web analytics
Tempo de leitura: 5 min.

Os alienígenas antes de nós: “Não somos a primeira civilização tecnológica” (ou somos?)

Tempo de leitura: 5 min.
Os alienígenas antes de nós: “Não somos a primeira civilização tecnológica”
Crédito da imagem ilustrativa: depositphotos

Vivemos em um universo onde a matéria é distribuída em cem bilhões de galáxias, cada uma contendo cem bilhões de estrelas, formadas por campos quânticos onde espaço e tempo não existem, que se manifestam na forma de partículas, como elétrons e fótons, ou como ondas. Escondido na história de 14 bilhões de anos deste vasto universo observável com 100 trilhões de planetas está um ponto azul claro repleto de vida e uma civilização tecnológica criada por uma estranha espécie conhecida como Homo sapiens.

Homo sapiens – uma aberração ou um entre milhões de seres em evolução?

Somos uma aberração, um acidente evolutivo, ou somos um dos milhões de seres em evolução espalhados pelos confins distantes do cosmos?

Em junho de 2016, o The New York Times tentou responder a esta grande questão sem resposta da espécie humana, publicando um artigo de opinião intitulado  Yes, There Have Been Aliens.” (“Sim, Tem Havido Alienígenas”, em título de tradução livre).

“Civilizações extraterrestres quase certamente existiram em um momento ou outro na evolução do cosmos.”

Em uma brilhante exibição de intuição versus evidência, o astrofísico Adam Frank da Universidade de Rochester e autor de Light of the Stars: Alien Worlds and the Fate of the Earth (“Luz das Estrelas: Mundos Alienígenas e o Destino da Terra”, em título de tradução livre), propôs:

“Embora não saibamos se há civilizações extraterrestres avançadas atualmente em nossa galáxia, civilizações extraterrestres quase certamente existiram em um momento ou outro na evolução do cosmos. O grau de pessimismo necessário para duvidar da existência, em algum momento, de uma civilização extraterrestre avançada beira o irracional. Agora temos informações suficientes para concluir que quase certamente existiram em algum ponto da história cósmica.”

Dez bilhões de trilhões de vezes o universo realizou sua experiência com planetas e vida

Frank escreve que essa probabilidade não é uma abstração, não apenas um número puro. Em vez disso, diz ele, representa algo muito real:

“Dez bilhões de trilhões de planetas existindo no lugar certo para a natureza agir. Cada mundo é um lugar onde os ventos podem soprar sobre as montanhas, onde a névoa pode subir nos vales, onde os mares podem agitar-se e os rios podem fluir. (Observe que nosso sistema solar tem dois mundos na zona Cachinhos Dourados – Terra e Marte – e ambos tiveram ventos, mares e rios). Quando você mantém essa imagem em sua mente, você vê algo notável: a linha do pessimismo na verdade representa os 10 bilhões de trilhões de vezes que o universo realizou sua experiência com planetas e vida.”

O contra-argumento – “Não sabemos se organismos básicos evoluem de forma confiável em seres como nós.”

O argumento de Frank tem seu apelo, rebateu Ross Andersen em The Atlantic, mas é um apelo à intuição:

“O simples fato é que não importa o quanto desejemos viver em um universo repleto de vida – e muitos de nós desejamos com bastante fervor – não temos a menor ideia de quantas vezes ele evolui. Na verdade, não temos certeza de como a vida surgiu neste planeta. Temos nossas histórias justas sobre quedas de raios e aberturas vulcânicas, mas ninguém chegou perto de duplicar a abiogênese em um laboratório. Nem sabemos se organismos básicos evoluem de forma confiável em seres como nós.”

O biólogo evolucionário Wentao Ma e colaboradores, observa Frank, usaram simulações de computador para mostrar que as primeiras moléculas replicantes poderiam ter sido fitas curtas de RNA que eram fáceis de formar e que rapidamente levaram a uma “aquisição” pelo DNA. E, como neurobiologista e especialista em evolução da inteligência, Lori Marino argumentou, a inteligência humana evoluiu no topo de estruturas cognitivas que já tinham uma longa história de vida na Terra. Assim, nosso tipo de inteligência não deve mais ser visto como inteiramente separado do que evoluiu antes.

“Homo sapiens um acidente genético”

Com que propósito o cérebro humano evoluiu é uma questão que intrigou os cientistas por décadas e foi respondida em 2010 por Colin Blakemore, um neurobiologista de Oxford que argumentou que uma mutação no cérebro de um único ser humano 200.000 anos atrás se tornou primatas intelectualmente capazes em uma espécie superinteligente que conquistaria o mundo. O Homo sapiens parece ser um acidente genético.

Somos a única espécie, dos bilhões de espécies que existiram na Terra, que mostrou aptidão para rádios e nem mesmo conseguimos construir um durante os primeiros 99% de nossos 7 milhões de anos de história, de acordo com Charles Lineweaver da Universidade Nacional da Austrália.

Uma mutação espontânea dramática

Estudos genéticos sugerem que cada ser humano vivo pode ser rastreado até uma única mulher chamada “Eva Mitocondrial” que viveu cerca de 200.000 anos atrás, disse Blakemore em uma entrevista ao The Guardian.

Ele sugeriu:

“A expansão repentina do cérebro 200.000 anos atrás foi uma mutação espontânea dramática no cérebro da Eva mitocondrial ou de um parente que então se espalhou pela espécie. Uma mudança em um único gene teria sido suficiente.”

Blakemore enfatizou a plasticidade com que nossos cérebros foram aprimorados quando essa mutação ocorreu.

Ele observou:

“Alguns cientistas acreditam que habilidades como a linguagem têm uma forte base genética, mas minha teoria enfatiza o oposto, que o conhecimento, adquirido por nossos cérebros agora poderosos, é o componente mental crucial. Isso significa que temos o dom único de nossa capacidade de aprender com a experiência e transmiti-la às gerações futuras.”

A desvantagem enorme e lógica da teoria de Blakemore é que dentro de uma única geração faminta de conhecimento, graças a algum desastre global das Seis Extinções em Massa, por exemplo, seria lançada de volta à Idade da Pedra.

Blakemore observa:

“Tudo seria desfeito. Por outro lado, não há sinais de que o cérebro humano atingiu sua capacidade de acumular conhecimento, o que significa que as maravilhas que já criamos – de naves espaciais a computadores – representam apenas o início de nossas realizações.”

“O Universo executa o experimento muitas e muitas vezes”

Frank escreve:

“O universo pode executar o experimento muitas e muitas vezes. Então, se você quer argumentar que a Terra é única, a responsabilidade recai sobre você para mostrar porque a inteligência tecnológica é tão fortemente selecionada.”

Não podemos extrapolar nossa existência na Terra, rebate Andersen, porque é apenas um ponto de dados.

Ele escreve:

“Poderíamos ser os únicos seres inteligentes no universo, ou poderíamos ser um entre trilhões e, de qualquer forma, a história natural da Terra seria exatamente a mesma. Mesmo se pudéssemos fazer algumas inferências grosseiras, as conclusões podem não ser tão reconfortantes. Demorou dois bilhões de anos para que a vida simples e unicelular gerasse nossa linhagem primordial, os eucariotos.

Os humanos não parecem ser uma das soluções essenciais da evolução.”

Ele continuou:

“E até onde podemos dizer, só aconteceu uma vez. Demorou outro bilhão de anos para que os eucariotos se inicializassem na vida animal complexa e centenas de milhões de anos mais para o desenvolvimento da linguagem e da fabricação de ferramentas sofisticadas. E ao contrário do olho, ou corpos com pernas – adaptações que surgiram independentemente em muitos ramos da árvore da vida – a inteligência do tipo criador de espaçonaves surgiu apenas uma vez, em toda a história da Terra. Simplesmente não parece uma das soluções essenciais da evolução.”

Em 2012, o professor de ciências astrofísicas de Princeton, Edwin Turner, e o autor principal David Spiegel, do Institute for Advanced Studies, analisaram o que se sabe sobre a probabilidade de vida em outros planetas em um esforço para separar os fatos da mera expectativa de que existe vida fora de Terra. Os pesquisadores usaram uma análise bayesiana – que pesa quanto de uma conclusão científica decorre de dados reais e quanto vem de suposições anteriores do cientista – para determinar a probabilidade de vida extraterrestre uma vez que a influência dessas suposições é minimizada.

Seu estudo argumentou que a ideia de que a vida surgiu ou poderia surgir em um ambiente semelhante à Terra tem apenas uma pequena quantidade de evidências de apoio, a maioria extrapolada do que se sabe sobre a abiogênese, ou o surgimento da vida, na Terra primitiva. Em vez disso, sua análise mostrou que as expectativas de vida surgindo em exoplanetas – aqueles encontrados fora do sistema solar da Terra – são amplamente baseadas na suposição de que aconteceria ou acontecerá sob as mesmas condições que permitiram que a vida florescer neste planeta.

“A Espécie do Rádio” – os cientistas duvidam que o ‘nicho humano’ será preenchido se formos extintos

Na verdade, os pesquisadores concluíram, o conhecimento atual sobre a vida em outros planetas sugere que é muito possível que a Terra seja uma aberração cósmica onde a vida tomou forma excepcionalmente rápido. Nesse caso, as chances de um planeta terrestre comum abrigar vida seriam baixas.

Turner disse:

“A evidência fóssil sugere que a vida começou muito cedo na história da Terra e isso levou as pessoas a determinarem que a vida pode ser bastante comum no universo porque aconteceu tão rapidamente aqui, mas o conhecimento sobre a vida na Terra simplesmente não revela muito sobre o probabilidade real de vida em outros planetas.”

Em conclusão, parece que a escolha entre intuição ou evidência é sua.

(Fonte)


Ao bem da verdade, tudo não passa de teses com vieses pessoais, vindas de cientistas torcendo ou contra, ou a favor da vida extraterrestre, por mais que digam que são neutros.

Obviamente, ninguém sabe o que pode ter acontecido ou está acontecendo fora da Terra quanto ao desenvolvimento e evolução da vida, e tudo que temos neste momento para nos basear é o excepcionalmente gigantesco número de mundos lá fora, os quais oferecem todos os tipos de ambiente para o desenvolvimento da vida.

Porém, para mim, o grande mistério é porque na Terra a única espécie que “constrói naves” é a raça humana, com tantos outros seres que poderiam também ter desenvolvido as mesmas capacidades, principalmente os símios. Tempo eles tiveram. Aliado a isto, outra grande incógnita é o que realmente teria ocorrido há 200.000 anos, quando houve uma mutação no cérebro do ser que os cientistas chamam de “Eva Mitocondrial”. Será que “algo” de fora veio até aqui e causou esta mutação? E se foi isso que aconteceu, quem ou o quê foi responsável por essa mutação? E por que somente na raça humana?

Estes são mistérios que a ciência por si só não tem condições de responder.

n3m3

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é produtos-OVNI-Hoje-1.jpg
O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é Loja-Nerd.jpg

Leitores OVNI Hoje ganham 10% de desconto em todos os produtos da Loja Nerd, inclusive nos produtos OVNI Hoje. (Use o cupom OVH10)


*Agora você também pode apoiar o OVNI Hoje através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:



ÁREA DE COMENTÁRIOS

Atenção:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores. Pessoas que insistirem em burlar as regras serão banidas dos comentários.

Plugin Kapsule Corp