A Terra pulsa repetidamente a cada 26 segundos e não sabemos o porquê

Tempo de leitura: 2 min.
A Terra pulsa repetidamente a cada 26 segundos e não sabemos o porquê

Nosso planeta pulsa e a ciência não tem uma explicação convincente sobre porque ou como isso acontece.

Os cientistas sabem há muito tempo que nosso planeta pulsa a cada 26 segundos, mas nas não conseguiram entender o porquê disso. A pulsação tem sido estudada detalhadamente nas últimas décadas, mas até o momento os motivos de sua ocorrência não foram explicados. Alguns pesquisadores acreditam que a pulsação pode significar uma mudança iminente nos pólos magnéticos da Terra.

Claro, essa pulsação não pode ser sentida pelos sentidos humanos normais, nem é poderosa o suficiente para sacudir o solo da mesma forma que sentimos os terremotos. No entanto, a cada 26 segundos, sismólogos de todo o mundo monitoram um pequeno pulso em seus detectores, uma ocorrência que ainda não foi explicada pela ciência.

Estudos sobre o assunto

O primeiro a registrar o pulso estranho da Terra foi o geólogo Jack Oliver no início dos anos 1960, quando um cientista ouviu um barulho estranho enquanto trabalhava no Observatório Geológico da Universidade de Columbia. Desde então, os pesquisadores ouvem essa pulsação, tentando entender sua origem.

Jack Oliver não tinha a tecnologia necessária para monitorar com precisão essas pulsações nos anos 60. Seus recursos não permitiam que ele tivesse acesso a sismômetros digitais, mas, em vez disso, todos os seus dados consistiam em registros em papel e muitas questões insolúveis. Sua descoberta foi deixada sem vigilância e as pesquisas sobre o assunto demoraram várias décadas para começar.

Avançamos até 2005, quando pesquisadores da Universidade do Colorado começaram a questionar os sinais inexplicáveis ​​que estavam recebendo em seus dados sísmicos. Apesar de suas tentativas para encontrarem uma resposta, o mistério permaneceu sem solução. Eles até redigiram um relatório detalhado com base em seus estudos e no trabalho de Jack Oliver que conseguiram adquirir. Se você estiver interessado, pode ler o relatório (em inglês) AQUI.

Limitando as possíveis localizações do pulso da Terra

Seis anos depois, em 2011, Garrett Euler, um estudante da Universidade de Washington em St. Louis, conseguiu restringir a localização do pulso do planeta Terra a um lugar chamado Bight of Bonny no Golfo da Guiné.

Além disso, sua hipótese subsequente sugere que a plataforma continental sob os oceanos do mundo funciona como uma quebra ondas gigante. Isso ocorre na borda da mesa continental da América do Norte, onde a parte mais alta do prato se transforma abruptamente em um profundo abismo. Quando as ondas estão neste lugar, a mesma pulsação é formada.

Outros pesquisadores acreditam que a causa da pulsação pode ser um vulcão ativo que está muito perto do ponto crítico. Esta teoria foi sugerida porque a origem do pulso está localizada perto de um vulcão na ilha de São Tomé, na Baía de Bonny.

Qualquer que seja a causa real, há outra questão importante a ser respondida. Vulcões e plataformas continentais existem em todos os cantos do mundo, mas nenhum mostrou sinais ou atividades semelhantes no passado. Com isso dito, por que exatamente essas pulsações estão ocorrendo?

(Fonte)


n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site.

Clique aqui para apoiar através do site Apoia.se, ou use o botão abaixo:


*Agora você também pode doar através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:

(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.