Pilotos e aeronaves engolidos pelos OVNIs

Tempo de leitura: 5 min.
Pilotos e aeronaves engolidos pelos OVNIs
Imagem de caso onde OVNI é visto próximo de aeronave, mas não relacionada ao artigo.

Porque “V” significa “voador” na sigla OVNI, é lógico que os pilotos sejam frequentemente testemunhas de OVNIs. Certamente o são e existe até um centro de reportagem especializado só para eles. O National Aviation Reporting Center on Anomalous Phenomena (Centro Nacional de Relatos de Aviação sobre Fenômenos Anômalos) foi fundado em 1999 pelo Dr. Richard M. Haines. A organização se dedica ao estudo de Fenômenos Aéreos Não Identificados e seus efeitos na segurança da aviação. A propósito, o Dr. Haines acha a designação OVNI para o fenômeno tão desagradável que ele se recusa a aparecer no Podcast OVNI. A maioria dos pilotos prefere manter o anonimato, já que admitir publicamente ter visto um disco voador não costuma ser uma melhoria em suas carreiras.

Existem, no entanto, avistamentos que tornaram notícias nacionais e internacionais, com o nome do piloto incluído. Estes vem já de 1947 com o avistamento por Kenneth Arnold e outro no mesmo ano por seu futuro amigo, E. J. Smith, junto com sua tripulação. Mas, às vezes, há encontros em que aviões desaparecem do radar e os pilotos não são deixados para trás para contar suas histórias.

Ao abordar este assunto, é natural começar com o Triângulo das Bermudas e o trágico caso do Voo 19 de 5 de dezembro de 1945. O evento envolveu cinco torpedeiros TBM Avenger que decolaram em uma missão de treinamento e nunca mais retornaram. Vinte e sete homens se perderam e nunca mais foram vistos. Embora alguns tenham especulado que os alienígenas tenham sido os responsáveis, não há registro dos pilotos relatando quaisquer OVNIs. Uma explicação mais plausível é que o líder ficou confuso, perdeu a confiança em sua bússola e conduziu seu esquadrão para longe no Atlântico, onde ficou sem combustível.

Há outro triângulo conhecido como Triângulo dos Grandes Lagos, que já conquistou sua parcela de vítimas. Esta foi a área de um caso verdadeiramente misterioso envolvendo um avião que desapareceu e um OVNI visto no radar. Conhecido como “Incidente Kinross”, esse evento ocorreu no Lago Superior em 23 de novembro de 1953. Uma aeronave desconhecida, viajando a 800 km/h aproximadamente 260 quilômetros a noroeste, foi localizada no radar da Base Aérea Kinross. Às 2322 horas (23h22), um interceptor a jato F-89C foi escalado para interceptar. Havia dois homens a bordo: o piloto, o tenente Felix Moncla, Jr., e o observador de radar, o tenente Robert Wilson. O último contato de rádio foi feito aproximadamente em 2352 pela estação de radar da Kinross. Em 2355, os blips do F-89C e do objeto desconhecido se fundiram e depois desapareceram da tela. Não houve mais contato com o F-89C. Uma extensa busca foi feita e nenhum vestígio da aeronave ou de sua tripulação foi encontrado.

Cinco anos antes disso, houve o Incidente Mantell, que envolveu o piloto da Guarda Aérea Nacional de Kentucky, Thomas Mantell. Mantell estava perseguindo um OVNI e o perseguiu além de uma altitude de 25.000 pés (7.600 metros), onde, de acordo com o relatório da Força Aérea, ele provavelmente sucumbiu à hipóxia (falta de oxigênio) e perdeu a consciência. Uma testemunha relatou ter visto seu avião cair no chão em uma descida em espiral.

O caso recebeu cobertura da imprensa nacional e a explicação da Força Aérea, oferecida por J. Allen Hynek como consultor científico do Projeto Sign, foi que Mantell havia perseguido o planeta Vênus. Hynek, em 1952, rejeitou essa explicação quando determinou que Vênus não era brilhante o suficiente para ser visto. O Projeto Sign se tronou então no Projeto Blue Book e seu primeiro diretor, o capitão Edward J. Ruppelt, ficou satisfeito com a explicação e que Mantell estava perseguindo um balão meteorológico Skyhook da Marinha dos EUA, que era metálico, com 30 metros de diâmetro e secreto na época.

Nenhuma das explicações satisfez a imprensa ou o público e pode ter sido que a lição aprendida com este caso influenciou o manejo da imprensa pela Força Aérea após o Incidente Kinross. Este caso recebeu muito pouca cobertura e poderia ter sido esquecido se não fosse por Donald Keyhoe. Keyhoe escreveu sobre o caso em seu livro de 1955, “The Flying Saucer Conspiracy” (A Conspiração dos Discos Voadores).

A explicação da Força Aérea, que ainda existe hoje, foi que o OVNI era um avião de transporte C-47 da Força Aérea Real Canadense e que algum tipo de interação diferente de uma colisão fez o F-89C cair. O governo canadense negou que qualquer um de seus aviões estivesse envolvido no incidente.

Em setembro de 2006, Francis Ridge, do Comitê Nacional de Investigações sobre Fenômenos Aéreos, recebeu um e-mail afirmando que haviam sido encontrados destroços de um F-89C no fundo do Lago Superior. Uma empresa chamada “The Great Lakes Dive Company” supostamente o notou e tinha um site onde um “Adam Jimenez” hospedava um fórum para discutir a descoberta. A história viajou por toda a comunidade OVNI e os investigadores investigaram.

Linda Moulton Howe entrevistou Adam Jimenez no programa de rádio Coast to Coast AM em 22 de setembro de 2006. Em uma atualização de 7 de outubro de 2006 em seu site, earthfiles.com, ela relatou que o site do GLDC não está mais funcional e que Jimenez e seus associado, Jim Bessette, não retornou telefonemas ou e-mails. Ela havia sido informada de que a empresa estaria se mudando e não seria estabelecida novamente até outubro e ela especula que esse pode ser um motivo. Tornando isso improvável, no entanto, é a notícia de que o então diretor da MUFON, James Carrion, não conseguiu encontrar evidências de uma empresa fazendo negócios no estado de Michigan com o nome dado.

Uma transcrição da entrevista de Jimenez está incluída abaixo da atualização e Jimenez apresenta algumas evidências intrigantes. De acordo com ele, eles estavam usando um conjunto de sonar para localizar dois caça-minas canadenses franceses que haviam afundado na Península de Keweenaw quando o conjunto desenvolveu problemas e precisava ser reparado. Quando eles retomaram, era tarde demais para continuar procurando pelos caça-minas, então eles decidiram tentar o F-89C porque estavam perto de suas últimas coordenadas conhecidas. Uma imagem do que parece ser o avião foi tirada do site do GLDC, assim como outra imagem que se parece com um disco no final de uma “marca de slide” em forma de cunha. Por mais intrigante que seja, há bons argumentos de que isso foi uma farsa, incluindo o fato de que Adam Jimenez parece nunca ter existido.

Um caso mais recente vem da Austrália. É conhecido como o Desaparecimento de Valentich e, como o nome sugere, envolve o desaparecimento de um jovem piloto chamado Frederick Valentich. Em 21 de outubro de 1978, Valentich estava voando em um Cessna 182 no início da noite perto de Cape Otway, a sudoeste de Melbourne. Ele ligou para o Controle de Tráfego Aéreo em Melbourne para perguntar sobre o tráfego na área abaixo de 5000 pés e foi informado de que não havia nenhum. Ele então relata que parece haver uma grande aeronave ali com quatro luzes de pouso. Ele diz que passou por cima dele e que “parece estar jogando algum tipo de jogo”. Ele a descreve como não sendo uma aeronave, que tem um formato longo e que “tem essa velocidade”. Ela paira sobre ele enquanto “orbita” e ele descreve que tem uma luz verde e é brilhante e metálico. Ele a descreve desaparecendo e pairando sobre ele novamente. Ele repete que “não é uma aeronave” e a transmissão termina.

O operador da torre de Melbourn conta sua história em um segmento de The Unexplained Files. O operador de serviço de voo Stephen Robey relata que, após o término da transmissão, houve um “som de clique” que era “pulsante, eletrônico”

Uma busca foi realizada em dois aviões de transporte RAAF e nada foi encontrado. Supôs-se que Valentich tivesse caído no oceano. O caso foi manchete no dia seguinte e testemunhas se apresentaram dizendo que viram luzes incomuns na área. Um encanador, Roy Manifold, apresentou fotos do que alegou ser um objeto que saiu da água e voou em alta velocidade. A melhor delas é embaçada e o objeto aparece como uma nuvem negra amorfa.

O avião de Valentich nunca foi encontrado e teorias que vão desde abdução alienígena até ele fingir sua morte foram divulgadas, mas nada foi provado conclusivamente. Richard Haines, junto com Paul Norman da Victorian UFO Research Society, escreveu um artigo, “Valentich Disappearance: New Evidence and a New Conclusion.” O artigo foi publicado no Journal of Scientific Exploration, vol. 14, No. 1, pp. 19-33, 2000. Inclui o depoimento de três testemunhas que afirmaram ter visto um avião na área no momento da última transmissão de Valentich. Eles disseram que desceu “em um ângulo íngreme com um objeto muito maior com luzes verdes voando logo acima dele. “O resumo conclui que o avião provavelmente caiu a sudeste do Cabo Marengo a 3-12 milhas da costa e que o objeto relatado” ainda precisa ser identificado.

O desaparecimento de pilotos e aviões fascinou o público desde o desaparecimento de Amelia Earhart. Os aviões são muito pequenos quando comparados à vastidão do Lago Superior ou ao oceano e podem facilmente evadir a descoberta por anos ou até para sempre. No entanto, até que sejam descobertos, um mistério é um mistério e certos casos continuarão a gerar teorias e especulações, e os alienígenas muitas vezes levam a culpa.

(Fonte)


n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site.

Clique aqui para apoiar através do site Apoia.se, ou use o botão abaixo:


*Agora você também pode doar através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:

(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.