Meteorito que caiu nos EUA contém compostos orgânicos extraterrestres

Tempo de leitura: 3 min.
Meteorito que caiu nos EUA contém compostos orgânicos extraterrestres

Um meteorito que caiu em um lago congelado em 2018 contém milhares de compostos orgânicos que se formaram há bilhões de anos e podem conter pistas sobre a origem da vida na Terra.

O meteoro entrou na atmosfera da Terra em 16 de janeiro de 2018, após uma longa jornada através do vácuo congelante do espaço, iluminando os céus de Ontário, Canadá e o meio-oeste dos Estados Unidos. O radar meteorológico rastreou a descida e o rompimento da rocha espacial em chamas, ajudando os caçadores de meteoritos a localizarem rapidamente fragmentos caídos no lago Strawberry em Hamburgo, estado do Michigan.

Uma equipe internacional de pesquisadores examinou então um pedaço do tamanho de uma noz do meteorito “enquanto ainda estava fresco”, relataram cientistas em um novo estudo. Sua análise revelou mais de 2.000 moléculas orgânicas que datam de quando nosso sistema solar era jovem; compostos semelhantes podem ter semeado o surgimento de vida microbiana em nosso planeta, relataram os autores do estudo.

A rápida recuperação do meteorito da superfície congelada do lago evitou que a água líquida vazasse para as rachaduras e contaminasse a amostra com esporos e micróbios terrestres. Isso manteve o estado original da rocha espacial, permitindo que especialistas avaliassem mais facilmente sua composição.

Na verdade, houve tão pouco intemperismo terrestre que o fragmento trazido ao Field Museum de Chicago parecia ter sido coletado no espaço, disse a co-autora do estudo Jennika Greer, doutoranda no Departamento de Ciências Geofísicas da Universidade de Chicago, e aluna de graduação residente no The Field Museum.

Quando as rochas espaciais entram na atmosfera a velocidades de vários quilômetros por segundo, o ar ao redor delas fica ionizado. O calor extremo derrete até 90% do meteoro, e a rocha que sobrevive à passagem atmosférica torna-se envolta em uma crosta de fusão de vidro derretido com 1 milímetro de espessura, disse o principal autor do estudo, Philipp Heck, curador de meteoritos no Field Museum e professor associado da Universidade de Chicago.

Esse fragmento sobrevivente dentro da crosta vítrea é um registro imaculado da geoquímica da rocha no espaço. E apesar de uma queda em chamas na Terra, depois que as camadas externas vaporizadas são carregadas, meteoritos rochosos como este são muito, muito frios quando pousam, disse Heck ao Live Science.

Ele disse:

Eu ouvi relatos de testemunhas oculares de meteoritos caindo em poças depois de chover, e a poça congelou porque o meteorito estava muito frio.

Quase inalterado

A proporção de urânio do meteorito de Michigan (isótopos 238 e 235) para o estado de decomposição do elemento como chumbo (isótopos 207 e 206) mostra aos cientistas que o asteroide pai se formou cerca de 4,5 bilhões de anos atrás. Por volta dessa época, a rocha passou por um processo denominado metamorfismo térmico, pois foi submetida a temperaturas de até 700 graus Celsius. Depois disso, a composição do asteroide permaneceu praticamente inalterada nos últimos 3 bilhões de anos.

Então, cerca de 12 milhões de anos atrás, um impacto quebrou o pedaço de rocha que caiu recentemente em Michigan, de acordo com uma análise da exposição do meteorito aos raios cósmicos no espaço, disse Heck ao Live Science.

Como o meteorito foi alterado tão pouco após seu aquecimento inicial bilhões de anos atrás, ele foi classificado como H4: ‘H’ indica que é um meteorito rochoso com alto teor de ferro, enquanto meteoritos do tipo 4 passaram por metamorfismo térmico suficiente para alterar sua composição original. Apenas cerca de 4% dos meteoritos que caem na Terra hoje caem na categoria H4.

Greer disse:

Quando estamos olhando para esses meteoritos, estamos olhando para algo que está perto do material quando se formou no início da história do sistema solar.

O meteorito continha 2.600 compostos orgânicos ou de carbono, relataram os pesquisadores no estudo. Como o meteorito permaneceu praticamente inalterado desde 4,5 bilhões de anos atrás, esses compostos provavelmente são semelhantes aos que outros meteoritos trouxeram para uma Terra jovem, alguns dos quais “podem ter sido incorporados à vida”, disse Heck.

A transformação de compostos orgânicos extraterrestres na primeira vida microbiana na Terra é “um grande passo” que ainda está envolto em mistério, mas as evidências sugerem que os orgânicos são comuns em meteoritos – mesmo em meteoritos metamorfoseados termicamente como aquele que pousou em Michigan, ele adicionou. O bombardeio de meteoros também foi mais frequente para uma Terra jovem do que é hoje, “portanto, temos certeza de que a entrada de meteoritos no inventário orgânico da Terra foi importante” para semear vida, disse Heck.

As descobertas foram publicadas online em 27 de outubro na revista Meteoritics & Planetary Science.

(Fonte)

Colaboração: MaryH, Lênio


São sementes da vida por todo o Universo.

n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site.

Clique aqui para apoiar através do site Apoia.se, ou use o botão abaixo:


*Agora você também pode doar através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:

(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.