Terra.

O relatório diz:

“Como os registros geológicos, paleontológicos e arqueológicos da Terra são tão incompletos, é até possível que a própria Terra hospede tais artefatos, embora, novamente, essa ideia seja muitas vezes combinada com imaginações populares não científicas e histórias de ficção científica sobre a visitação alienígena, e portanto, deve ser abordada com cuidado.”

Esta linha quase certamente ofenderá a sensibilidade de qualquer um que já ache a ideia de relíquias alienígenas na Lua ou em Marte simplesmente rebuscada demais para uma consideração séria. No entanto, alguns cientistas estão dispostos a dizer que o conceito não é completamente louco.

Um desses teóricos intrépidos é Alexey Arkhipov, cientista sênior do Instituto de Radioastronomia da Academia Nacional de Ciências da Ucrânia.

Em um artigo intitulado “Earth-Moon System as a Collector of Alien Artefacts” (“Sistema Terra-Lua como um Coletor de Artefatos Alienígenas”), publicado no Journal of The British Interplanetary Society em 1998, Arkhipov defende o caso que, durante os 4,5 bilhões de anos de história do Sistema Solar, a Terra poderia ser um coletor natural de artefatos extraterrestres inteligentes.

Arkhipov escreve:

“A atividade espacial alienígena no Sistema Solar pode levar à poluição do espaço. Além disso, detritos espaciais alienígenas podem cair na Terra espontaneamente, como fazem nossos satélites. Por isso, vale a pena discutir a busca por candidatos para esses eventos”.

Arkhipov vai mais longe ao apontar alguns relatos de meteoritos ou bolas de fogo “multicoloridos” raros relatados no início do século XX. Em um desses incidentes, testemunhas descreveram ter visto um meteoro que “emitiu faíscas em tons de vermelho, azul, branco e verde” ao cruzar o céu perto de Miami, Flórida, em 13 de junho de 1928.

A coloração da luz visível produzida por um meteoro depende da composição química e do conteúdo metálico do meteoroide. Arkhipov aponta para esses exemplos históricos para questionar se as curiosas observações da coloração do bólido e da composição única de fato possivelmente representam tecnologia extraterrestre caindo na Terra.

O Dr. Paul Davies adota uma abordagem mais moderada em sua sugestão de que os cientistas podem potencialmente encontrar artefatos alienígenas na Terra. Como o relatório da NASA sugere, Davies considera os 4,5 bilhões de anos de história da Terra um tempo muito longo, tempo suficiente para que uma espécie alienígena inteligente pudesse ter aparecido para uma visita em algum ponto.

Davies, no entanto, adverte que encontrar artefatos alienígenas há muito perdidos na Terra não é exatamente uma tarefa fácil.

Ele explicou:

“A Terra é um lugar ruim para preservar as tecnossignaturas por longos períodos.”

Em seu livro, “The Eerie Silence” ele expõe três maneiras pelas quais os traços de tecnossinaturas alienígenas há muito perdidas poderiam sobreviver a um período de 100 milhões de anos e potencialmente serem encontradas na Terra. Uma das formas pelas quais Davies observa poderia ser a detecção de rejeitos radioativos ou nucleares anormais no globo.

Os cientistas podem encontrar outro traço de tecnologia alienígena nos restos de antigas operações de mineração ou pedreiras em grande escala. Até este ponto, os físicos Dr. Duncan Forgan e Dr. Martin Elvis da Universidade de Edimburgo e da Universidade de Harvard fizeram um caso semelhante de que os restos de operações de mineração alienígena poderiam ser uma forma potencial de descobrir que não estamos sozinhos no Universo.

Em seu artigo, que foi publicado no Journal of Earth and Planetary Astrophysics em 2011, Forgan e Elvis sugerem que evidências de mineração de asteroides extraterrestres podem ser detectadas na Terra.

Os autores observam:

“Considerando o disco de destroços detectado ao redor de Vega como um modelo, exploramos as assinaturas observacionais de Mineração de Asteroides Almejados (de sigla em inglês,TAM), como déficits inexplicáveis ​​em espécies químicas, mudanças na distribuição de tamanho dos detritos e outras assinaturas térmicas que podem ser detectáveis na Sistribuição de Energia Espectral (de sigla em inglês, SED) de um disco de detritos.”

Finalmente, Davies sugere que assinaturas de tecnologia alienígena podem ser potencialmente observadas na biotecnologia.

Ele explicou ao The Debrief:

“Tanto criando uma biosfera de sombra ou incorporando uma mensagem em genomas terrestres.”

Devido à vasta quantidade de dados sendo coletados e desenvolvidos em muitos campos, Davies sugere que as pesquisas por anomalias que representam tecnossinaturas extraterrestres na Terra poderiam ser conduzidas de forma barata, mesmo que a probabilidade pareça altamente improvável.

Na seção “Artefatos e Intrusos do Sistema Solar” de seu relatório, a NASA aborda “Alienígenas do Passado” ao discutir como qualquer tecnossinatura alienígena descoberta em nosso Sistema Solar não deve ser considerada inerentemente de origem interestelar.

Apoiando-se em um artigo de 2017 de autoria do professor de astronomia e astrofísica da Penn State University, Dr. Jason Wright, o relatório da NASA diz que, em vez do espaço profundo, a origem de tecnossinaturas alienígenas em nossa vizinhança poderia se originar de um Marte ou Vênus habitável.

Indo um passo adiante, o relatório afirma:

“… episódios anteriores de tecnologia de alteração generalizada do planeta na Terra por espécies putativas agora extintas (que existiam muito antes dos humanos) podem ser identificados por meio de investigações paleoclimáticas usando proxies isotópicos, análise do uso da terra, elementos transurânicos (ou subprodutos da fissão), ou pela pesquisa de artefatos no registro geológico.”

A caça por tecnossinaturas alienígenas não é a investigação de OVNIs

É difícil não imaginar imagens de discos voadores acidentados quando se considera o potencial de artefatos extraterrestres à espreita para serem encontrados em nossa vizinhança celestial ou possivelmente até mesmo na Terra.

Isto é particularmente verdadeiro dado que o tópico de Objetos Voadores Não Identificados (OVNIs), ou na linguagem moderna, “Fenômenos Aéreos Não Identificados” (UAP), passou por um renascimento impressionante, mas próspero, nos últimos anos.

Os cientistas, no entanto, alertam que há uma grande diferença entre a busca científica por tecnossignaturas alienígenas e a tradição popular de OVNIs.

Aqueles envolvidos na busca científica por tecnossinaturas extraterrestres ou relíquias alienígenas dizem que alguns dos mitos e tabus que cercam o assunto dos OVNIs podem impactar negativamente nossa habilidade de descobrir tecnologia alienígena verificável.

O astrobiólogo e cientista pesquisador da Blue Marble Space Institute of Science, Dr. Jacob Haqq-Misra, disse ao The Debrief:

“Para não cientistas, a ideia de um ‘OVNI’ pode incluir uma ampla gama de tópicos que incluem fenômenos paranormais e outras alegações que são facilmente desmascaradas pela ciência ou além da capacidade de teste da ciência.

Um número muito pequeno de casos de OVNIs permanece sem explicação, embora isso não signifique necessariamente que sejam extraterrestres. A associação de OVNIs com ideias paranormais e não científicas faz com que a maioria dos cientistas, mesmo aqueles focados em tecnossinaturas, desconfie de discutir quaisquer conexões entre um pequeno número de casos de OVNIs e possíveis tecnossinaturas.”

Davies menciona:

“Nos últimos 40 anos, a busca por vida extraterrestre, ou SETI, foi transformada de um retrocesso especulativo da ciência para algo mais próximo da corrente dominante. [No entanto,] não tomamos relatos de OVNIs como evidência de visitação extraterrestre.

Em minha mente, o principal argumento é que a Terra está aqui há 4,5 bilhões de anos e havia planetas por aí muito antes da Terra sequer existir. Por que o ET viria agora, no ínfimo período de tempo que os humanos existem? Precisamos perguntar se houve tecnologia alienígena no sistema solar em algum momento dos últimos bilhões de anos. Em caso afirmativo, que possíveis vestígios podem existir.”

O Dr. Haqq-Misra diz que os estigmas culturais associados ao assunto OVNI podem, em última instância, fazer com que a comunidade científica jogue antolhos, perdendo inadvertidamente evidências mais concretas da existência alienígena.

Ele disse:

“Não estou necessariamente convencido de que podemos concluir que qualquer OVNI observado é provavelmente extraterrestre, pois simplesmente não temos dados suficientes para tais eventos explicados. No entanto, posso certamente pensar em um cenário em que isso possa ser relevante. Suponhamos que uma espaçonave alienígena esteja realmente passando pelo sistema solar. Isso seria do interesse dos cientistas se eles pudessem observá-la, já que ainda existem muitas tecnossinaturas que os cientistas estão interessados ​​em procurar por artefatos em espaços próximos.

Mas digamos que ninguém perceba e a sonda continue a chegar à Terra. Se a sonda entrasse na atmosfera da Terra e fosse observada, então seria classificada como um OVNI – o que provavelmente significaria que os cientistas seriam cautelosos em estudar isso devido à associação com tópicos paranormais. Portanto, neste cenário, uma sonda extraterrestre legítima seria ignorada pelos cientistas devido à falta de dados completos e ao medo de associação com ideias não científicas.”

Embora a vontade repentina do Departamento de Defesa dos EUA de discutir avistamentos de objetos aéreos misteriosos ou inexplicáveis ​​seja intrigante, os cientistas envolvidos na caça por tecnossignaturas alienígenas querem ter certeza de que é abundantemente claro, até que mais evidências definitivas sejam fornecidas, que suas buscas não estão associadas à busca por OVNIs.

Haqq-Misra disse:

“Este não é um problema fácil de resolver, pois essas questões culturais têm raízes que se estendem por muitas décadas. O interesse dos governos nacionais pelos OVNIs ajudou a tornar a conversa sobre este assunto menos um ‘tabu’, mas também ajudaria os cientistas e jornalistas científicos a continuarem enfatizando aos não-cientistas que há uma grande desconexão entre a pesquisa científica para tecnossinaturas e fenômenos paranormais que estão além da capacidade de investigação da ciência.”

(Fonte)


Quando um bom investigador policial está tentando resolver um crime, ele escuta todas as testemunhas, inclusive aquelas que parecem insanas, pois todas as informações oferecem subsídios para a resolução de um caso. A ciência precisa ser menos elitista e mais investigativa.

n3m3

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é produtos-OVNI-Hoje-1.jpg
O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é Loja-Nerd.jpg

Leitores OVNI Hoje ganham 10% de desconto em todos os produtos da Loja Nerd, inclusive nos produtos OVNI Hoje. (Use o cupom OVH10)


*Agora você também pode apoiar o OVNI Hoje através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:



ÁREA DE COMENTÁRIOS

Atenção:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores. Pessoas que insistirem em burlar as regras serão banidas dos comentários.

Plugin Kapsule Corp