web analytics
Tempo de leitura: 3 min.

Por que o ano de 536 é considerado o pior da história da humanidade?

Tempo de leitura: 3 min.
Por que o ano de 536 é considerado o pior da história da humanidade?
Eyjafjallajökull durante as erupções de 2010. Crédito: HitIceland


O que faz os historiadores acreditarem que 536 foi o pior ano da história da humanidade? Teria sido uma catástrofe global natural ou eventos causados ​​inteiramente por humanos?

Se você pensa que agora em 2020, tudo está ruim – o coronavírus, o petróleo e toda a economia mundial em geral – você deve saber: houve tempos piores na história da Terra. E foram muito, muito piores.

“O sol escureceu e essa escuridão durou 18 meses. Cada dia durava cerca de quatro horas, e essa luz era apenas uma sombra tênue. Acreditava-se que o Sol nunca recuperaria sua luz. Os frutos não amadureceram e o vinho tinha gosto de uvas verdes.”

Essas palavras pertencem ao cronista Miguel, o Sírio, e os eventos referem-se ao distante ano de 536.

Outro historiador, o bizantino Procópio de Cesaréia, relatou ainda mais:

“Este ano aconteceu o maior milagre: durante todo o ano o Sol emitiu luz como a Lua, sem raios, como se perdesse as forças, tendo cessado, como antes, de um sono limpo e luminoso. Desde que isso começou, nenhuma guerra parou entre as pessoas, nem peste, nem qualquer outra calamidade que traga a morte. Então foi o décimo ano do reinado de Justiniano.”

Tanto Miguel, o Sírio, quanto Procópio só podiam adivinhar o que causou esse “fim do mundo” e, como resultado, a onda de frio e a quebra total da safra. Os cientistas modernos, se eles abordaram a solução, só podem presumir que a causa desses fenômenos foi uma série de poderosas erupções vulcânicas.

Lembram-se do modesto e difícil de pronunciar vulcão Eyjafjallajökull, que paralisou o tráfego aéreo em 2010? Então, em 536, vários “Eyjafjallajökulls” muito mais poderosos explodiram ao mesmo tempo. E a civilização congelou de medo e ansiedade.

Consequências da catástrofe que fez de 536 o pior ano da história da humanidade

No entanto, as consequências de uma catástrofe global, como bem nota Procópio de Cesaréia, foram se manifestando gradativamente: “nem a guerra, nem a peste global” pararam no planeta por muitos anos. Na verdade, a cauda desse cometa sangrento foi muito longa!

No próprio ano de 536, o fim do mundo não veio no sentido pleno da palavra, exceto pela quebra de safra e pela fome que se seguiram.

O comandante bizantino Belisário, que havia recentemente colocado fim ao reino dos vândalos, marchou vitoriosamente pela Itália e em dezembro de 536 tomou Roma: parece que isso havia devolvido a Cidade Eterna ao seu porto de origem e revitalizado o Império Romano unido.

Mas esses sucessos enganaram. A guerra com os godos, travada por Bizâncio na Itália, durou quase duas décadas e levou a enormes baixas e destruição. A florescente Itália havia se transformado, senão em um deserto, então em um lugar bastante deserto e pouco atraente, além disso, mal protegido.

Isso logo permitiu que novos invasores do norte ocupassem a Península Apenina – os lombardos, que destruíram os vestígios da civilização romana que ainda permaneciam lá após a sangrenta Guerra Gótica. Os sucessores da causa de Belisarius não conseguiram parar este ataque.

Os lombardos foram para a Itália por um motivo. Imediatamente após a erupção dos vulcões e o resfriamento nas planícies do Danúbio, onde esses germânicos viviam mais ou menos confortavelmente nas proximidades de seus parentes, os gépidas, surgiram novos bárbaros: os ávaros.

As mudanças climáticas os forçaram a deixar as estepes do Mar Negro e se mudar com todos os seus pertences para o oeste – para a Europa central, para a fértil planície da Panônia, que há séculos atrai nômades de todos os tipos. Os ávaros eram guerreiros excelentes, sua cavalaria naquela época não conhecia nenhuma outra igual.

Os ávaros “empurraram” os lombardos, destruíram os gépidas e geralmente esmagaram todos que os encontravam e, no final do século VI, formaram um poderoso proto-estado ao norte das fronteiras do Império Romano Oriental. Seu pico foi em 626 quando eles tentaram dominar Constantinopla.

Possíveis causas alternativas da catástrofe global

Mas mesmo antes de 626, muitas coisas aconteceram, o que podemos considerar como causas alternativas de porquê de 536 ter sido o pior ano da história da humanidade. Há uma hipótese (embora não comprovada) de que uma forte onda de frio provocou uma mutação do bacilo da peste – em algum lugar distante ao leste, na China ou no Tibete.

Por vários anos, a peste, junto com os ratos, vagou para o Mediterrâneo. Por volta de 541-544, Pérsia, Oriente Médio, Bizâncio e, posteriormente, toda a região do Mediterrâneo foi tomada por uma terrível pandemia de peste bubônica.

Em Constantinopla, de acordo com o testemunho de Procópio de Cesaréia (ele foi uma testemunha ocular desses eventos), cinco a dez mil pessoas morriam todos os dias, não havia nenhum lugar para enterrar os mortos, eles foram simplesmente descarregados em torres de água abandonadas. Mesmo sem um grande cataclismo natural, esses foram os piores anos da história da humanidade até aquele momento, com certeza.

Duas décadas depois, a peste atingiu a Europa Ocidental, como podemos aprender na “História dos Francos” do Bispo Gregório de Tours:

“Durante a própria praga, a mortalidade em toda a região era tão grande que não dá para contar quantas pessoas morreram ali. E, de fato, quando os caixões e tábuas não eram mais suficientes, dez ou mais pessoas eram enterradas em uma cova.

Houve trezentos mortos na Basílica de São Pedro em um domingo”.

E ainda Bizâncio e os reinos germânicos da Europa, embora com grandes perdas, resistiram a esse cataclismo global. Os romanos tiveram que cair em um profundo abismo demográfico e desistir para sempre de seus sonhos de restaurar o antigo Império Romano. Os francos, saxões e lombardos viveram incansavelmente por várias décadas, mas também mantiveram sua identidade e condição de Estado. Mas também houve perdas irrecuperáveis.

Exausto por epidemias e guerras sem fim, o Irã Sassânida não conseguiu resistir aos novos invasores dos desertos do sul – os árabes. Por duas décadas, a florescente “superpotência”, que dividiu o mundo ao meio, primeiro com Roma, depois com Constantinopla, simplesmente deixou de existir.

É claro que esse cataclismo causou um impacto negativo em todo o mundo, e relacionar todas as consequências possíveis seria impossível.

Devido a esses fatos é que muitos historiadores acreditam que 536 foi o pior ano da história da humanidade.

(Fonte)


Não sejamos moleirões. Há coisas muito piores que esta “pandemia” e aqueles que não se deixam levar pelo negativismo devem agir como faróis que iluminam o caminho para pelo menos para com as pessoas ao seu redor imediato.

n3m3

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é produtos-OVNI-Hoje-1.jpg
O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é Loja-Nerd.jpg

Leitores OVNI Hoje ganham 10% de desconto em todos os produtos da Loja Nerd, inclusive nos produtos OVNI Hoje.

Use o cupom OVH10


*Agora você também pode apoiar o OVNI Hoje através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:



ÁREA DE COMENTÁRIOS

Atenção:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores. Pessoas que insistirem em burlar as regras serão banidas dos comentários.
EnglishFrançaisDeutschItaliano日本語PortuguêsEspañol