web analytics
Tempo de leitura: 3 min.

Alguém está na Lua: visão remota e a estranha saga de George Leonard

Tempo de leitura: 3 min.
Alguém está na Lua: visão remota e a estranha saga de George Leonard
Alguém mais está na Lua, e não são humanos.

Por Nick Redfern

Foi em fevereiro de 1975 que o visualizador remoto Ingo Swann foi contatado, do nada, pelo que ele pessoalmente descreveu como uma certa figura em alta posição em Washington, DC’. Foi alguém que cautelosamente avisou a Swann que ele, Swann, logo iria receber um telefonema de um “Sr. Axelrod”. A fonte de Swann calmamente o aconselhou que, embora ele não pudesse oferecer muito naquele momento a título de uma explicação significativa, Swann deveria estar ciente de que a ligação se trataria de um assunto de grande urgência e importância.

Um tanto preocupado Swann esperou … e esperou … e esperou. Finalmente, cerca de quatro semanas depois, chegou um telefonema e Swann foi convidado a fazer um encontro, poucas horas depois, no Museu Nacional de História Natural dentro do Smithsonian.

Apesar da natureza um tanto carregada de última hora da conversa, Swann concordou sem hesitar e rapidamente – embora com um grau de preocupação e apreensão – fez seu caminho cuidadoso para o local de encontro, onde foi saudado por um homem que Swann disse que parecia como um fuzileiro naval.

Embora as formalidades básicas tenham sido trocadas, Swann não sabia muito bem o que estava acontecendo: ele foi levado de carro para um segundo local, onde nada menos do que um helicóptero o esperava para levá-lo a um destino desconhecido. Tal foi a segurança e o sigilo em torno da viagem, Swann foi vendado para o voo de aproximadamente trinta minutos. Em outras palavras, a experiência estava se tornando rapidamente em proporções próximas aos filmes de 007.

Ao pousar, Swann foi levado a um elevador que desceu por um período significativo de tempo – talvez nas entranhas de alguma instalação subterrânea secreta, pensou Swann, e provavelmente com um alto grau de justificativa lógica. Com a venda finalmente removida, Swann se recompôs e foi então apresentado ao enigmático Sr. Axelrod, que admitiu que este não era seu nome verdadeiro, mas sugeriu a Swann que era uma identidade que servia aos propósitos específicos da reunião.

Axelrod não perdeu tempo e foi direto ao ponto, fazendo muitas perguntas a Swann sobre a natureza da visão remota. Axelrod também deixou claro que desejava fazer uso das habilidades de Swann – no que era claramente uma operação secreta – por uma quantia significativa de dinheiro. Foi realmente uma daquelas ofertas que não se pode recusar. E Swann, com certeza, não o recusou.

Axelrod perguntou a Swann, incisivamente, o que ele sabia sobre nossa Lua. Agora, finalmente, o propósito do estranho encontro estava se tornando muito mais claro. Alguém dentro do funcionalismo estava secretamente procurando ter a Lua vista remotamente – que é precisamente o que Swann foi em frente e fez.

Pela própria admissão de Swann, ele ficou totalmente pasmo com o que descobriu: durante uma seleção inicial, sua mente se concentrou em imagens sensacionais do que parecia ser uma enorme torre, semelhante em tamanho ao Edifício do Secretariado nas Nações Unidas, mas que voou para cima da superfície da Lua. Não se tratava de uma estrutura feita pelo homem, foi dito a Swann: era obra de nada menos do que misteriosos extraterrestres.

Em sessões de observação remota subsequentes, Swann foi capaz de perceber na superfície da Lua uma riqueza de estruturas em cúpula, maquinários avançados, torres altas adicionais, grandes estruturas em forma de cruz, curiosas construções tubulares em toda a paisagem e até mesmo evidências de o que parecia ser uma extensa operação de mineração. Alguém, ou algo, havia construído secretamente nada menos do que uma base lunar.

Curiosamente, Swann também foi capaz de focar sua mente no que parecia ser um grupo de pessoas – que pareciam muito humanas – alojadas em algum tipo de recinto na Lua, que estavam ocupadas se enterrando na lateral de um penhasco. A única esquisitice: estavam todos totalmente nus. De forma bastante sinistra e muito rápida, naquele ponto Axelrod encerrou o experimento, em meio a alusões sombrias e perturbadoras à possibilidade de que as entidades baseadas na Lua estivessem possivelmente cientes de que estavam sendo espionadas por meio de viagem astral. Foi até mesmo implícito que as próprias ações de Swann agora poderiam colocá-lo em grave perigo, se os seres decidissem virar a mesa e lhe fazer uma visita de um tipo cósmico e mortal – o que, felizmente para Swann, eles não fizeram.

Agora, chegamos ao fim da história. Em muitos aspectos, é mais instigante do que a história de Swann. Axelrod perguntou a Swann se ele conhecia um homem chamado George Leonard. Swann respondeu que não, ele não conhecia o nome. Descobriu-se que durante o mesmo período em que o sombrio Axelrod estava empregando Swann para descobrir os mistérios da Lua, Leonard – um autor – estava trabalhando arduamente, labutando em um manuscrito intitulado “Somebody Else is on the Moon” (“Alguém mais está na Lua”, em tradução livre). Em 1977, o manuscrito de Leonard apareceu em forma de livro e, em um grau significativo, concentrou sua atenção no próprio assunto sobre o qual Axelrod estava tão profundamente preocupado: a saber, estruturas ou instalações incomuns e inteligentemente projetadas na Lua.

O editor de Leonard disse:

“Poucas pessoas perceberam as palavras-código secretas usadas por nossos astronautas para descreverem a Lua. Até agora, poucos sabiam sobre as estranhas luzes móveis que relataram.

George H. Leonard, ex-cientista da NASA, lutou contra o véu oficial do sigilo e estudou milhares de fotografias da NASA, falou abertamente com dezenas de funcionários da NASA e ouviu horas e horas de fitas de astronautas.

Aqui, Leonard apresenta a evidência impressionante e inescapável descoberta durante sua investigação aprofundada: Imensas plataformas mecânicas, algumas com mais de um quilômetro de comprimento, trabalhando na superfície lunar. Estranhas marcas e símbolos geométricos no solo. Construções lunares várias vezes mais altas do que qualquer coisa construída na Terra. Veículos, trilhos, torres, canos, conduítes e correias transportadoras entrando e cruzando as crateras lunares. Alguém mais está de fato na Lua e engajada em atividades em grande escala. Nossas agências espaciais, e muitos dos principais cientistas do mundo, sabem há anos que existe vida inteligente na Lua.”

Os encontros estranhos e parecidos com a Garganta Profunda entre Swann e Axelrod – sobre a natureza do que estava acontecendo na Lua – continuaram até 1977, após o que chegaram a um fim abrupto, com Swann, sem surpresa, coçando a cabeça sobre a sequência de eventos distintamente estranha. Sem dúvida, Leonard também ficou perplexo.

(Fonte)


– n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.


PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


*Agora você também pode apoiar o OVNI Hoje através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:



ÁREA DE COMENTÁRIOS

Atenção:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores. Pessoas que insistirem em burlar as regras serão banidas dos comentários.
EnglishFrançaisDeutschItaliano日本語PortuguêsEspañol