web analytics
Tempo de leitura: 3 min.

Caçadores de alienígenas devem procurar artefatos na Lua, estudo sugere

Tempo de leitura: 3 min.
Caçadores de alienígenas devem procurar artefatos na Lua, estudo sugere
Nesta imagem clássica da Apollo 14, tirada logo antes do módulo lunar pousar em Fra Mauro, a Terra espia sobre a borda da lua. (Crédito da imagem: NASA)

A famosa equação usada para pesquisar civilizações alienígenas agora inspirou uma nova fórmula para caçar artefatos alienígenas em nosso sistema solar.

A busca por esses artefatos alienígenas pode começar com a Lua e outros corpos cósmicos próximos à Terra, um novo estudo descobriu.

A Equação de Drake é usada para estimar o número de civilizações na Via Láctea que podem ser detectadas por meio de seus sinais de transmissão – ou, mais simplesmente, as chances de encontrar vida inteligente em nossa galáxia. Proposta pela primeira vez pelo radioastrônomo Frank Drake em 1961, a equação calcula o número de civilizações em comunicação por meio da análise de algumas variáveis, como a taxa de formação de estrelas adequadas para o desenvolvimento de vida inteligente e o número de planetas por sistema estelar com um ambiente adequado para a vida.

Atualmente, praticamente todos os experimentos SETI (busca por inteligência extraterrestre) varrem os céus em busca de sinais de rádio ou luz. No entanto, ao longo dos anos, alguns pesquisadores sugeriram que outra maneira potencialmente melhor de encontrar evidências de vida alienígena é não procurar transmissões de longe, mas sim caçar o que são essencialmente mensagens em uma garrafa – um SETA (Search for Extraterrestrial Artifacts, ou em português, Busca por Artefatos Extraterrestres).

Por exemplo, em 2004, pesquisadores sugeriram que transmitir um sinal através do cosmos é caro e ineficiente. Em vez disso, os cientistas calcularam que inscrever mensagens em um pedaço de matéria e lançá-las em potenciais amigos extraterrestres exigiria cerca de um trilionésimo da mesma energia.

Outra preocupação com o SETI convencional é que as civilizações extraterrestres podem estar mortas há muito tempo quando os astrônomos realmente detectarem seus sinais. Em contraste, artefatos extraterrestres podem fornecer uma maneira de aprendermos diretamente sobre civilizações alienígenas, especialmente se esses artefatos forem equipados com inteligência artificial, disse ao Space.com o autor do estudo, James Benford, físico da Microwave Sciences em Lafayette, Califórnia.

No novo estudo, Benford desenvolveu uma versão da equação de Drake para artefatos. A nova fórmula focava especificamente no que ele chama de ‘lurkers‘ (“espreitadores”) – sondas extraterrestres ocultas e provavelmente robóticas. Embora as civilizações que implantaram esses lurkers possam estar mortas, os próprios lurkers ainda podem estar ativos o suficiente para se comunicarem conosco.

Uma diferença fundamental entre uma estratégia SETA e as abordagens SETI convencionais “é como ela [SETA] envolve a busca ativa de evidências em vez de observações passivas”, disse Benford. “A comunidade SETI como um todo precisaria pensar de uma nova maneira.”

Quando Benford comparou sua fórmula com a equação de Drake, ele sugeriu que a taxa de sucesso potencial da SETA era competitiva com a SETI convencional. Por exemplo, se uma civilização alienígena notasse que os artefatos eram provavelmente uma estratégia de contato mais econômica do que as transmissões, a SETA provaria ser mais bem-sucedido do que a SETI convencional. No entanto, se uma civilização alienígena fosse muito parecida com a nossa no sentido de que só era capaz de voos espaciais em velocidades interplanetárias, então ela só poderia construir faróis em vez de sondas interestelares, e a SETI convencional seria mais bem-sucedido do que a SETA.

Civilizações extraterrestres que passaram perto do Sol podem ter se interessado especialmente em lançar sondas no sistema solar, disse Benford. Ele observou que cerca de duas estrelas entram dentro de um ano-luz do sistema solar por milhão de anos, e cerca de uma estrela entra dentro de 10 anos-luz a cada 5.000 anos. O encontro mais próximo que o sistema solar teve foi com a estrela de Scholz, que veio a 0,82 anos-luz do Sol há cerca de 70.000 anos.

Benford disse:

“Na escala de tempo de 10.000 anos de civilizações agrícolas na Terra, cerca de duas estrelas ficaram a 10 anos-luz [de nós].”

Benford sugeriu primeiro analisar as imagens lunares em busca de sinais de sondas extraterrestres. Ele observou que o Lunar Reconnaissance Orbiter da NASA tirou cerca de 2 milhões de fotos da Lua desde 2009 “com resolução de cerca de 0,3 metros”, disse Benford.

“Você pode ver as pegadas de Neil Armstrong na lua em algumas fotos, mas apenas um punhado dessas imagens foram inspecionadas por olhos humanos. Precisamos usar software de IA [inteligência artificial] para procurar estruturas, por sinais de artificialidade, o que poderiam beneficiar as ciências na Terra, como a arqueologia.”

Benford também sugeriu procurar por artefatos alienígenas localizados em outros corpos próximos à Terra. Isso inclui os objetos troianos da Terra (corpos localizados em pontos no espaço onde a força gravitacional do Sol e a Terra se equilibram) e os objetos co-orbitais da Terra (aqueles que compartilham a zona da Terra ao redor do Sol).

Benford disse:

“A China está planejando uma missão, ZhengHe, para um desses objetos co-orbitais, 2016 HO 3, para lançamento em 2024. Ele vai chegar a 10 vezes a distância da Terra até a Lua.”

Benford não sugeriria olhar para a própria Terra.

Ele disse:

“Se um artefato está aqui há muito tempo, ele está sujeito ao clima, danos, roubo ou deterioração devido aos elementos. Ao longo de centenas, milhares ou milhões de anos, eles provavelmente não serão realmente descobertos, ao passo que em algum lugar como a Lua – eles ainda podem estar lá.”

Ele continuou:

“Podemos obter uma resposta sim-não para parte da pergunta SETI pesquisando nas proximidades da Terra, e podemos fazer isso com experimentos, não apenas esperando por sinais. SETI pergunta, ‘Onde eles estão?’ Bem, talvez eles estejam bem ao lado.”

Benford detalhou suas descobertas online em 18 de março na revista Astrobiology. Ele também vai discutir sua ideia com o Breakthrough Listen, uma busca de 10 anos de $ 100 milhões por vida inteligente no universo anunciada em 2015 pelo famoso cientista Stephen Hawking e outros pesquisadores.

(Fonte)

Colaboração: Adalberto Dorneles


Faz muito mais sentido procurar por objetos alienígenas em nosso sistema solar, do que ficar escutando por possíveis transmissões de rádio de ETs, os quais já podem ter abandonado essa tecnologia há muito tempo.

Será que os cientistas vão dar ouvido a Benford?

n3m3

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é produtos-OVNI-Hoje-1.jpg
O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é Loja-Nerd.jpg

Leitores OVNI Hoje ganham 10% de desconto em todos os produtos da Loja Nerd, inclusive nos produtos OVNI Hoje. (Use o cupom OVH10)


*Agora você também pode apoiar o OVNI Hoje através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:



ÁREA DE COMENTÁRIOS

Atenção:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores. Pessoas que insistirem em burlar as regras serão banidas dos comentários.

Plugin Kapsule Corp