J. J. Benítez: “Estamos antes do ensaio da grande catástrofe”

Tempo de leitura: 3 min.

Atenção: A matéria abaixo, publicada aqui como parte da missão do OH, não possui comprovação de veracidade das declarações nela apresentadas, podendo contradizer a ciência atualmente aceita e as crenças gerais difundidas na humanidade.

J. J. Benítez: "Estamos antes do ensaio da grande catástrofe"
Escritor J. J. Benitez.



Juan José Benítez publica “La gran catástrofe amarilla” (“A Grande Catástrofe Amarela”) e relaciona a pandemia a uma operação para testar a reação da humanidade ao impacto de um meteoro.

Depois de viajar milhares de quilômetros atrás dos OVNIs e investigar a vida de Jesus Cristo, J. J. Benítez teve uma experiência que beira a angústia depois de ficar confinado por quatro meses em um barco como resultado da pandemia.

“A grande catástrofe amarela. Diário de um homem tranquilo” (Planeta) é o resultado do que escreveu esse jornalista e pesquisador durante o confinamento e no qual aponta que a origem do vírus está em um laboratório militar dos Estados Unidos.

Foi ali criado para realizar um ‘teste para a grande catástrofe’ que o meteoro GOG poderia causar se em janeiro de 2027 atingir de forma irreparável a Terra.

– J. J. Benitez

J. Luis Álvarez o entrevistou:

JLA: Como nasceu ‘A Grande Catástrofe Amarela?’

JJB: É um caderno de campo. Durante a viagem carreguei meu diário de bordo, como sempre, e em um determinado momento, quando vi que o coronavírus estava causando estragos, achei interessante tirar isso antes de mais nada.

JLA: Você partiu de Barcelona em janeiro e, com o passar das semanas, o coronavírus foi se espalhando pelo mundo. Como se passou uma situação tão grave em um navio -‘Costa Deliziosa‘- e no meio do Oceano Índico?

JJB: Como diz o subtítulo do livro: Sou em tranquilo. Eu vivi com muita serenidade. No início, não tínhamos consciência do que estava acontecendo no mundo.

Foi mais tarde, aos poucos, que chegou a notícia, que percebemos que aquilo era terrível. No navio havia de tudo.

Eram 2.000 pessoas e quase 1.000 tripulantes, então tinha de tudo ali, gente que se sentia superior, gente que chorava nas esquinas, gente que acumulava comida nas cabines…

Um meio motim liderado pelos alemães que pediram três aviões para sair dali, 40 dias sem poder pisar no solo por nos considerarem contaminados. Uma salada russa inteira de situações, anedotas, medo….

JLA: Ao longo de sua vida você viajou por todo o planeta, mas já passou por alguma situação semelhante?

JJB: As viagens que fiz sempre foram investigativas e mais ou menos difíceis.

Em um caso de risco de morte também, mas não fiquei confinado a um navio por quatro meses, em uma situação terrível em que, além do mais, você não pode fazer nada.

JLA: O que está por trás desse coronavírus?

JJB: Acho que isso é um ensaio geral para algo que está por vir, que será muito pior e espero estar errado. Espero que seja um erro, uma paranoia minha, mas pelas informações que tenho, este é um ensaio geral.

Primeiro, haverá uma grande catástrofe com 1,2 bilhões de mortes em 48 horas, segundo os cientistas, e uma terrível situação de desordem, caos e escuridão.

JLA: Refere-se ao possível impacto do meteorito denominado GOG que está a ser seguido com interesse pela NASA e pela ESA?

JJB: Sim. Espero que seja um erro meu. 2027.

JLA: E quem é o responsável por este ‘julgamento’ que se realiza a nível planetário?

JJB: No livro, falo sobre informações que vêm dos Estados Unidos e que apontam diretamente para um laboratório militar onde o vírus teria sido criado.

Lá ele foi preparado para seu desenvolvimento e seu lançamento no mundo. Isso seria feito criando ‘telas’ dizendo que eram os chineses, para que as pessoas pensassem e acreditassem que eram os chineses. Quando, na verdade, segundo as informações que constam do livro, foram os próprios americanos em um laboratório de pesquisa bacteriológica.

JLA: Mas o vírus começou a se espalhar da China.

JJB: Em outubro de 2019, jogos militares são realizados na cidade de Wuhan – com a presença de representantes dos exércitos de todo o mundo. Essa foi a grande ‘tela’. Eles próprios comentam naquela informação que cito no livro que com 160.000 voos por dia é muito fácil espalhar o vírus no planeta.

JLA: Como você considera que a pandemia foi administrada na Espanha?

JJB: Um verdadeiro desastre. Eles fizeram bem ao coronavírus. O pior não pode ser feito. Você não pode matar as pessoas de fome. Você pode as contagiar no supermercado, no metrô, na farmácia, em um bar ou em um restaurante.

É incontrolável. A situação foi tão mal feita desde o início que agora no final é uma luta política.

JLA: Você acha que isso passará?

JJB: Chegará um momento em que começaremos a respirar novamente.

JLA: Você embarcará em um navio de cruzeiro novamente?

JJB: Acho que nunca mais voltarei a embarcar em um cruzeiro desse tipo.

[Para informações de como ativar a legenda em português do(s) vídeo(s) abaixo, embora ela não seja precisa e possa não funcionar em dispositivos móveis, clique aqui.
(Macete: algumas legendas são melhores acompanhadas lendo-se somente a última linha)]

(Fonte)


Antes de mais nada, devemos lembrar que J. J. Benitez é um escritor e vive da venda de seus livros. Assim, suas declarações podem não passar de invenções sensacionalistas criadas para atrair o interesse dos leitores.

Seja como for, olhando agora a questão dessa pandemia, para mim, particularmente, parece que isto está sendo tratado de forma incrivelmente “burra”.

Explico: Quando você pode ir a um supermercado e enquanto está selecionando seus produtos pode fica lado a lado de outros clientes – inclusive tocando embalagens, legumes e frutos que outras centenas já tocaram – mas depois quando vai para a fila do caixa é exigido que fique a dois metros de distância daquelas mesmas pessoas, não passa de um insulto à inteligência até mesmo de uma samambaia de plástico. Então o vírus só é contagioso na fila do caixa?

Esta e outras medidas tão ou mais imbecis são frutos de politicagem que nada fazem para conter o alastro de um vírus. Mesmo assim, seguimos como bons carneirinhos que somos, não é mesmo?

Não vou entrar em outros particulares dessa pandemia, pois não é o foco aqui. Mas aqueles que tem pelo menos “meio cérebro” podem por si mesmo ver estas e outras discrepâncias.

Para por aqui.

n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site.

Clique aqui para apoiar através do site Apoia.se, ou use o botão abaixo:


*Agora você também pode doar através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:

(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.