Exército dos EUA desenvolve tecnologia para soldados lerem mentes

Compartilhe esta informação com a galáxia!
Tempo de leitura: 2 min.
Exército dos EUA desenvolve tecnologia para soldados lerem mentes
Crédito da imagem: depositphotos.com

Uma pesquisa inovadora sobre a decodificação de sinais do cérebro apresenta a possibilidade de que os soldados possam se comunicar telepaticamente com seus colegas no futuro. A pesquisa foi financiada pelo Escritório de Pesquisa do Exército dos EUA nos últimos cinco anos, produzindo resultados que incluíam a separação de sinais cerebrais que informam o comportamento daqueles sinais que não informam. Presumindo que isso funcione, os resultados significativos dessa tecnologia em relação ao Exército dos EUA são que ela potencialmente daria aos soldados americanos uma vantagem na comunicação em tempos de alta tensão e guerra.

O desenvolvimento de interfaces cérebro-humano é uma área de interesse de longa data na indústria de tecnologia. O exemplo mais recente disso veio quando Elon Musk demonstrou que uma interface operacional cérebro-computador permitiria a “simbiose humano-IA” de sua empresa iniciante Neuralink.

A iteração mais recente é diferente da versão do protótipo colocada em exibição durante o evento de 2019 da Neuralink, pois é totalmente sem fio e carrega por indução. Musk também sugeriu que o dispositivo pode tratar doenças cotidianas, como estresse e ansiedade.

A pesquisa militar dos EUA está prevista para ter áreas de dificuldade semelhantes às da Neuralink, em que ambas enfrentarão desafios quando se trata de ler e escrever a atividade do cérebro. A base neurológica para condições emocionais ainda não é uma área totalmente compreendida pela comunidade científica. Ensinar o cérebro a realizar pequenas tarefas por meio de uma interface conectada a um computador exige um treinamento substancial.

Os resultados da pesquisa indicaram que a atividade cerebral relacionada ao movimento e outros sinais relevantes para o comportamento podem ser separados e filtrados de outras atividades usando um algoritmo.

“Aqui, não estamos apenas medindo sinais, mas também os interpretando”, disse Hamid Krim, um gerente de programa do Gabinete de Pesquisa do Exército.

Os pesquisadores têm esperança de que a tecnologia chegue a um ponto em que possa fornecer feedback direto e suficiente para o cérebro em um esforço para mudar ações rapidamente em cenários sensíveis ao tempo. Essa descoberta também pode abordar os sinais de estresse e fadiga que o cérebro desenvolve antes que a pessoa se torne consciente de que está cansada, eventualmente evoluindo para uma comunicação silenciosa.

Esse tipo de avanço tecnológico pode permitir que o cérebro se comunique com computadores e envie sinais a outros soldados.

Krim disse:

“Em um teatro, você pode ter duas pessoas conversando sem … mesmo sussurrar uma palavra. Então você e eu estamos lá fora no teatro e temos que … falar sobre algo que estamos enfrentando. Eu basicamente falei com meu computador – seu computador pode estar em seu bolso, pode ser seu telefone celular ou qualquer outro – e aquele computador fala com … o computador de seu colega de equipe. E então o computador dele falará com seu colega de equipe.”

Pesquisadores da University of Southern California, que fizeram parceria com a Duke e a New York University, bem como com as universidades de Essex, Oxford e Imperial College no Reino Unido, monitoraram as ações de um macaco alcançando uma bola para separar sinais cerebrais baseados em movimento de outros atividade mental.

Krim disse:

“Você pode ler o que quiser; não significa que você o entende. O próximo passo depois disso é ser capaz de entender. O próximo passo é dividi-lo em palavras para que … você possa sintetizar em um sentido, como você aprende seu vocabulário e seu alfabeto, então você é capaz de compor … No final do dia, essa é a intenção original principalmente: ter o computador realmente em um modo de comunicação full duplex com o cérebro.”

Embora os soldados possam um dia ser capazes de se comunicar uns com os outros usando esta tecnologia, é incerto se essa ideia se traduziria em tocar telepaticamente na função cerebral de um inimigo.

O Sr. Krim afirmou que esse tipo de interface máquina-homem que poderia ser usada em tempos de guerra ainda está a décadas de distância.

(Fonte)

Colaboração: MaryH


Penso que mais próxima está a possibilidade de usarem robôs ao invés de soldados. Mas talvez este não seja o plano dos donos do mundo, pois precisam que pessoas morram para dar lugar a outras.

n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe esta informação com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site.

Clique aqui para apoiar através do site Apoia.se, ou use o botão abaixo:


*Agora você também pode apoiar o OVNI Hoje através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:

(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.