web analytics
Tempo de leitura: 3 min.

Astrobiólogo propões semear a vida em planetas mortos

Tempo de leitura: 3 min.
Astrobiólogo propões semear a vida em planetas mortos
Poderíamos semear vida em planetas mortos? Crédito da imagem: depositphotos

A busca por vida no universo tende a se concentrar em ambientes habitáveis. Mas, para responder às perguntas sobre como a vida surgiu e se espalhou, bem como sobre os limites da habitabilidade, os pesquisadores podem considerar olhar para mundos mortos – e talvez até (com muito cuidado) semear vida neles.

O astrobiólogo Charles Cockell, da Universidade de Edimburgo, no Reino Unido, disse:

“O estudo biológico da falta de vida parece contra-intuitivo, porque a biologia é o estudo da vida.”

Mas em um artigo que será publicado em abril na revista Astrobiology, Cockell argumenta que focar inteiramente em mundos vivos deixa de fora uma porcentagem enorme e potencialmente informativa do cosmos. Os espaços assustadoramente grandes entre os planetas, bem como lugares como o Sol escaldante e a Lua gelada, são todos presumivelmente desprovidos de vida.

Mesmo a Terra, que consideramos estar repleta de vida, é amplamente inabitável, com uma biosfera fina situada na superfície, mas um interior em grande parte morto, disse Cockell ao Live Science.

A pesquisa de mundos sem vida poderia ajudar os cientistas a aprenderem exatamente qual porcentagem do universo é inabitável, qual proporção é potencialmente habitável, mas apenas carente de vida, e se há alguns mundos que estão parcialmente vazios e parcialmente cobertos de vida.

Depois que os organismos surgiram durante o alvorecer do nosso planeta, acredita-se que eles proliferaram para preencher todos os ambientes habitáveis ​​que puderam encontrar. No entanto, os detalhes desse processo ainda são apenas vagamente compreendidos, e Cockell acredita que mundos mortos podem ajudar a fornecer uma visão científica sobre questões fundamentais, como os limites de onde a vida pode existir e como os seres vivos colonizam áreas desabitadas.

Os mundos mortos também podem fornecer uma lousa em branco, onde os cientistas podem começar o experimento de vida do zero. Se os pesquisadores liberassem pequenas quantidades de micróbios em ambientes sem vida, eles poderiam aprender a rapidez com que os organismos se espalham, a sequência em que diferentes espécies assumem o controle e como os seres vivos alteram a química local e, eventualmente, começam a co-evoluir com um planeta, ele adicionou. Futuros astronautas em uma base em Marte podem descobrir as melhores bactérias para introduzir em sua superfície a fim de torná-la produtiva para as plantações.

Determinar o lugar certo para conduzir tal experimento pode ser complicado. Não está totalmente claro quais lugares do sistema solar estão totalmente mortos. Muitos astrobiólogos pensam que os oceanos cobertos de gelo das luas de Júpiter e Saturno são boas apostas para encontrar vida, mas Cockell apontou que alguns ambientes podem ser habitáveis, mas ainda são desabitados.

Portanto, se as profundezas aquosas da lua Europa de Júpiter ou de Encélado de Saturno se revelassem sem vida, talvez pudesse ser informativo liberar bactérias nelas e monitorá-las durante um enorme intervalo de tempo, como 10.000 anos.

Ele disse, referindo-se a um dispositivo fictício capaz de gerar uma biosfera inteira em um corpo morto:

“Seria como o experimento Star Trek Genesis.”

Cockell reconheceu que tais ideias carregam preocupações éticas significativas, inclusive se temos o direito de alterar planetas além do nosso para nossos próprios fins. Outros lugares do sistema solar são legalmente protegidos contra contaminação pelo Tratado do Espaço Exterior de 1967 – escrito em grande parte pelos Estados Unidos e pela Rússia e assinado por todas as nações que viajam pelo espaço no mundo – e Cockell acha que seria importante garantir que um mundo ou o ambiente é realmente sem vida antes de entrar e potencialmente mudá-lo para sempre.

Em 2019, a sonda lunar israelense Beresheet caiu na superfície da Lua carregando um carregamento secreto de tardígrados – organismos resistentes capazes de sobreviver em condições extremas. Embora Cockell pense que as criaturas provavelmente estão mortas, sua introdução arbitrária não caiu bem para ele.

Uma razão final para estudar ambientes sem vida pode ser tropeçar acidentalmente na vida, disse Cockell. Poucos pensavam que as fontes hidrotermais vulcânicas no fundo do oceano poderiam ser habitáveis ​​até que a exploração submarina mostrou que elas estavam repletas de organismos. Esses lugares ajudaram a redefinir nossa compreensão de onde os seres vivos podem sobreviver e nos mostrar a vida que não conhecemos, acrescentou.

Cockell disse:

“O ponto principal é não ficar muito obcecado em procurar vida e ambientes habitáveis. Mundos sem vida podem nos dizer muito.”

(Fonte)


n3m3

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é produtos-OVNI-Hoje-1.jpg
O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é Loja-Nerd.jpg

Leitores OVNI Hoje ganham 10% de desconto em todos os produtos da Loja Nerd, inclusive nos produtos OVNI Hoje. (Use o cupom OVH10)


*Agora você também pode apoiar o OVNI Hoje através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:



ÁREA DE COMENTÁRIOS

Atenção:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores. Pessoas que insistirem em burlar as regras serão banidas dos comentários.

Plugin Kapsule Corp