Alienígenas podem estar usando buracos negros para viajar pelo universo

Tempo de leitura: 3 min.
Alienígenas podem estar usando buracos negros para viajar pelo universo
Uma visualização artística de um núcleo galáctico ativo. Crédito da imagem: DESY, Science Communication Lab
 

Civilizações alienígenas extremamente avançadas podem já ter desenvolvido uma tecnologia que lhes permita explorar buracos negros e usá-los para viajar pelo universo.

A Parker Solar Probe – uma espaçonave projetada para estudar o Sol – é a espaçonave mais rápida já construída por mãos humanas. Em outubro de 2018, a espaçonave viajou a uma velocidade superior a 250.000 quilômetros por hora e, em dezembro de 2024, espera-se que ela viaje através de nosso sistema solar a uma velocidade superior a 690.000 quilômetros por hora.

Ainda assim, isso está longe de ser rápido se a humanidade quiser se tornar uma espécie multi-estelar, ou seja, uma que viajará para outro sistema estelar.

A nave espacial mais rápida é a Voyager 1, que atualmente está viajando a cerca de 1/18.000 da velocidade da luz. Se mantiver essa velocidade, a espaçonave levará 80.000 anos para chegar ao sistema estelar mais próximo da Terra, Proxima Centauri.

Em outras palavras, para que os humanos realmente se tornem uma espécie interplanetária, precisamos de uma espaçonave melhor – mais rápida – que nos ajude a ir do ponto A ao B o mais rápido possível.

Enquanto você está lendo isto, várias tecnologias estão sendo desenvolvidas, mas estamos longe de realmente construir um veículo que possa levar a humanidade a outro sistema estelar dentro de uma vida.

Embora os humanos ainda tentem, não conseguiram tornar este sonho possível. Mas isso não significa que outras espécies não o fizeram. Pelo que sabemos, pode haver civilizações alienígenas em algum lugar por aí que são igualmente desenvolvidas como nós, ou provavelmente até mais.

Uma civilização intergaláctica seria tão avançada para nós que provavelmente teríamos dificuldade em identificá-la como tal.

Mas a humanidade ainda é uma espécie relativamente jovem em termos geológicos e comparada à idade do sistema solar e do universo evoluímos em um piscar de olhos, passando de uma espécie que vivia em cavernas para uma que constrói foguetes e espaçonaves, conseguindo pousar um ser humano em outro corpo celestial, a Lua.

Deixamos de usar gravetos e pedras e pintar paredes de cavernas para construir veículos intrincados e complexos que podem nos levar ao redor do globo e até outros planetas do sistema solar.

Mas, apesar de nossos avanços tecnológicos, ainda temos muito a aprender e muito a criar se quisermos viajar para as estrelas, pois somos uma espécie destinada a viajar para lá, para o cosmos onde segredos inimagináveis ​​aguardam ser descobertos.

No final do dia, tudo se resume ao nível de avanço tecnológico, e a escala Kardashev é um bom ponto de partida para termos uma ideia de onde estamos em termos de uma civilização global.

A escala de Kardashev mede o nível de avanço tecnológico da civilização, com base na quantidade de energia que essa civilização poderia usar. O astrônomo soviético Nikolai Kardashev desenvolveu essa escala em 1864, e ela inclui três tipos de civilizações; a civilização Tipo I ou planetária que pode usar os recursos de seu planeta, a civilização Tipo II que pode controlar seu sistema planetário e uma civilização Tipo III que pode controlar a energia em escala galáctica.

Mesmo que a humanidade esteja longe de ser uma civilização do tipo II, pode haver espécies alienígenas lá fora que são muito mais antigas que a humanidade e que já conseguiram se desenvolver em uma civilização galáctica. Este tipo de civilização provavelmente possui conhecimento e compreensão impensáveis ​​dos fenômenos cósmicos que mal imploramos para estudar na Terra.

Este tipo de civilização também pode ter aprendido a usar o universo a seu favor, e não apenas para produção de energia.

De acordo com um estudo científico, pode haver civilizações no cosmos que podem viajar por sua galáxia sem ter que gastar uma quantidade impensável de energia para fazer isso. Na verdade, conforme revelado pelo professor David Kipping, pesquisador da Universidade de Columbia, civilizações alienígenas altamente desenvolvidas já poderiam estar usando tecnologia para viajar pelo universo, as quais mal seríamos capazes de identificar.

Para realizar essa viagem intergaláctica, o pesquisador argumenta que as civilizações poderiam colher a energia dos “buracos negros binários”. Usando campos gravitacionais de um buraco negro e absorvendo a energia deste, os alienígenas podem viajar pelo universo sem muito esforço. o segredo por trás de tais viagens poderia depender de “fótons”, especificamente, fótons que os astrônomos observaram entrando e saindo dos espelhos gravitacionais; esses fótons não apenas ganham velocidade em sua viagem de ida, mas também retêm a energia cinética de sua viagem de ida.

Em 1993, o físico Mark Stuckey propôs que, em teoria, um buraco negro poderia ser usado como um espelho gravitacional onde a imensa gravidade do buraco negro poderia atirar um fóton ao redor, fazendo-o voar de volta para sua fonte; um fóton bumerangue.

Usando “fótons bumerangues” – os fótons que retornam -, civilizações alienígenas poderiam teoricamente colher grandes quantidades de energia que lhes permitiriam viajar a uma velocidade de até cento e trinta e três vezes maior do que a velocidade do buraco do bloco. Essencialmente, uma civilização poderia explorar buracos negros, usando-os como pontos de referência galácticos, onde quanto mais rápido o buraco negro se move, mais energia eles poderiam extrair dele; mais rápido eles poderiam viajar.

Em outras palavras, ao realizar estilingues gravitacionais em torno de um buraco negro, civilizações alienígenas poderiam acelerar a velocidades potencialmente relativísticas, aproveitando assim a energia que mal podemos imaginar hoje.

(Fonte)


Mas talvez, os buracos negros não sejam a resposta para viagens interestelares. Provavemente o que irá nos permitir viajar até outras estrelas serão os buracos de minhoca:

n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site.

Clique aqui para apoiar através do site Apoia.se, ou use o botão abaixo:


*Agora você também pode doar através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:

(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.