ETs e a Brookings Institution: A confirmação de vida extraterrestre pode ser chocante

Compartilhe esta informação com a galáxia!
Tempo de leitura: 6 min.

Se você ainda acredita que uma das muitas missões da NASA é a de encontrar vida extraterrestre e divulgá-la ao público em geral, então não deixe de ler este artigo abaixo:

Humanidade está à beira da descoberta de vida extraterrestre, comunicou perante Congresso estadunidense o assistente do diretor da NASA

Por Nick Redfern

Na edição de dezembro de 1960/janeiro de 1961 do jornal NICAP UFO Investigator, um pequeno artigo foi publicado sob o título de “Relatório de Vida Espacial Pode ser um Choque”.

Ele dizia o seguinte:

“A descoberta de seres espaciais inteligentes pode ter um efeito severo sobre o público, de acordo com um relatório de pesquisa divulgado pela Administração Nacional de Aeronáutica e Espaço. O relatório alertou que os Estados Unidos deveriam se preparar para enfrentar o impacto psicológico de tal revelação. O relatório de 190 páginas foi o resultado de um estudo de US $ 96.000 de um ano conduzido pela Brookings Institution para o comitê de estudos de longo alcance da NASA.”

O NICAP expandiu ainda mais:

“A percepção pública de que seres inteligentes vivem em outros planetas pode trazer mudanças profundas, ou mesmo o colapso de nossa civilização. ‘Sociedades seguras de seu próprio lugar se desintegraram quando confrontadas por uma sociedade superior’, disse o relatório da NASA.

‘Outros sobreviveram, embora tenham mudado. Claramente, quanto melhor pudermos vir a compreender os fatores envolvidos na resposta a tais crises, mais bem preparados estaremos’.

Embora o grupo de pesquisa não esperasse nenhum contato imediato com outros seres do planeta, foi dito que a descoberta de raças espaciais inteligentes, no entanto, poderia acontecer a qualquer momento.”

O NICAP – (sigla em inglês para) o Comitê Nacional de Investigações sobre Fenômenos Aéreos, que era um grupo de estudos de pesquisa de OVNIs público – continuou:

“Embora o problema dos OVNIs não tenha sido indicado como uma razão para o estudo, sem dúvida foi um fator importante. O medo da reação pública a uma admissão da realidade dos OVNIs foi citado como a principal razão para o sigilo nos primeiros anos da investigação da FA [Força Aérea].

A comunicação por rádio provavelmente seria a primeira prova de outra vida inteligente, diz o relatório da NASA. Ele acrescenta: ‘Evidências de sua existência também podem ser encontradas em artefatos deixados na Lua ou em outros planetas’.”

O NICAP observou ainda que o documento deu peso ao:

“… pensamento anterior de estudiosos que sugeriram que a Terra já pode estar sob o escrutínio de corridas espaciais avançadas. Em 1958, o Prof. Harold D. Lasswell da Escola de Direito de Yale declarou: ‘As implicações dos OVNIs podem ser que já somos vistos com suspeita por civilizações mais avançadas e que nossas tentativas de ganhar um ponto de apoio em outro lugar podem ser rejeitadas como uma ameaça para outros sistemas de ordem pública.’”

ETs e a Brookings Institution: confirmação de vida extraterrestre pode ser chocante
Prof. Harold D. Lasswell

O NICAP concluiu:

“O alerta da NASA de um possível choque para o público, a partir da revelação de civilizações mais avançadas, apóia os argumentos anteriores do NICAP contra o sigilo da FA [Força Aérea] sobre os OVNIs. Todas as informações disponíveis sobre OVNIs devem ser fornecidas ao público agora, para que estejamos preparados para qualquer eventualidade.”

O documento a que o NICAP se referia era intitulado “Proposed Studies on the Implications of Peaceful Space Activities for Human Affairs” (Estudos Propostos sobre as Implicações de Atividades Espaciais Pacíficas para Assuntos Humanos). Foi um documento escrito por um funcionário da Brookings Institution chamado Donald N. Michael. O relatório foi contratado pelo Committee on Long Range Studies, que era um braço da NASA, a National Aeronautics and Space Administration. O documento foi concluído e fornecido à Câmara dos Representantes no 87º Congresso dos Estados Unidos em 18 de abril de 1961.

Mais de meio século depois de ter sido concluído, o documento ainda é conhecido por seu conteúdo intrigante e controverso, muito do qual tem impacto potencial no fenômeno OVNI. Um de seus trechos mais notáveis ​​diz:

“Embora encontros cara a cara com isso não ocorram nos próximos vinte anos (a menos que sua tecnologia seja mais avançada que a nossa, qualificando-o para visitar a Terra), artefatos deixados em algum ponto no tempo por essas formas de vida podem ser descobertas por meio de nossas atividades espaciais na Lua, Marte ou Vênus.”

Foi sugerido por alguns teóricos de OVNIs que esta declaração de “artefatos” pode implicar que Brookings e a NASA já haviam descoberto dados sobre – e fotos seguras de – o controverso “Rosto em Marte”. O relatório então faz o que só pode ser interpretado como uma ameaça velada, sobre o que o futuro pode trazer, se a presença de vida extraterrestre inteligente em nosso meio for confirmada:

“Os arquivos antropológicos contêm muitos exemplos de sociedades, seguras do seu lugar no universo, que se desintegraram quando tiveram de se associar a sociedades antes desconhecidas que defendiam ideias e modos de vida diferentes; outros que sobreviveram a tal experiência geralmente o fizeram pagando o preço das mudanças nos valores, atitudes e comportamento.”

O artigo de Michaels continuou:

“Uma vez que a vida inteligente pode ser descoberta a qualquer momento por meio da pesquisa de radiotelescópio atualmente em andamento, e uma vez que as consequências de tal descoberta são atualmente imprevisíveis devido ao nosso conhecimento limitado do comportamento, mesmo em uma aproximação de tais circunstâncias dramáticas, duas áreas de pesquisa podem ser recomendadas:

Continuar os estudos para determinar a compreensão e as atitudes emocionais e intelectuais – e as sucessivas alterações delas, se houver – sobre a possibilidade e as consequências da descoberta de vida extraterrestre inteligente.

Estudos históricos e empíricos do comportamento dos povos e seus líderes quando confrontados com eventos dramáticos e desconhecidos ou pressões sociais. Esses estudos podem ajudar a fornecer programas para atender e ajustar as implicações de tal descoberta.

As perguntas que se poderia desejar responder por meio de tais estudos incluiriam: Como essas informações, em que circunstâncias, podem ser apresentadas ou ocultadas do público para que fins? Qual pode ser o papel dos cientistas descobridores e outros tomadores de decisão em relação à liberação do fato da descoberta?”

As perguntas eram muitas. É verdade que eram teóricas, mas provocaram sobrancelhas levantadas e pensamentos preocupados dentro da NASA e do governo dos EUA.

Brookings disse sobre as reações de um indivíduo a tal contato de rádio:

“… dependeria em parte de sua formação cultural, religiosa e social, bem como das ações daqueles que ele considerava autoridades e líderes, e seu comportamento, por sua vez, em parte dependem de seu ambiente cultural, social e religioso.”

E, como a equipe da Brookings também disse:

“A descoberta certamente seria notícia de primeira página em todos os lugares; o grau de repercussão política ou social provavelmente dependeria da interpretação da liderança de (1) seu próprio papel, (2) ameaças a esse papel e (3) oportunidades nacionais e pessoais para tirar vantagem da ruptura ou reforço das atitudes e valores de outros.

Uma vez que a própria liderança pode ter grande necessidade de avaliar a direção e intensidade das atitudes públicas, para fortalecer seu próprio moral e para fins de tomada de decisão, seria mais vantajoso ter mais para prosseguir do que opiniões pessoais sobre as opiniões do público e outros grupos de liderança.”

Brookings destacou uma questão importante que a conformação da vida alienígena pode ter na Raça Humana, como um todo:

“O conhecimento de que existia vida em outras partes do universo pode levar a uma maior unidade dos homens na Terra, baseada na ‘unidade’ do homem ou na suposição antiga de que qualquer estranho é ameaçador. Muito dependeria do que, se alguma coisa, foi comunicado entre o homem e os outros seres.”

Uma das questões mais polêmicas que ocupou a Brookings foi aquela relativa ao impacto que a existência de vida alienígena teria no mundo da religião:

“As posições das principais denominações religiosas americanas, as seitas cristãs e as religiões orientais sobre o assunto de vida extraterrestre precisam de elucidação.

Considere o seguinte: As seitas fundamentalistas (e anticientíficas) estão crescendo rapidamente em todo o mundo. Para elas, a descoberta de outra vida – em vez de qualquer outro produto espacial – seria eletrizante. Alguns estudos esparsos precisam ser feitos tanto em seus home centers e igrejas como em suas missões, em relação às atitudes sobre atividades espaciais e vida extraterrestre.

Se a vida vegetal ou alguma inteligência subumana fosse encontrada em Marte ou Vênus, por exemplo, não há nenhuma boa razão para supor que essas descobertas, após a novidade original ter sido explorada ao máximo e desgastada, resultariam em mudanças substanciais em perspectivas ou filosofia em grande parte do público americano, pelo menos não mais do que, digamos, a descoberta do celacanto ou do panda.”

A Brookings aconselhou a NASA que raça humana tinha uma chance muito boa de ter seu ego coletivo ferido por um contato imediato com alienígenas:

“Se a superinteligência for descoberta, os resultados se tornarão bastante imprevisíveis.

É possível que, se a inteligência dessas criaturas fosse suficientemente superior à nossa, eles escolheriam ter pouco ou nenhum contato conosco. Diante disso, não há razão para acreditar que possamos aprender muito com eles, especialmente se sua fisiologia e psicologia fossem substancialmente diferentes das nossas.”

Ironicamente, a Brookings observou, aqueles com maior probabilidade de serem “devastados” pela descoberta de vida extraterrestre podem não ser o público em geral, mas a comunidade científica – as mesmas pessoas que procuram os alienígenas.

A Brookings explicou sua posição sobre o assunto da seguinte maneira:

“Especula-se que, de todos os grupos, os cientistas e engenheiros podem ser os mais devastados pela descoberta de criaturas relativamente superiores, uma vez que essas profissões estão mais claramente associadas ao domínio da natureza do que à compreensão e expressão do homem.

O conhecimento avançado da natureza pode corromper, no mínimo, todas as nossas teorias, se não também exigir uma cultura e talvez um cérebro inacessível aos cientistas da Terra.

Talvez seja interessante notar que, quando questionados sobre quais seriam as consequências da descoberta da vida superior, uma audiência dos leitores da Saturday Review optou, em grande parte, por não responder à pergunta, apesar de suas respostas detalhadas a muitas outras questões especulativas.

Um meio possível, mas não completamente satisfatório, de tornar a possibilidade ‘real’ para muitas pessoas seria confrontá-las com as especulações atuais sobre o QI do golfinho e encorajá-los a aprofundar as implicações desta situação.

Esses estudos incluiriam reações históricas a boatos, manifestações psíquicas, objetos voadores não identificados, etc. O estudo de Hadley Cantril, Invasão de Marte (Princeton University Press, 1940), forneceria um guia útil, embora limitado, nesta área.

Um entendimento produtivo pode ser obtido a partir de um estudo comparativo de fatores que afetam as respostas das sociedades primitivas à exposição a sociedades tecnologicamente avançadas. Alguns prosperaram, alguns resistiram e alguns morreram.”

É esta frase final que a humanidade tinha – e ainda tem – mais com que se preocupar. Se extraterrestres – amigáveis ​​ou hostis – um dia se mostrarem para nós, há uma grande chance de que, como o relatório da Brookings observou todas aquelas décadas atrás, de uma perspectiva psicológica, possamos não sobreviver ao encontro, pelo menos não intactos.

(Fonte)


Com base no que foi relatado no artigo acima, fica muito claro que a NASA nunca irá revelar nenhuma informação sobre a vida extraterrestre. O artigo também nos mostra o porquê da comunidade científica em geral se manter longe da pesquisa dos objetos voadores não identificados (OVNIs) reportados pelo mundo afora, os quais desafiam as leis da física.

Indo um pouco mais além, considerando-se o que tem ocorrido ultimamente no mundo pelo controle do poder – até mesmo pelas grandes empresas de tecnologia – é mais do que óbvio de que aqueles que desafiam o status quo são imediatamente silenciados e acusados de malucos, ou até mesmo terroristas.

E sim, a confirmação “oficial” de vida fora da Terra, inteligente ou não, é uma grande ameaça àqueles entre nós humanos que se acham donos do mundo. Mesmo assim, continuamos em nossa missão de trazer até você as peças desse monumental quebra-cabeças, o qual um dia poderá até mesmo resolver um dos maiores mistérios para nós: a origem da humanidade na Terra.

n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe esta informação com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site.

Clique aqui para apoiar através do site Apoia.se, ou use o botão abaixo:


*Agora você também pode apoiar o OVNI Hoje através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:

(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.