Mais reações sobre informações recém liberadas sobre OVNIs/OSNIs

Tempo de leitura: 3 min.

Um artigo de Tim McMillan publicado ontem no site thedebrief.org causou grande tumulto na comunidade ovnilógica, e possivelmente também governamental dos EUA. Como já era de se esperar, aquele artigo gerou várias opiniões em forma de outros artigos, como um já publicado aqui no OH, e abaixo está outro artigo muito informativo, desta vez escrito por Adam Kehoe:

Mais reações sobre informações recém liberadas sobre OVNIs/OSNIs

O artigo mais recente de Tim McMillan no Debrief oferece várias informações importantes:

  • Houve briefings de altíssimo nível sobre UAPs (OVNIs) com o Departamento de Defesa, incluindo o Secretário da Marinha
  • Parece que informações sobre incidentes com UAPs estão circulando amplamente na comunidade de inteligência
  • Houve vários incidentes recentes que produziram dados do sensor MASINT, além de imagens
  • Há um foco emergente no aspecto ‘transmédio’ de alguns incidentes onde objetos não identificados parecem viajar livremente entre a atmosfera e o oceano
  • McMillan fornece uma análise do General Brigadeiro Bruce McClintock da Força Aérea dos EUA, que diminui ainda mais a probabilidade desses objetos serem algum tipo de teste secreto dos EUA

Tendo concluído recentemente uma análise retrospectiva do estudo governamental sobre UAPs/OVNIs, o relato de McMillan me parece um momento revolucionário. Anteriormente, o estudo do governo sobre UAPs encontrou sérios problemas para acessar a liderança sênior do Pentágono. O ex-diretor da AATIP, Luis Elizondo, me disse em uma entrevista que ele e sua equipe tiveram dificuldade em verificar se eram o único programa que estava analisando o assunto. Eles também nunca foram capazes de informar diretamente o Secretário de Defesa.

Este relatório indica que vários bloqueios importantes foram quebrados. A liderança sênior nas forças armadas e no Congresso está recebendo instruções. As informações agora estão circulando amplamente além de apenas um pequeno grupo. Os dados estão sendo coletados e compartilhados de uma forma que provavelmente levará a mais atenção e análise.

O que estamos aprendendo também se compara com décadas do que sabemos de outros esforços do governo para examinar esta questão: parece haver um nexo importante com incidentes subaquáticos envolvendo objetos submersíveis não identificados (OSNIs). O estudo soviético e russo dessas questões também teve um foco importante nos OSNIs.

Tim McMillan também inclui duas citações importantes do General Brigadeiro aposentado da Força Aérea dos Estados Unidos, Bruce McClintock, sobre a possibilidade de que sejam testes secretos dos EUA.

Ele disse ao The Debrief em uma entrevista:

“É improvável que o governo dos EUA conduza testes intencionalmente contra seus próprios ativos militares involuntários. Para fazer isso, seria necessário um nível muito alto de coordenação e aprovação para os riscos potenciais de segurança operacional.”

Sobre a possibilidade de serem testes de um concorrente estrangeiro, ele disse:

“Não está fora do campo do plausível que um adversário testaria a capacidade dos Estados Unidos de detectar alguma nova capacidade, embora fosse mais provável que eles só fizessem isso depois de testar a capacidade dentro ou perto de seu próprio território antes de tentar penetrar no espaço aéreo dos EUA.”

Também vale a pena repetir que é improvável que a comunidade de inteligência circule amplamente a análise sem primeiro verificar se esses objetos não são programas secretos dos Estados Unidos.

Em suma, aqui está como vejo as implicações:

  • Esta questão está começando a ser levada mais a sério e a envolver um grupo muito mais amplo de pessoas dentro do governo
  • O estigma em torno do briefing à liderança sênior parece estar diminuindo, com base no relato de McMillan
  • A ideia de que os avistamentos mais significativos decorrem de testes secretos dos EUA está enfraquecendo
  • Esta é claramente uma questão verdadeiramente “conjunta” entre a Marinha e a Força Aérea. Faz sentido para o Office of Naval Intelligence liderar, dada a importância emergente dos OSNIs
  • A combinação de dados crescentes e maior confiança de que não se trata de plataformas dos EUA deve aumentar dramaticamente o nível de interesse e seriedade na investigação desses avistamentos. Esta é uma questão de defesa nacional de alta prioridade.

O que deve acontecer a seguir? Há uma série de coisas que deveriam estar na agenda:

  • Jornalistas e pesquisadores precisam continuar a fazer perguntas ao Congresso e ao próximo governo Biden para garantir que haja pressão para formar uma resposta robusta e coerente a essas descobertas
  • Precisamos de maior enfoque no aspecto verdadeiramente ‘combinado’ da Marinha, Força Aérea e Força Espacial desta questão…
  • Eventualmente, uma discussão pública será necessária sobre se este esforço deve ser localizado em um corpo militar ou civil
  • Precisamos estar alertas para a possibilidade de que a super classificação e a comunicação entre filiais sejam um problema material. Este é um bom momento para revisar a Ordem Executiva 13526 e ver se alguma mudança precisa ser feita na política de sigilo subjacente
  • Sabemos por ex-funcionários envolvidos nesses programas que não há muita largura de banda para pesquisas históricas. A comunidade de pesquisa interessada neste tópico pode ajudar, redobrando seus esforços para fazer pesquisas fundamentadas e baseadas em evidências sobre o aspecto naval subestimado desse fenômeno. Por exemplo, sabemos que existe uma literatura soviética sobre os OSNIs que não tem recebido muita atenção no Ocidente.

Em suma, o artigo de McMillan aponta para indicações de progresso genuíno. Também estabelece implicitamente uma agenda para aqueles interessados ​​em causar um impacto nesta história.

(Fonte)

Colaboração: Marcelino


Estaríamos bem mais próximos de um desacobertamento total encabeçado pelo governo dos EUA? O tempo dirá.

Mesmo assim, aquilo que o artigo de McMillan nos relata deixa cada vez mais claro que esses misteriosos objetos são de origem alheia à raça humana (pelo menos da raça humana que conhecemos).

A bola está agora no lado da quadra dos militares e agências governamentais dos EUA. Como eles irão acertá-la com a raquete será decisivo para obtermos um progresso palpável na resolução do mistério do fenômeno OVNI. Esperemos que eles não joguem a bola para fora da quadra.

E, caso você ainda não percebeu, agora a questão não é mais se os OVNIs existem, mas sim quem são os responsáveis por eles. Diga isso para aquele amigo ou amiga que não acredita na existência dos OVNIs (que também são OSNIs).

n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site.

Clique aqui para apoiar através do site Apoia.se, ou use o botão abaixo:


*Agora você também pode doar através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:

(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.