Três sóis, nuvens estranhas e bolas de fogo seriam OVNIs disfarçados?

Tempo de leitura: 4 min.
Três sóis, nuvens estranhas e bolas de fogo seriam OVNIs disfarçados?
Crédito: IgorZh – Adobe Stock

Desde o início dos tempos, as pessoas olham para o céu observando corpos celestes e fenômenos atmosféricos inexplicáveis. Registros históricos revelam que pessoas de todas as culturas e épocas também observaram nuvens e luzes de formas estranhas no céu.

Os povos antigos nem sempre podiam explicá-los como cometas, planetas Marte, Saturno, Júpiter, três estrelas do Cinturão de Orion, ou talvez Sirius, a estrela canina localizada à esquerda de Orion.

Mas como podemos explicar os avistamentos de três sóis ou nuvens em forma de funil em chamas e outros fenômenos atmosféricos incomuns? Seriam alguns dos objetos estranhos vistos nos céus OVNIs “disfarçados”?

O dia em que três sóis apareceram no céu

Em 6 de junho de 1797, o jornal inglês Brighton Advertiser relatou um avistamento muito interessante que não pode ser classificado como fenômeno atmosférico normal ou natural.

Este incidente extraordinário ocorreu à tarde entre as 16 e 17 horas em St. Malo, uma cidade velha e um porto cercado por um anel na Bretanha, ao noroeste da França, no Canal da Mancha.

O jornal escreveu:

Três sóis perfeitos foram vistos em uma fileira acima do horizonte ocidental. O céu estava muito claro na época, e ninguém que viu a cena incomum acreditou que fosse uma miragem ou outra ilusão atmosférica. O Sol central parecia mais brilhante do que seus dois atendentes luminosos, e entre os três parecia haver uma comunicação na forma de ondas de luz compostas por todas as cores prismáticas. Quase ao mesmo tempo, um arco-íris fez sua aparição a uma curta distância acima do sol central, de cabeça para baixo – isto é, as duas extremidades apontadas para o zênite e em direção ao horizonte.

O que os habitantes de St. Malo realmente observaram no céu? Será que os “três sóis” alinhados “todos em uma fileira” seriam objetos voadores não identificados e brilhantes?

Estranho fenômeno da nuvem

Ao longo dos tempos, pessoas de todas as nações e origens viram nuvens estranhas no céu. Antigos manuscritos indianos mencionam Vimanas, que eram veículos espaciais altamente avançados usados ​​pelos deuses. Ao usar certos produtos químicos, um piloto de Vimana era capaz de esconder sua máquina voadora e dar-lhe a aparência de uma nuvem.

Nuvens estranhas, visíveis no mesmo lugar há horas, também foram testemunhadas por humanos ao longo da história da humanidade e ainda são vistas, mesmo nos tempos modernos. A Bíblia oferece muitos bons exemplos dessas “nuvens”, que eram a descrição mais comum usada quando se referia às máquinas voadoras de Yahweh.

Diz-se que Yahweh se movia pelos céus em nuvens espessas, rápidas, brilhantes, escuras, baixas, enormes e de fogo. Possivelmente todos os tipos de nuvens que alguém possa imaginar. Moisés frequentemente mencionou a presença dos carros das nuvens: “O Senhor desceu na nuvem”; “O Senhor desceu em uma nuvem”; “O Senhor ia adiante deles de dia em uma coluna de nuvem para guiá-los no caminho e de noite em uma coluna de fogo.”

O profeta Daniel foi outro que descreveu o uso de uma carruagem nebulosa para transporte cósmico.

Em 1 de agosto de 1888, às 13 horas, um estranho fenômeno foi testemunhado em Monroe, Geórgia, EUA. O Sr. H.C. Harrison ouviu um barulho alto e saiu para ver o que estava acontecendo:

Embora o céu estivesse claro e o Sol brilhasse em todo o seu esplendor, uma pequena nuvem em forma de funil foi vista se aproximando do sudoeste em um ritmo rápido, acompanhada por um som estrondoso como o de um trovão.

O corpo girando subia e descia e relatos informaram que ele soava como uma explosão de barris de óleo em chamas. O corpo passou entre a casa do Sr. Harrison e a igreja Batista e atravessou a rua. Em seguida, virou na direção da antiga casa Stilwell. Ao cruzar uma planície arenosa, um fuste de areia foi elevado no ar, tendo a aparência de quase um travesseiro sólido.

O corpo depois assumiu a aparência de fogo e grandes línguas flamejantes emergiram do topo como de um prédio em chamas, emitindo calor a alguma distância, que foi sentido por aqueles que presenciaram a cena. Ao passar por uma plantação de algodão, algumas folhas foram chamuscadas até ficarem crocantes e outras no mesmo talo ficaram ilesas. O corpo passou por uma orla de pinheiros e desapareceu. ” (The New York Times 2 de agosto de 1888)

Teria o Sr. Harrison talvez visto uma nave extraterrestre que usava nuvens como forma de camuflagem para se mover despercebida?

Em 1973, o físico David Kubrin e sua esposa estavam visitando o Monumento Nacional Pinnacles, na Califórnia. De repente, eles notaram uma faixa de luz logo acima da copa das árvores, produzindo ondas de choque no ar. Em seguida, ela parou sem desaceleração, como se não tivesse peso. A luz tinha forma basicamente ovoide e, ao parar, parecia girar, fazendo com que sua luz se dissipasse. Ela perdeu a forma e se fundiu um pouco com o ar circundante. David Kubrin tirou uma foto quando o objeto começou a girar. Deve-se notar que abaixo dos pináculos, existe um sistema de cavernas ainda inexplorado pelos arqueólogos. Infelizmente, não existem lendas indígenas sobreviventes que se refiram ao uso das cavernas.

Bola de fogo observada na costa brasileira

Outro incidente que pode ser facilmente classificado na categoria de fenômenos atmosféricos inexplicáveis ​​ocorreu em 11 de fevereiro de 1922, quando uma misteriosa bola de fogo foi vista na costa brasileira.

Na chegada do Lamport and Holt Liner, Vauban dos portos sul-americanos, Frank C. Blessing, o segundo oficial relatou ter testemunhado um fenômeno astronômico incomum, que iluminou o navio e assustou as pessoas no convés:

O oficial disse que estava encarregado da ponte dos sinos no primeiro turno às 21h30, quando ele viu uma enorme bola de fogo subir acima do horizonte no oeste e descrever um arco baixo à frente do navio e desaparecer abaixa do horizonte.
Quando ele fez suas observações, a bola de fogo, que era tão grande quanto a lua cheia no hemisfério sul e cercada por um halo flamejante, iluminando o céu e o mar, e estava cerca de 10 graus acima do horizonte. Estava viajando em grande velocidade e ficou à vista por três minutos e vinte segundos.

Ao descrever a visão estranha, o oficial Blessing disse:

A bola era muito ardente e de um vermelho brilhante, com uma trilha alta e longa de fogo, que iluminava o mar em todas as direções. O navio, e por um quarto de milha ao redor, estava iluminado como o dia, e a luz era tão brilhante que diminuiu a lâmpada da bitácula e as luzes da sala de fumaça, o que fez com que os passageiros lá dentro corressem para o convés para ver o que era o assunto. Fiquei assustado com a visão estranha porque pensei que tinha a ver com o fim do mundo.

Era muito grande para um meteoro e surgiu do horizonte no oeste e não caiu do zênite.

Não consegui estimar a distância que estava do navio quando passou pela proa. Liguei para o capitão ver, mas quando ele alcançou a ponte, a bola de fogo havia desaparecido. Não consigo imaginar o que poderia ter sido e os astrônomos ligados aos observatórios não conseguiram me explicar. Quando chegamos ao Rio de Janeiro os cientistas do observatório subiram a bordo e me questionaram sobre quando eu tinha visto o fenômeno e como era, e o mesmo aconteceu em Buenos Aires e Montevidéu. Pelo que os astrônomos me disseram, a grande bola de fogo deve ter sido visível em um raio de 700 milhas (1.100 km) ao norte, sudeste e oeste do Vauban quando o observamos. ” (The New York Times 20 de fevereiro de 1922)

Fenômenos atmosféricos inexplicáveis ​​intrigam astrônomos e outros cientistas, mas também há numerosos ufólogos que consideram seriamente que a presença de espaçonaves extraterrestres pode explicar muitos desses avistamentos.

Até que os cientistas possam apresentar uma explicação adequada para nuvens inexplicáveis de formato estranho, redemoinhos de comportamento estranho e bolas de fogo misteriosas, podemos supor que certos fenômenos atmosféricos incomuns podem estar relacionados aos objetos voadores não identificados se camuflando.

(Fonte)


O primeiro fenômeno descrito no artigo acima pode ser explicado como sendo um parélio, que parece não ser tão raro assim. Contudo, a descrição dos outros fenômenos pode ter implicações um pouco mais complexas.

n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site.

Clique aqui para apoiar através do site Apoia.se, ou use o botão abaixo:


*Agora você também pode doar através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:

(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.