Contratorpedeiros foram perseguidos por OVNIs na Califórnia por várias noites

Compartilhe esta informação com a galáxia!
Tempo de leitura: 4 min.
Contratorpedeiros foram perseguidos por OVNIs na Califórnia por várias noites

Em julho de 2019, uma série de eventos verdadeiramente bizarros ocorreram num arquipélago ao norte da Califórnia. Por várias noites, grupos de objetos voadores não identificados (OVNIs) – que a Marinha dos EUA simplesmente chama de “drones” ou “UAVs” (sigla em inglês parar Veículos Aéreos Não Tripulados) – perseguiram os navios em serviço, o que gerou uma investigação de alto nível.

Durante os encontros noturnos, até seis dessas naves misteriosas foram relatadas voando por períodos prolongados em condições de baixa visibilidade e realizando manobras descaradas sobre os navios de guerra, que estavam navegando em uma faixa de treinamento militar sensível a menos de 160 quilômetros de Los Angels.

A investigação subsequente incluiu elementos da Marinha, da Guarda Costeira e do FBI. Os incidentes receberam mais atenção, inclusive do Chefe de Operações Navais, o topo da cadeia de comando da Marinha.

Agora, graças aos documentos obtidos pelo The War Zone por meio da Lei de Liberdade de Informação (de sigla em inglês, FOIA), mais detalhes e a magnitude dos eventos se tornaram conhecidos.

Assombrado pelo desconhecido

Parece que os incidentes começaram com o avistamento inicial de um pequeno objeto voador pelo USS Kidd, por volta das 22h00. na noite de 14 de julho de 2019. Os registros do convés – como o mostrado abaixo – fornecem informações sobre o rumo e a velocidade do navio. Além disso, eles registram qualquer outra informação relevante sobre eventos incomuns ou mudanças no comportamento do navio:

Contratorpedeiros foram perseguidos por OVNIs na Califórnia por várias noites
Crédito: The War Zone

Ao todo, o USS Kidd viu dois “drones” – normalmente descritos como UAVs nos registros.

A equipe SNOOPIE (Ship Nautical Or Other Photographic Interpretation and Exploration), responsável pela inteligência fotográfica a bordo, documentou esses contatos com objetos desconhecidos.

Menos de 10 minutos após o avistamento, o USS Kidd relatou a situação ao contratorpedeiro USS Rafael Peralta. Os registros do Peralta mostram que por volta das 22h ele ativou sua própria equipe SNOOPIE, que também registrou avistamentos adicionais de outro navio na área, o USS John Finn.

Por sua vez, o diário de bordo USS John Finn descreve a possível atividade UAV e a desativação do sistema de transponder AIS (sistema de identificação automática) do navio no momento dos avistamentos.

Contratorpedeiros foram perseguidos por OVNIs na Califórnia por várias noites
Crédito: The War Zone

Pouco depois do avistamento inicial, uma luz vermelha piscando foi detectada.

90 minutos

Entre as entradas mais dramáticas nos registros para este incidente está o que é visto abaixo, do USS Rafael Peralta, que mostra uma luz branca pairando sobre o convés de voo do navio.

Contratorpedeiros foram perseguidos por OVNIs na Califórnia por várias noites
Crédito: The War Zone

O registro mostra que o “drone” conseguiu igualar a velocidade do contratorpedeiro se movendo a 16 nós para manter uma posição flutuante na plataforma de pouso do helicóptero do navio.

Para complicar ainda mais o que já era uma manobra complexa, o objeto operava em condições de baixa visibilidade (menos de uma milha náutica) e à noite. Neste ponto, o encontro durou mais de 90 minutos, significativamente mais do que os drones comercialmente disponíveis podem suportar.

Segunda noite

Devido às novas divulgações da FOIA, agora sabemos que outra grande série de invasões ocorreu na noite seguinte, 15 de julho de 2019. Desta vez, o USS Rafael Peralta foi o primeiro a detectar os objetos e implantar suas equipes SNOOPIE às 20h39.

Às 21h, o USS Kidd também os havia detectado, assim como o USS Russell. Este último experimentou uma atividade frenética naquela noite, onde é mencionado que os objetos não identificadas sobrevoaram o barco em baixa altitude, fazendo movimentos estranhos para frente e para trás e da esquerda para a direita.

Contratorpedeiros foram perseguidos por OVNIs na Califórnia por várias noites
Crédito: The War Zone

Enquanto isso, o USS Peralta recebeu uma chamada de rádio de um navio de cruzeiro que passava, o Carnival Imagination, avisando-os de que os objetos não originaram de lá e que também viram até cinco ou seis desses objetos voadores manobrando nas proximidades.

Crédito: The War Zone

No total, desta vez os avistamentos duraram 3 horas e ocorreram mais perto da costa, entre as ilhas de San Clemente e San Diego.

OVNIs ou evidências classificadas?

De acordo com a investigação do The War Zone, os registros da Marinha não mostraram nenhuma evidência com UAVs nas noites de 14 e 15 de julho. Mas se os drones ainda foram avistados, não está claro porque alguém iria operá-los perto de navios de guerra da Marinha de maneira tão flagrante.

Os drones comercialmente disponíveis geralmente não são capazes de voar por longos períodos em grandes distâncias com velocidades superiores a 75 quilômetros por hora. Com base em dados agrupados disponíveis de buscas no convés, estima-se que os objetos percorreram pelo menos 100 milhas náuticas (185 km) no incidente de 14 de julho. Além disso, os OVNIs foram capazes de localizar e capturar um contratorpedeiro viajando a 16 nós em condições com menos de uma milha náutica de visibilidade.

Igualmente intrigante, seus operadores parecem ter coordenado pelo menos cinco ou seis drones simultaneamente. Depois, há a questão do controle de linha de visão e métodos de controle em geral, o que torna os recursos descritos muito mais intrigantes.

Cabe destacar que a vizinha ilha de São Clemente e a zona envolvente é um sector de formação que acolhe um grande número de provas, que podem incluir programas classificados. Seria possível que os drones tenham sido operados pelo próprio exército em algum tipo de teste secreto?

Nesse caso, as incursões continuaram após uma investigação que atingiu o nível mais alto da hierarquia da Marinha, já que os documentos dizem que os avistamentos do mesmo tipo ocorreram nas noites de 25 e 30 de julho.

Mas se esses objetos misteriosos não foram operados pelos militares dos EUA, os incidentes relatados aqui representam uma violação de segurança muito significativa. Se eles fizeram parte de algum tipo de ação secreta, não está claro, entretanto, porque eles voaram tão abertamente e com tanta frequência de uma maneira quase espreita. Mais preocupante, se uma nação estrangeira estava envolvida, de onde exatamente os “drones” foram lançados?

Uma coisa é quase certa: a Marinha dos Estados Unidos possui uma grande quantidade de dados sobre esses eventos, e os documentos refletem que várias equipes independentes de inteligência fotográfica e tecnologia de ponta em sensores e detecção foram implantados. Mas, apesar disso, parece que a Marinha não conseguiu identificar esses objetos que andavam impunemente por céus restritos.

Esse objetos poderiam ser algo administrado por uma inteligência de outro mundo? A investigação continua e em breve mais dados poderão vir à luz

(Fonte) (Edição)


Certamente há muitos mais relatórios de encontros de militares com OVNIs. Muitos mais do que sequer podemos imaginar.

n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe esta informação com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site.

Clique aqui para apoiar através do site Apoia.se, ou use o botão abaixo:


*Agora você também pode apoiar o OVNI Hoje através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:

(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.